Segunda, 02 Dezembro 2019 10:51

Editora Unifesp reestrutura e consolida seu planejamento estratégico

Após reconhecimento como uma das atividades finalísticas da universidade, houve aumento das coedições e parcerias nacionais e internacionais

EditoraUnifespEquipe
Equipe da Editora Unifesp (Foto: Alex Reipert)

Com o objetivo de disseminar o conhecimento gerado nas universidades, as editoras acadêmicas acabam tornando-se parte fundamental da identidade institucional. Nesse sentido, no início de 2019 – período em que se comemoram os 25 anos da Universidade Federal de São Paulo –, a Editora Unifesp deu início a uma nova estrutura, reformulando, inclusive, seu planejamento estratégico.

Tal comprometimento se deve ao fato de a editora ser reconhecida como uma das atividades finalísticas da Unifesp – além do ensino, pesquisa e extensão –, valorizando as ações vinculadas à divulgação da produção feita pela instituição para a sociedade. Desta forma, articulou-se uma estrutura tripartida, permitindo que a editora se desenvolva vinculada à universidade, sediada junto à Reitoria, ao mesmo tempo administrada pela Fundação de Apoio (FapUnifesp), incumbida de gerenciar as atividades e pessoal. “Esse modelo muito bem definido permite que o planejamento caminhe para ações mais efetivas, além de garantir nossa consolidação e progresso. A Unifesp tem uma editora, e essa ideia foi materializada a partir do momento que viemos para o prédio da Reitoria. Acredito que é esse o nosso lugar”, argumentou Cynthia Sarti, diretora da Editora Unifesp.

A reestrutura proporciona ainda uma maior visibilidade da editora não só dentro da comunidade Unifesp, como também pela população em geral. O aumento das coedições – produções com outras editoras, sendo universitárias ou não – e das parcerias nacionais e internacionais são resultados de destaque. As parcerias, no caso, são firmadas ou com consulados que possuem políticas de incentivo de tradução de línguas estrangeiras ou com universidades de outros países que tenham interesse em traduzir os livros para seus respectivos idiomas. Neste ano, por exemplo, houve o lançamento de A sombra do Mundo, de Didier Fassin, resultado de uma parceria com o Consulado Geral da França. “Isso é um dos nossos objetivos: tornar acessível ao público brasileiro obras importantes de autores estrangeiros”, explica Sarti.

As ações citadas acima foram incorporadas durante a reorganização do planejamento estratégico da Editora Unifesp e que seguirão para 2020. A parceria com as Edições Sesc, fruto do acordo de cooperação realizado em agosto, trará futuramente publicações com essa coedição. Vale também ressaltar as parcerias inéditas com a Universidade de Delhi e com o consulado do Sudão, que irão traduzir, respectivamente, para o inglês e para o árabe, a obra Fé, Guerra e Escravidão, de Patrícia Teixeira Santos, prevista para lançamento no ano que vem. “Isso nunca tinha acontecido, esse interesse das universidades estrangeiras em ter nossos livros traduzidos coaduna com as perspectivas de internacionalização da Unifesp”.

Meta atingida

O resultado da formulação das estratégias permitiu que a Editora atingisse a meta de publicações imposta no começo de 2019: 25 títulos, especificamente 19 impressões, duas reimpressões e outros quatro, com lançamento previsto. A prospecção é manter esse número, mas com a intenção de chegar até 30 livros. Outra proposta que também está no escopo para o próximo ano são mais publicações da área da Saúde, a partir da coedição com editoras de livros médicos, iniciativa realizada pela Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) e que deu seus primeiros passos neste ano. “Vamos trazer assuntos relacionados à Saúde para mais perto da população, cumprindo com a nossa função de divulgar o conhecimento de todas as áreas. Eu acho isso fundamental, já que é uma marca da nossa universidade. É necessário que a editora reflita sobre essa origem histórica da Unifesp e o quão importante é o campo da Saúde nisso”, reforça Sarti.

Cynthia Sarti ressalta que os resultados alcançados em 2019 e os objetivos traçados para 2020 são possíveis por conta do engajamento de toda equipe operacional e, principalmente, do Conselho Editorial. “Composto por docentes da Unifesp e também de outras instituições, o conselho é ativo e propositivo, formando uma discussão qualificada das seleções de nossas obras. Isso, de fato, é relevante, tanto que fomos premiados pela ABEU, contribuindo com a nossa visibilidade para além da universidade”. A Editora Unifesp foi condecorada no 5.º Prêmio ABEU (Associação Brasileira das Editoras Universitárias) com três obras, classificadas nas categorias Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas e Linguística, Letras e Artes.

 

Lido 1041 vezes Última modificação em Terça, 10 Dezembro 2019 11:42

Mídia