Quarta, 16 Novembro 2016 10:24

Estudante da Unifesp integra time premiado em evento internacional de Biotecnologia

Grupo apresentou primeiros resultados de um curativo para vítimas de queimaduras

Por Daniel Patini

Grupo posa para foto ao lado do pôster sobre o projeto

O trabalho de um grupo de estudantes de graduação e pós-graduação da Unifesp, USP e Unesp recebeu medalha de prata em um dos principais eventos em Biotecnologia do mundo, a competição The International Genetically Engineered Machine (iGEM), que aconteceu entre os dias 27 e 31 de outubro em Boston, EUA.

Na ocasião, o grupo apresentou os primeiros resultados de uma proposta inovadora, de fácil utilização e que poderá ser produzida em larga escala: o projeto AlgAranha, que visa criar um curativo composto por proteínas de teia de aranha e proteínas antimicrobianas para vítimas de queimaduras.

“A proposta é que essas proteínas sejam produzidas por meio de técnicas de manipulação genética em microalgas”, explica Eduardo Padilha, estudante de graduação do curso de Farmácia e Bioquímica do Campus Diadema da Unifesp que integra o grupo.

Lançada em 2004, o iGEM é uma competição que visa o desenvolvimento e divulgação da biologia sintética. Anualmente, equipes de alunos de graduação e pós-graduação do mundo inteiro se reúnem para apresentar seus projetos, com alto impacto tecnológico, científico e industrial. Na edição deste ano, participaram mais de 300 equipes.

Além de comemorar a premiação, Padilha ressaltou a importância do encontro. “O evento foi uma oportunidade incrível para troca de experiências e contato com estudantes de diversos países, por meio de palestras e apresentações de projetos instigantes. Apesar disso, é triste ver que a participação do Brasil, assim como da América Latina e África, ainda é pouco expressiva. Precisamos mudar isso e acredito que a premiação do time é um grande passo rumo ao avanço da pesquisa científica e tecnológica em nosso país".

Lido 6930 vezes Última modificação em Terça, 14 Novembro 2017 16:05

Mídia