Equipe Assessoria de Imprensa

Ex-Libris SP

Denis Dana 
Jayme Brener
Matheus Campos
Pedro Di Biasi

Telefone: (11) 3266-6088, ramais 201 / 208 / 225
E-mail: imprensa@unifesp.br


Quarta, 22 Abril 2020 14:18

Unifesp e institutos federais de Goiás desenvolvem lâmpada descontaminadora com luz ultravioleta

Em fase de testes, o equipamento pode ser eficaz na descontaminação de ambientes com o novo coronavírus

Por Tamires Tavares

Esteira Frame 2
(Imagem: Divulgação)

Desenvolvido por estudantes, professores e profissionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Hospital São Paulo (HSP/HU Unifesp), Instituto Federal de Goiás e Instituto Federal Goiano (Campus Trindade), um sistema para descontaminação utilizando lâmpada UV-C germicida pretende ser testado em ambientes com o novo coronavírus.

Andreya Pereira Furriel, plantonista e preceptora da UTI de Pneumologia do Hospital São Paulo, participou do projeto desde a sua idealização. “Expus a necessidade de algo pra descontaminação de equipamentos – tanto os de proteção individual quanto locais que entrariam em contato com indivíduos com Covid-19. Pensei em uma luminária com raios UV, pois seria portátil. A equipe aprimorou a ideia e construiu uma esteira que teria uma maior velocidade de descontaminação e até mesmo maior segurança aos envolvidos”, conta a profissional.

A esterilização de ambientes hospitalares por luz ultravioleta já ocorre em outros países. Neste projeto, foram utilizadas, na luminária e esteira, lâmpadas de 36W com 254 nanômetros de comprimento de onda. A velocidade de descontaminação foi um aspecto relevante, visando à redução do tempo de exposição dos envolvidos aos raios UV. Em testes anteriores, vírus da mesma família do novo coronavírus foram eliminados em 0,2 segundo e 300 segundos. Para os testes atuais de tempo de eliminação do novo coronavírus, o grupo aguarda a disposição de laboratórios que estão realizando análises de exames de covid-19.

“É uma ideia promissora, principalmente quando pensamos em descontaminação dos equipamentos de proteção individual (EPIs) que, desde o início da pandemia, estão escassos. Além de ser algo que poderá ser usado após passada essa fase”, defende Furriel.

Esteira Frame 1
(Imagem: Divulgação)

 

Lido 1303 vezes Última modificação em Quarta, 27 Maio 2020 10:36

Mídia