Sexta, 26 Março 2021 08:46

Projetos da Unifesp integram portfólio de boas práticas em Saúde Mental da Fiocruz

Pesquisa é desenvolvida pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), que atua no campo da Educação Profissional em Saúde

PortfólioFiocruz portal

Projetos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) foram selecionados para integrar o Portfólio de Práticas Inspiradoras em Atenção Psicossocial, um dos produtos da pesquisa Desafios para a Saúde Mental na Atenção Básica: construindo estratégias colaborativas, redes de cuidado e abordagens psicossociais na Estratégia Saúde da Família. O trabalho é uma iniciativa da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), unidade técnico-científica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que se dedica a atividades de ensino, pesquisa e cooperação no campo da Educação Profissional em Saúde.

"A Unifesp tem desenvolvido práticas interdisciplinares, por meio da indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão, que são referências teórico-metodológicas no âmbito das políticas públicas na área da saúde mental, como expressa a presença de projetos da nossa instituição nesse painel", declara a pró-reitora de Extensão e Cultura, Raiane Assumpção. No total, o portfólio conta com seis trabalhos da universidade, sendo eles:

Centro Regional de Formação em Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos
Formação inovadora para a redução de danos, incluindo formalmente (como bolsistas ou contratados CLT) usuários dos serviços territoriais como facilitadores
Trata-se de um programa de extensão universitária, desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa e Extensão DiV3rso: Saúde Mental, Redução de Danos e Direitos Humano, situado no Departamento de Políticas Públicas e Saúde Coletiva do Instituto de Saúde e Sociedade (ISS/Unifesp) - Campus Baixada Santista.

Vozes da Voz - uma experiência em webrádio
Nas ondas da Rádio Silva as vozes ecoam e alimentam o sonho do cuidado em liberdade
É um programa de webrádio vinculado ao Campus Baixada Santista da Unifesp que pretende, a partir dos princípios da luta antimanicomial e da reforma psiquiátrica, permitir que os diferentes sujeitos da saúde mental possam contar suas histórias, expressar suas ideias, falar de suas vivências, mostrar seus talentos, além de pautar e participar de discussões sobre temas afins a saúde mental.

Cultura da Palavra e Saúde Mental
Viver para a aprender e compartilhar, viver para trocar alegrias e combater as opressões do mundo!
Cultura da Palavra e Saúde Mental é ter gosto pelas pessoas, ter gosto pela vida. As vivências compartilhadas, os círculos de cultura, as oficinas temáticas marcam encontros entre universidade e serviços de saúde mental, encontros entre vidas! A partir da perspectiva teórico-metodológica da Educação Popular de Paulo Freire, o projeto busca agir na construção de uma visão crítica, da autonomia e da cidadania dos(as) usuários(as). Possui como uma das instituições vinculadas o Campus Baixada Santista da Unifesp

Indicadores para avaliação dos Centros de Atenção Psicossocial tipo III
Desenvolvimento participativo de um sistema de avaliação dos Caps III paulistas (incluindo deficiência intelectual)
A pesquisa contou com a participação de quase a totalidade dos CAPS III do Estado de São Paulo (o que, à época, representava praticamente a metade dessa modalidade de equipamento no Brasil, segundo dados do Ministério). Nesse sentido, foi bastante desafiador articular politica e institucionalmente uma pesquisa de tal magnitude. Instituições vinculadas: Unicamp (Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas) e Unifesp (Departamento de Saúde, Educação e Sociedade do Instituto de Saúde e Sociedade - Campus Baixada Santista)

Encontrando-se na leitura: a dinâmica do Laboratório de Humanidades (LabHum) como meio de reflexão e auto compreensão em um grupo psicoterapêutico
Experiência de leitura e discussão de clássicos da literatura mundial com um grupo psicoterapêutico de pacientes em intenso sofrimento mental
A experiência teve como objetivo investigar se a leitura e discussão de clássicos da literatura mundial, com um grupo psicoterapêutico de pacientes em intenso sofrimento mental, poderia ser uma forma de facilitar a abordagem e a compreensão da vivência de cada um em relação a sua vida e sua enfermidade, e consequentemente possíveis usos terapêuticos desta ferramenta. Para o trabalho, foi utilizada a metodologia do Laboratório de Humanidades (LabHum), que surgiu de forma experimental em 2003, no contexto da graduação de Medicina da Unifesp. Instituições vinculadas: Grupo ViDA e Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) - Campus São Paulo.

Observatório internacional de práticas de Gestão Autônoma da Medicação
Da experiência, que atualmente completa de 10 anos, da utilização da estratégia GAM no Brasil, surgiu a proposta da estruturação do Observatório Internacional de Práticas GAM, cujos objetivos são: sistematizar, acompanhar e dar visibilidade às experiências que vêm sendo produzidas no Brasil, Espanha e Canadá, com vistas a produzir subsídios para sustentação e expansão de tecnologias de cuidado que promovam autonomia junto a usuários, famílias e profissionais em relação ao tratamento farmacológico amplo e acrítico em saúde mental, em especial frente ao cenário de retrocessos na política nacional de saúde mental.

Lido 493 vezes Última modificação em Terça, 06 Abril 2021 15:37

Mídia