Festival tem o objetivo de tornar acessível o saber científico

Publicado em Notícias Arquivadas

A pesquisa teve a participação da professora Gislene Torrente-Vilara, do Instituto do Mar da Unifesp

Publicado em RELEASES

Instalações passam por reformas para dar início às atividades em março de 2016

Publicado em Boletins Arquivados

Interessados devem comparecer à unidade Silva Jardim, de 1 a 4 de fevereiro 

Publicado em Notícias Arquivadas

Fernanda Garcia dos Santos, do Campus Baixada Santista, foi classificada por sua pesquisa sobre pães sem glúten

Publicado em Notícias Arquivadas

Programa de Autocontrole, desenvolvido por alunos e docentes, visa garantir a qualidade do pescado

Publicado em Notícias Arquivadas

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), reconhecida pelo desenvolvimento de pesquisas científicas, oferece vagas para voluntários em diversas áreas da saúde. Confira:

Publicado em Notícias Arquivadas
Segunda, 11 Novembro 2013 15:59

Campus Baixada Santista

Instituto de Saúde e Sociedade

Rosa Donnangelo

Várias imagens de prédios da Unifesp Baixada Santista

Em sentido horário: Unidade Vila Belmiro, Unidade Vila Mathias, Unidade Central e Unidade Ponta da Praia

O programa de pós-graduação do Instituto de Saúde e Sociedade (Campus Baixada Santista) foi implementado em 2010, com o mestrado acadêmico Interdisciplinar em Ciências da Saúde. Dois anos depois, além de ampliar o programa para o nível doutorado – o primeiro na área da saúde da região –, o campus também criou outro mestrado, dessa vez profissional, entitulado Ensino em Ciências da Saúde, o primeiro multicampi, com sede no Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde (CEDESS) no Campus São Paulo e no Campus Baixada Santista. 

Os dois programas de pós-graduação do campus foram avaliados com o conceito 4 definido pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), mas este não é o principal atrativo para a quantidade de alunos matriculados. Segundo a professora Ana Rojas Acosta, ex-coordenadora da Câmara de Pesquisa de Pós-Graduação da Baixada Santista, um dos critérios para a abertura do programa foi a demanda por pós-graduação, especialmente de profissionais vinculados aos serviços de saúde da região. 

“São profissionais da secretaria de saúde, de postos de atenção básica, especializada e hospitalar, das cidades de Santos, São Vicente, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, e de outras secretarias como a de assistência social, educação e da iniciativa privada”, explica Ana Rojas. “A Unifesp se destaca na região da Baixada Santista em meio a sete faculdades particulares.”

A infraestrutura do campus está se adequando à crescente demanda. O espaço físico destinado à pesquisa está distribuído entre as Unidades I e Central. Na primeira unidade, encontram-se os laboratórios de pesquisa não experimentais e a central abriga os laboratórios experimentais. 

A expansão da Unifesp trouxe melhorias e promoveu o incentivo à pesquisa. O número de programas de pós-graduação aumentou devido à construção dos novos campi e o alunado, de cidades que possuiam na sua maioria universidades particulares, passou a enxergar a Unifesp como meio de se qualificar profissionalmente, com custo zero no que diz respeito à mensalidade, mas com qualidade técnica e produtiva. A pós-graduação, tanto lato sensu como stricto sensu são avaliadas positivamente no mercado de trabalho e a diferença no currículo é verificada por empresas e universidades.  

Interdisciplinaridade

A interdisciplinaridade é um dos diferenciais do Campus Baixada Santista. Antes da inauguração formal do campus, o projeto pedagógico foi estudado e discutido como uma oportunidade de investir na interdisciplinaridade e oferecer alternativas à tradicional grade curricular. Questionada sobre a manutenção desse projeto na pós-graduação, Ana Rojas diz que há um esforço muito grande em manter as equipes interdisciplinares de docentes. “Todas as nossas disciplinas são acompanhadas por no mínimo três docentes de diferentes áreas do conhecimento para garantir a diversidade de pensamento e fortalecer a perspectiva interdisciplinar”, afirma.

Segundo Daniel Araki Ribeiro, responsável pela implantação, em 2010, do programa de pós-graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde, trata-se de formar um profissional apto para a pesquisa científica nesta área. “O impacto do programa de pós-graduação é grande tanto na produção de conhecimento de uma forma mais abrangente quanto na formação de recursos humanos especializados”, afirma. “O alunado conclui  o curso com muitos diferenciais, como ter aprendido a trabalhar em equipe, desenvolver a interdisciplinaridade e superar os limites de um modelo fragmentado e disciplinar na produção de conhecimento científico”. 

Atualmente são mais de 100 alunos matriculados. Segundo Araki, a expansão do curso, tanto no sentido quantitativo quanto qualitativo, demanda melhorias tanto em infraestrutura – principalmente, a instalação de mais laboratórios aptos a atividades de pesquisa científica - como a contratação de servidores técnico-administrativos para apoio logístico.

Programa interunidades

O recém-criado programa de nível mestrado profissional interunidades Ensino em Ciências da Saúde – o único nessa modalidade oferecido pelo campus - é coordenado por Sylvia Helena Batista. O programa, segundo a professora, desenvolve um trabalho histórico no campo das ciências da saúde, pois foi um dos primeiros no país a assumir esta área de concentração. A produção científica é crescente e está sendo publicizada em periódicos nacionais e internacionais. Como resultado, a procura pelo curso está em constante crescimento, tendo de três a quatro candidatos por vaga quando são abertos os editais.

Sylvia Helena explica que o curso oferece aos estudantes a possibilidade de desenvolverem seu trabalho em uma das três linhas de pesquisa: avaliação, currículo, docência e formação em saúde; educação permanente em saúde e educação em saúde na comunidade. “O mestre deve planejar e agir em seu espaço profissional, produzir conhecimentos, refletir e levantar problemas que fazem parte do seu cotidiano”, avalia.

Primeira universidade pública da região

Inaugurado em 2006, o Instituto de Saúde e Sociedade (Campus Baixada Santista) é resultado do processo de expansão da Unifesp, iniciado em 2005. Oferece sete cursos de graduação (Educação Física, Fisioterapia, Bacharelado Interdisciplinar em Ciências do Mar, Nutrição, Psicologia, Serviço Social e Terapia Ocupacional), dois programas de Pós-Graduação stricto sensu (mestrado acadêmico e doutorado Interdisciplinar em Ciências da Saúde e mestrado profissional em Ensino em Ciências da Saúde), um programa de residência multiprofissional e cinco cursos de especialização.

Atualmente o Campus possui quatro unidades – duas na Vila Mathias, sendo uma delas o Edifício Central do campus; uma na Ponta da Praia e outra na Vila Belmiro – que atendem 1.611 alunos de graduação, 253 de pós-graduação e 161 docentes. 

A Unifesp é a primeira universidade pública instalada em Santos, suprindo a demanda de uma cidade que conta com sete universidades particulares. A procura pelos cursos oferecidos no campus vem aumentando a cada ano, principalmente após a adesão ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação.

Publicado em Edição 01
Página 13 de 13