Imprimir esta página
Quinta, 27 Agosto 2020 09:32

Academia de Medicina de São Paulo empossa oito acadêmicos da Unifesp

Seis docentes e duas médicas da Escola Paulista de Medicina foram eleitos para assumirem cadeiras na academia

Em cerimônia virtual ocorrida no dia 17 de agosto, a Academia de Medicina de São Paulo (AMSP) deu posse a 12 novos membros, dos quais oito pertencem ao quadro de docentes e médicos da Unifesp:

  • Adagmar Andriolo, docente da Disciplina de Clínica Médica da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp), na cadeira nº 78 cujo patrono é Duílio Crispim Farina e antecessor Suel Abujaram;
  • Emilia Inoue Sato, docente da Disciplina de Reumatologia da EPM/Unifesp, na cadeira nº 109 cujo patrono é Antônio Bernardes de Oliveira e antecessor Demerval Mattos Júnior;
  • Flavio Faloppa, docente da Disciplina de Traumatologia da EPM/Unifesp, na cadeira nº 44 cujo patrono é Costabile Galluccie e antecessor Luiz Camano;
  • Luiz Roberto Ramos, docente da Disciplina de Epidemiologia da EPM/Unifesp, na cadeira nº 75 cujo patrono é Jairo de Almeida Ramos e antecessor Nelson Roque Paladino;
  • Nelci Zanon Collange, médica do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da EPM/Unifesp, na cadeira nº 34 cujo patrono é Sylvio Soares de Almeida e antecessora Helga Maria Mazzarolo Cruz;
  • Nilceo Schwery Michalany, docente colaborador do Departamento de Anatomia Patológica da EPM/Unifesp, na cadeira nº 6 cujo patrono é Nagib Faris Michalany e antecessores Jorge Michalany e Vicente Amato Neto;
  • Paulo Augusto de Lima Pontes, docente aposentado do Departamento Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da EPM/Unifesp, na cadeira nº 41 cujo patrono é Felício Cintra do Prado e antecessores Moacyr Pádua Vilela e José Pinus;
  • Solange Pistori Teixeira Libonati, médica colaboradora do Departamento de Dermatologia da EPM/Unifesp, na cadeira nº 36 cujo patrono é Ignácio Proença de Gouvêa e antecessor Fernando Proença de Gouvêa.

O presidente da AMSP, José Luiz Gomes do Amaral, lembrou aos novos confrades que a eleição ao sodalício representa o quanto são reconhecidos os seus méritos e qualidades humanas, éticas e científicas. “Acadêmicos são eleitos com a expectativa de que possam, com a sua dedicação e presença assídua, contribuir para o engrandecimento dessa Academia e da nossa arte, da Ciência e da Medicina. Trazendo, assim, qualidade e atenção à saúde dos que aqui vivem e progresso ao nosso País”, declarou. 

Com informações da Comunicação APM

 

Lido 1547 vezes Última modificação em Sexta, 04 Setembro 2020 13:09

Mídia