COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Secretária de Relações Internacionais
Profa. Dra. Miriam Galvonas Jasiulionis – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Assessora de Relações Internacionais
Vera Aburesi Salvadori - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pró-Reitoria de Graduação
Prof. Dr. Osmany Porto de Oliveira (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Juliana Mastrullo (TAE) (S) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pró-Reitoria de Pós-Graduação
Prof. Dr. Daniel Campos de Carvalho (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pró-Reitoria de Extensão e Cultura
Profa. Dra. Cláudia Fegadolli (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis
Cássio Manoel do Nascimento (TAE) (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pró-Reitoria de Planejamento
Profa. Dra. Claudia Alessandra Tessari (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pró-Reitoria de Administração
Odete Júlio da Silva Cardozo (TAE) (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Gabinete da Reitoria
Profa. Dra. Andrea Rabinovici (S) Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Profa. Dra. Gabriela Brelaz (S) – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Núcleo de Inovação Tecnológica
Profa. Dra. Pollyana de Carvalho Varrichio (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Secretaria de Ensino à Distância
Dra. Cláudia Galindo Novoa (SEAD) (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Felipe Azevedo Moretti (S) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Campus São Paulo
Profa. Dra. Maria Christina Werneck de Avellar (EPM) (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Prof. Dr. Henrique Manoel Lederman (EPM) (S) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Profa. Dra. Erika de Sá Vieira Abuchaim (EPE) (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Profa. Dra. Cássia Regina Vancini Campanharo (EPE) (S) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Campus Baixada Santista
Prof. Dr. Ronaldo Christofoletti (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Campus Diadema
Prof. Dr. Camilo Lellis Santos (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Profa. Dra. Vânia Rodrigues Leite e Silva (S) -

Campus Guarulhos
Prof. Dr. Bruno Comparato (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Prof. Dr. Fernando Atique (S) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Campus Osasco
Prof. Dr. José Alexandre Hage (T) – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Campus São José dos Campos
Prof. Dr. Renato Cesar Sato (T) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Prof. Dr. Reginaldo M. Kuroshu (S) - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Obs.:

T: Titular
S: Suplente

 

 

Tradução de documentos que integram os acordos

TRADUÇÕES EM GERAL

Para tradução de documentos em geral, acesse aqui a lista de Tradutores Oficiais da JUCESP (aptos a realizarem traduções juramentadas).

 

TRADUÇÕES QUE INTEGRAM OS PROCESSOS DE SOLICITAÇÃO DE ACORDO INTERNACIONAL

As traduções exigidas nos processos de solicitação de acordos podem ser redigidas e atestadas por Tradutores Juramentados, os descritos acima, ou também por Servidores Públicos Federais que detenham domínio do idioma. Quando realizadas pelo servidor, é necessário apresentar ao processo um comprovante de que o mesmo é conhecedor da língua que se propôs a traduzir, como um certificado de proficiência, por exemplo. Esta possibilidade se fundamenta no art. 19, inciso II, da Constituição Federal, e parecer n° 9/2012/GT467/DEPCONSU/PGF/AGU, art. 17, 18 e 19.

 

 

 

Mestrado e Doutorado em Cotutela

A fim de propiciar o intercâmbio acadêmico, bem como de estabelecer e fortalecer relações com universidades estrangeiras, os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Unifesp prevêm a realização de doutorados em regime de cotutela internacional. O objetivo é permitir às teses de doutorado a orientação conjunta de docentes da UNIFESP e de Universidades estrangeiras e a dupla titulação para alunos brasileiros e estrangeiros que optem por esta modalidade. Por ora, trabalhamos somente com a opção de cotutela doutoral, mas em breve estará aberta a possibilidade para os cursos de mestrado. Aguardem novas informações.

Para a solicitação da cotutela doutoral, os professores orientadores do candidato poderão manifestar o interesse à SRI, desde que já tenham acertado o interesse da cotutela com um professor orientador de uma Universidade estrangeira. A instituição estrangeira poderá ser uma das nossas parceiras nos convênios internacionias ou não. O instrumento jurídico que embasa esta modalidade também poderá ser elaborado de duas formas, ou constituir num acordo de cooperação acadêmica com cláusula de cotutela entre as instituições, que prevê a candidatura de estudantes de doutorado à coorientação e dupla titulação; ou, de forma individualizada, a constituição de um acordo de cooperação que trate somente da cotutela doutoral de um aluno em específico. A escolha entre um destes formatos depende do que nós já temos firmado nos acordos de cooperação acadêmica com as Universidades parceiras, e também, do interesse dos orientadores e das instituições em cada caso.

 

 

Quanto à documentação necessária para abertura de processo de solicitação de Convênio e de Cotutela Doutoral, clique aqui para baixar o check list e explicações procedimentais.

Para conhecerem os nossos modelos padrão de Acordos Gerais de Cooperação com a previsão de Cotutelas, escolha o idioma:

Modelo de Convenção Português - Francês
Modelo de Convenção Português - Inglês
Modelo de Convenção Português - Espanhol 

 

Por fim, para que um acordo de cooperação seja firmado, o processo de solicitação tramitará pelas seguintes instâncias da universidade:

Secretaria de Relações Internacionais - para o recebimento da documentação e abertura do processo
Coordenadoria de Convênios - para conferência dos documentos
Pró-Reitoria envolvida - para emissão de parecer
Núcleo de Inovação e tecnologia (NIT) - para emissão de parecer sobre a propriedade intelectua
Procuradoria Jurídica - para adequação das cláusulas à legislação brasileira
Gabinete do Reitor - para assinatura pela Mga. Reitora
Instituição estrangeira - para assinatura
Publicação do Convênio

Mais informações sobre as cotutelas, por favor, entre em contato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Acordos de Doutorado em Cotutela Internacional

O QUE É?

A fim de incentivar a mobilidade internacional das formações acadêmicas, de fortalecer, de estabelecer novas relações com universidades estrangeiras de referência global, os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da UNIFESP preveem e apoiam a realização de doutorados sob o regime da cotutela internacional. A cotutela de Tese é uma modalidade que permite ao estudante de Doutorado realizar sua Tese sob a responsabilidade de dois orientadores: um no Brasil e outro em um país estrangeiro. Ambos exercem sua competência conjuntamente em relação ao estudante, que deve permanecer matriculado nas duas instituições por períodos equivalentes.

 

COMO SOLICITAR?

O docente filiado à UNIFESP e orientador do candidato deverá manifestar interesse junto a SRI, desde que, já tenha pré-acordado a possibilidade da cotutela com um professor equivalente filiado a uma universidade estrangeira.
A instituição de escolha poderá ser uma de nossas parceiras ou não, mas de qualquer forma será necessário que se realize um acordo para embasar a cotutela do candidato antes do início efetivo de suas atividades, que poderá ser realizado de duas formas:
 
  • 1. Por um Acordo Geral de Cooperação com cláusula de cotutela.
  • 2. Por um Acordo Específico de Cotutela que trate individualmente da defesa de tese do doutorando.

A escolha entre estes formatos depende da abertura e do interesse das instituições em cada caso.

 

NORMAS E DOCUMENTOS

A documentação necessária para abertura de processo de solicitação de Cotutela Doutoral, clique aqui para baixar o check list e explicações procedimentais.

 

  • 1. Através dos "Acordos Gerais de Cooperação com a previsão de Cotutelas", a UNIFESP e a Instituição estrangeira firmam um acordo sem especificar o nome dos estudantes. Após este acordo assinado o estudante e seu orientador deverá solicitar um Termo de Aditivo a este Acordo, obedecendo todo tramite administrativo interno. A fim de facilitar os acordos deste tipo, a SRI disponibiliza o modelo de minuta deste acordo, em três idiomas:
           Modelo de Acordo Geral com cotutela em Português - Francês
           Modelo de Acordo Geral com cotutela em Português - Inglês
           Modelo de Acordo Geral com cotutela em Português - Espanhol 

 

  • 2. Através dos "Acordos Específicos de Cotutela", a UNIFESP e a Instituição estrangeira firmam um acordo acerca da mobilidade do estudante participante. Para estes casos ainda não disponibilizamos um modelo de minuta padrão e sugerimos que os solicitem às instituições estrangeiras, para análise e adequação as nossas normativas.

 

A normativa que rege as solicitações de cotutela e a titulação simultânea na UNIFESP descreve, dentre outros aspectos, os itens e informações que os Acordos Gerais e os Acordos Individuais devem conter sobre os alunos, sobre a tese e a defesa.

 

Para mais informações sobre as cotutelas, por favor, entre em contato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Acordos Gerais de Cooperação Internacional

 

O QUE É?

Os Acordos Gerais de Cooperação Internacional, também formatados como Protocolos de Intenções e Memorandos de Entendimento, formalizam a cooperação entre a UNIFESP e instituições estrangeiras para o desenvolvimento de futuras atividades acadêmicas em parceria. Sem a previsão de transferência de recursos, nem a necessidade de um plano de trabalho fixo, estes acordos figuram uma cooperação diplomática inicial entre os partícipes.

Os Acordos Gerais de Cooperação compõem um dos vários formatos existêntes de parcerias que, junto dos convênios nacionais, ajustes e outros instrumentos, são regulamentados no âmbito da UNIFESP (aqui) pela Coordenadoria de Convênios e (aqui) pelas recomendações da AGU que regem a celebração de acordos com IES federais em geral.

 

COMO SOLICITAR?

O docente que pretende propor a celebração de um Acordo Geral de Cooperação deverá contatar um interlocutor vinculado à instituição estrangeira de interesse e combinar o objeto da iniciativa. Esse objeto deve especificar tanto o carácter das atividades a serem desenvolvidas, como a abrangência da cooperação. O docente e este interlocutor externo devem ter em mente, por exemplo, se a iniciativa será destinada a atividades de intercâmbio, de pesquisa, de troca de materiais, de transferência de tecnologia ou uma combinação destas práticas. Se o acordo será restrito a uma área do conhecimento ou todas as ofertadas pelas universidades em voga. E se compreenderá o âmbito da graduação, extensão, pós-graduação, ou somente algum destes níveis.

Em seguida, a lista de documentos apresentada abaixo deverá ser entregue para a Secretaria de Relações Internacionais, que fará uma análise da adequação dos termos do acordo e então abrirá um processo administrativo para que ele seja celebrado ao final de sua tramitação.

 

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Quanto aos documentos necessários, confira os itens e modelos disponíveis na tabela: 

 

Doc.1

A minuta do acordo, já aprovada pela instituição estrangeira, em formato digital e em formato físico feito pelo tradutor juramentado ou por impressão simples com rubricas em todas as páginas pelo servidor público que se dispõe a atestar a tradução.

modelo de Acordo Geral Português
modelo de Acordo Geral Português - Francês
modelo de Acordo Geral Português - Inglês
modelo de Acordo Geral Português - Espanhol
Doc.2 Ofício de solicitação de apoio à celebração do acordo emitido pelo solicitante. Deverá conter a justificativa de interesse no acordo, benefícios proporcionados à UNIFESP e indicação de um aspirante a coordenador do acordo, conforme modelo.
Doc.3

Aprovação pela Congregação da Unidade Universitária à futura parceria e a indicação do coordenador do acordo. A aprovação deve ser entregue em forma de ata da reunião ou, por uma declaração de quem preside a Congregação, atestando o apoio conferido pelo colegiado, como no modelo.

Doc.4

Regimento/Estatuto da Universidade Estrangeira com a tradução do trecho que aponta a competência do Reitor ou figuras equivalentes a representar legalmente a instituição.

 

Doc.5

 

 

Documento que ateste a nomeação do Reitor ou de figuras equivalentes que firmarão o acordo. Em regra, as nomeações são publicadas em diário oficial dos países, ou estabelecidas por decreto de eleição do conselho universitário. Se a instituição não tiver o documento específico, aceita-se uma declaração, consonante ao modelo.
Doc.6 Cópia da carteira fincional do tradutor juramentado, ou, quando o servidor público optar por redigir as traduções, juntar o comprovante de proficiência do servidor e uma Declaração de tradução, conforme o modelo.
Doc.7

Formulário de pedido de celebração de acordo, assinado pelo solicitante e chefe de departamento. Ele é disponibilizado via intranet, na aba “UNIFESP”, ícone “Convênios UNIFESP” (para acessar, lembre-se de liberar os scrips não seguros do navegador).

  

TRAMITAÇÃO

Após a instauração do processo, o mesmo tramitará pelas seguintes instâncias da universidade, até que o acordo seja firmado:

2.0 BI   SRI   fluxo de adendos ou acordos específicos

Secretaria de Relações Internacionais - para conferência da minuta do Acordo;Docente colhe a aprovação na Congregação da Unidade Universitária (Doc. 2) e entrega para a SRI com todos os outros documentos listados acima; 
Secretaria de Relações Internacionais - para a abertura do processo e emissão de manifestação;
Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) - para emissão de parecer, quando necessário; 
Coordenadoria de Convênios - para conferência dos documentos; 
Pró-Reitoria envolvida - para emissão de manifestação;
Procuradoria Jurídica - para emissão de parecer sobre a adequação das cláusulas e termos do Acrodo à legislação pátria; 
Gabinete do Reitor - para análise e assinatura pela Mga. Reitora; 
Instituição estrangeira - para assinatura; 
Coordenadoria de Convênios - para registro e publicação do Acordo.

 

TRADUÇÕES

Para tradução de documentos em geral, acesse aqui a lista de Tradutores Oficiais da JUCESP (aptos a realizarem traduções juramentadas). 

Para as traduções exigidas no processo de solicitação de acordo (como o descrito acima), há também a possibilidade de que elas sejam redigidas e atestadas por Servidores Públicos Federais que detenham domínio do idioma. Nesse caso, é necessário apresentar junto às traduções uma declaração (Doc. 6) e um comprovante de que o servidor é conhecedor da língua que se propôs a traduzir. Condição prevista no art. 19, inciso II, da Constituição Federal, e parecer n° 9/2012/GT467/DEPCONSU/PGF/AGU, art. 17, 18 e 19.

 

ADENDOS

Na vigência do Acordo Geral de Cooperação, se houver o interesse e o planejamento concreto da realização de alguma das atividades propostas no âmbito da parceria, o docente coordenador deverá solicitar a celebração de um Adendo que, decorrente do seu Acordo Geral de Cooperação, tratará especificamente do projeto científico em conjunto, do programa de mobilidade discente internacional ou qualquer outra atividade em que se deseja executar. Esses Adendos podem assumir diversos objetos, mas a UNIFESP conta com os seguintes modelos mais frequentes:

  • Adendo de Pesquisa Científica, que tem por objeto a promoção de cooperação científica e tecnológica entre docentes, pesquisadores, técnicos e responsáveis filiados à Unifesp e a instituições de ensino estrangeiras mediante o desenvolvimento de um projeto ou programa de pesquisa em específico.

          modelo de Adendo de Pesquisa Científica

  • Adendo de Mobilidade Acadêmica, que tem por objeto a promoção de períodos de mobilidade entre os técnicos administrativos, docentes ou estudantes de graduação e pós-graduação filiados à Unifesp e a instituições de ensino estrangeiras, estando os discentes em caráter de intercâmbio que os permite cursar disciplinas na instituição anfitriã para obter créditos que poderão ser aproveitados junto a sua instituição de origem.

          modelo de Adendo de Mobilidade Acadêmica Discente

Os Adendos devem acompanhar um Plano de Trabalho das atividades, conforme este modelo

 

RENOVAÇÃO

Para a renovação dos acordos vigentes, os procedimentos variam dependendo da data em que a renovação é solicitada, do relatório de atividades concretizadas na esfera do ajuste anterior e, principalmente, do interesse institucional manifestado pelo Coordenador do Acordo e outras instâncias de decisão da Unidade Universitária e da Reitoria. 

Para obter outras informações sobre os acordos e renovações, entre em contato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

 

Pró-Reitorias

Campi

Unidades Acadêmicas

Links de Interesse