Destaque

Resumo: Tomar remédios por conta própria é uma prática perigosa, mas adotada por muita gente. A automedicação pode transformar pequenas dores em grandes problemas de saúde, como hepatite, impotência sexual, derrames e ataques cardíacos, além de causar dependência e até mesmo provocar a morte.

Conexão Ciência


  • baixar arquivo

    Resumo: O corpo humano tem 75 milhões de células, de 200 tipos diferentes. Todas nasceram a partir das células-tronco, que se formam a partir do embrião. Com essas células é possível curar doenças graves, como a angina, que atinge 150 mil pessoas por ano. Saiba como é possível armazenar essas células e utilizá-las no futuro, caso seja preciso.


  • baixar arquivo

    Resumo: O corpo humano tem 75 milhões de células, de 200 tipos diferentes. Todas nasceram a partir das células-tronco, que se formam a partir do embrião. Com essas células é possível curar doenças graves, como a angina, que atinge 150 mil pessoas por ano. Saiba como é possível armazenar essas células e utilizá-las no futuro, caso seja preciso.

Vida e Cultura


  • baixar arquivo

    Resumo: O contato com o homem branco levou muitas doenças para as aldeias. A alimentação industrializada também teve impactos negativos, causando obesidade, hipertensão, diabetes e alcoolismo. As oficinas de nutrição realizadas pelo Projeto Xingu valorizam a culinária tradicional e ajudam a melhorar a saúde indígena.


  • baixar arquivo

    Resumo: A incidência das doenças infectocontagiosas entre os índios é muito preocupante; chega a ser de duas a três vezes maior entre os índios. Pensando nisso, a Unifesp oferece cursos na área de saúde indígena desde 2007.

Viver Bem


  • baixar arquivo

    Resumo: O hemocentro da Unifesp é um dos maiores do Brasil. Além de atender ao Hospital São Paulo, abastece diversos hospitais da capital. Por isso, os estoques precisam estar sempre bem abastecidos. Quer ser um doador? Então saiba o que pode e o que não pode ser feito antes, durante e após cada doação.


  • baixar arquivo

    Resumo: Existem 36 sistemas de classificação sanguínea, sendo que o mais utilizado é o ABO. No Brasil, 87% das pessoas têm sangue tipo “A” e “O”, e apenas 3% tipo “AB”. Além desses 4 tipos, existem cerca de 340 tipos já identificados pelo hemocentro da Unifesp. Mas o que pode acontecer se uma pessoa receber sangue diferente do seu?

Pró-Reitorias

Unidades universitárias

Campi

Links de interesse