Sexta, 17 Setembro 2021 08:29

Sistema de ar condicionado central do Edifício de Pesquisas II recebe dispositivos de telegestão

Projeto de mestrado profissional utiliza tecnologias Internet das Coisas para reduzir custos e otimizar recursos

Virgílio Gustavo da Silva portal Virgílio Gustavo da Silva portal
O autor do projeto Virgílio Gustavo da Silva explica o termo Internet das coisas: "interligação dos equipamentos e sistemas do cotidiano à Internet, capaz de levantar dados e gerar informações para auxiliar na tomada de decisões" (Fotos: arquivo pessoal)

Avaliar os benefícios da implantação de dispositivos de Internet of Things (IoT) como ferramenta de telegestão em saúde no funcionamento e manutenção do sistema de ar condicionado central utilizado no Edifício de Pesquisas II - Prof. Dr. Nestor Schor do Campus São Paulo da Unifesp. Esse é o objetivo do projeto desenvolvido no Programa de Mestrado Profissional em Tecnologia, Gestão e Saúde Ocular da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp).

O conceito de telegestão em saúde por meio de tecnologias IoT – em português, Internet das Coisas – é a integração de equipamentos de infraestrutura e/ou tecnologias médicas à Internet, que possibilita uma coleta de dados em tempo real, 24 horas por dia nos 7 dias da semana, gerando informações para auxiliar em decisões econômicas, gerenciais e de planejamento operacional, impactando na melhoria da qualidade e na redução de custos. Ela já é uma realidade nas indústrias e em empresas tecnologicamente avançadas.

"Com o uso das ferramentas de IoT, visamos reduzir os gastos com manutenção corretiva e o tempo de máquina parada, elevando a segurança para os processos e equipamentos laboratoriais presentes no local e contribuindo para otimização dos recursos e pesquisas com maior qualidade, agilidade e menores custos", descreve o mestrando profissional Virgílio Gustavo da Silva, autor do trabalho, que tem coautoria do também mestrando profissional Aldo Bernardo Barbosa e orientação do professor Vagner Rogério dos Santos.

Como funciona?

Telegestão do Sistema de Ar Condicionado com IoT portal

O sistema foi implantado em 16 de junho deste ano, com a instalação de sensores de corrente elétrica e estação de Internet of Things (IoT). Durante 90 dias da fase experimental, os sensores enviaram os dados para a central IoT, que está conectada com um serviço de “computação em nuvem”, onde eles foram armazenados e utilizados para elaboração de relatórios e gráficos atualizados “em tempo real“ para auxiliar na agilidade da tomada de decisão. Foram avaliados três condensadores do sistema de ar condicionado, instalados na cobertura do edifício, para organizar o histórico de informações com dados sobre o funcionamento e possíveis falhas dos sistemas existentes.

Neste momento, os pesquisadores estão colhendo dados para a elaboração de outros estudos que serão utilizados para conclusão do projeto de mestrado profissional. "Observamos o funcionamento de máquinas que não atingem sua capacidade plena de refrigeração e tensões elétricas acima do desejado. Em ambos os casos, elevam as despesas mensais para a universidade e potencializam os riscos de quebra de equipamentos laboratoriais, podendo comprometer as pesquisas realizadas na edificação. Com base nos dados da fase experimental, já iniciamos uma alteração técnica em conjunto com o Departamento de Infraestrutura, que poderá proporcionar uma redução na conta de energia elétrica do edifício para o Campus São Paulo", ressalta o autor do trabalho, que faz parte da Coordenação de Manutenção e Obras do Departamento de Infraestrutura. 

Ainda segundo o autor, a economia gerada será mensurada e constará da conclusão de seu mestrado, ressaltando que a solução poderá ser implantada em outros edifícios e unidades do campus após a conclusão de seu estudo. Ele é mestrando no Setor de Inovação de Tecnologia em Saúde & Ciências Visuais Aplicadas (Grupo de Estudos Cidades Inteligentes) do Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais da EPM/Unifesp.

EPII portal
(Foto: Alex Reipert)

O Edifício de Pesquisas II - Prof. Dr. Nestor Schor, localizado no Campus São Paulo da Unifesp, possui 15 pavimentos, que contemplam laboratórios de pesquisa multidisciplinares dos departamentos da instituição, biotérios, salas com freezers, dois subsolos com vagas de garagens, equipamentos e serviços de uso comum, térreo com recepção, área de exposições, salas de reuniões, sala de apoio e laboratório multiusuário de imagem, um mezanino, entre outras áreas.

Lido 484 vezes Última modificação em Quarta, 20 Outubro 2021 14:26

Mídia