Segunda, 07 Março 2016 11:39

Capes aprova Programa de Mestrado Acadêmico em Engenharia Biomédica do ICT/Unifesp

O curso trará uma nova perspectiva no desenvolvimento de pesquisas nas áreas que ligam técnicas em engenharia, computação e matemática

Por Mariane Santos

IMG 0661

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aprovou a proposta do Programa de Mestrado Acadêmico em Engenharia Biomédica Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal de São Paulo (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos. A proposta foi avaliada, juntamente com as de outras universidades, durante a 162ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), realizada no período de 22 a 26 de fevereiro de 2016, em Brasília.

O próximo passo é aguardar o cadastramento e geração do código do programa pela CAPES. Isso deve acontecer nos próximos dois meses. Até lá, os professores se reunirão para estruturar o início das atividades, entre a formação de uma comissão e o estabelecimento do processo seletivo e início das aulas.

As áreas e linhas de pesquisa a serem abordadas no mestrado serão: Instrumentação: (i) Analise de Sinais e Imagens e (ii) Desenvolvimento de Instrumentos Biomédicos; e Bioengenharia: (i) Estudo de Biossistemas a partir de Técnicas e Modelos Quantitativos.

Para Jean Faber, coordenador interino do programa, o Mestrado Acadêmico em Engenharia Biomédica da Unifesp-ICT trará uma nova perspectiva no desenvolvimento de pesquisas nas áreas que ligam técnicas em engenharia, computação e matemática para o aprimoramento de recursos e conhecimentos em problemas biológicos e clínicos e para a melhora de diagnósticos e tratamentos médicos.

Ele ainda explica que o programa proporcionará uma nova opção na formação de recursos humanos de excelente qualidade numa área ainda incipiente no Brasil. O grande desafio atual está justamente na produção de conhecimento que induza o fortalecimento não apenas de empresas e hospitais, mas principalmente na capacitação de recursos humanos que contribuirá efetivamente na melhoria de serviços, processos e tecnologias para a melhoria da saúde no país.

“Considerando que o futuro de uma área estratégica, com potencial de crescimento tecnológico, depende do desenvolvimento de recursos humanos, a criação de um curso de pós-graduação em Engenharia Biomédica, em uma universidade pública, vem ao encontro das necessidades atuais do país e da região. Nesse sentido, acreditamos que a Unifesp, como uma reconhecida universidade brasileira na área da saúde, pode e deve, por meio de sua estratégia de expansão, proporcionar impulsos decisivos na área de inovações tecnológicas voltadas à saúde”, finaliza Faber.

 

Lido 6640 vezes Última modificação em Segunda, 03 Junho 2019 21:59

Mídia