Terça, 03 Agosto 2021 15:50

ISS/Unifesp promove rodas de conversas sobre Censo da População em Situação de Rua da cidade de Santos

Encontros tiveram como objetivo produzir análise participativa de dados preliminares do censo, apresentado em dezembro de 2020

Por José Luiz Guerra

O grupo de pesquisa responsável pelo Projeto Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão sobre População em Situação de Rua no Município de Santos, ligado ao Instituto de Saúde e Sociedade da Universidade Federal de São Paulo (ISS/Unifesp) - Campus Baixada Santista, promoveu um ciclo de quatro rodas de conversas com a equipe de pesquisadores(as) que fizeram parte do Censo da População em Situação de Rua da cidade de Santos. Os encontros, encerrados em 29 de junho, tiveram como objetivo produzir análise participativa de dados preliminares do censo, apresentado em dezembro de 2020.

Realizado em outubro de 2019 por meio de convênio firmado entre a Unifesp e a Prefeitura de Santos, o censo contou com uma equipe composta por trabalhadores e trabalhadoras da rede de assistência social e saúde, ativistas e integrantes de grupos da sociedade civil organizada e estudantes. Os debates problematizaram a precarização das políticas, a falta de estrutura e recursos adequados às complexidades das demandas, bem como a necessidade de ampliação de ações intersetoriais, além da importância de formação continuada para trabalhadores(as), do aprofundamento de debates, pesquisas e formação em torno das dimensões de gênero e identidade sexual na intersecção com a população de rua.

Atividade realizada pela equipe de pesquisadores(as)durante a preparação para o Censo Populacional em Situação de Rua (Créditos: Arquivo Pessoal)
Atividade realizada em setembro de 2019 pela equipe de pesquisadores(as)durante a preparação para o Censo Populacional em Situação de Rua 
(Créditos: Arquivo Pessoal. Obs: Imagem registrada antes da pandemia de covid-19)


Dentre os pontos discutidos, os(as) participantes destacaram o fato de 64% das pessoas que responderam o Censo se autodeclararam pardas e pretas, e que cerca de 96% dos entrevistados desenvolvem alguma atividade econômica, fortemente atreladas ao mercado informal. "Há um imenso trabalho para construir movimentos contrários a desqualificação social que parte da população brasileira está submetida, a medida em que, historicamente, a pobreza está associada a um enorme conjunto de faltas e desvios da norma, como vício, preguiça e criminalidade", pontuam a equipe do projeto composta pelas docentes dos departamento de Saude, Educação e Sociedade e de Políticas Públicas do ISS/Unifesp Débora Galvani, Gabriela Pereira Vasters, Luzia Fátima Baierl, Sônia Regina Nozabielli e Terezinha de Fátima Rodrigues.

Atividade realizada em setembro de 2019 pela equipe de pesquisadores(as)durante a preparação para o Censo Populacional em Situação de Rua (Créditos: Arquivo Pessoal. OBS: Imagem registrada antes da pandemia de covid-19)
Atividade realizada em setembro de 2019 pela equipe de pesquisadores(as)durante a preparação para o Censo Populacional em Situação de Rua
(Créditos: Arquivo Pessoal. Obs: Imagem registrada antes da pandemia de covid-19)


As docentes explicam ainda que o censo, apesar de não responder com urgência aos dramas de quem vive em situação de rua e aos ciclos de produção de pobreza e desigualdade social, a análise dos dados ganhará sentido se puder se transformar em instrumento de reflexão, luta por direitos e transformação das políticas públicas.
Lido 707 vezes Última modificação em Sexta, 03 Setembro 2021 09:56

Mídia