Sexta, 13 Maio 2016 08:51

Atletas brasileiros preparam-se para os Jogos Paralímpicos Rio 2016

Seleção Brasileira de Halterofilismo Paralímpico treinará na EPM/Unifesp; atividades visam à participação nos jogos do Rio de Janeiro

Por José Luiz Guerra

HalterofilismoParalimpico

Atleta brasileiro disputando a Copa do Mundo de Halterofilismo de 2016, no Rio de Janeiro (Créditos: Comitê Paralímpico Brasileiro) 

A disciplina de Medicina Esportiva do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (DOT/EPM/Unifesp) e o Comitê Paralimpico Brasileiro (CPB), através do Centro de Referência em Desenvolvimento de Halterofilismo de São Paulo (CRD/SP) promoverão, entre os dias 15 e 21 de maio, a segunda fase de treinamento e avaliação (II - FTA) com os atletas da Seleção Brasileira de Halterofilismo Paralímpico, visando à participação nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, que acontecem de 7 a 18 de setembro.
 
Durante a semana, a equipe fará os treinos nas dependências da Unifesp, além de passar por acompanhamento médico, psicológico, fisioterapêutico e nutricional. Os atletas que compõem a equipe são: Bruno Pinheiro Carra, Evânio Rodrigues da Silva, João Maria de França Junior, Márcia Cristina de Menezes, Mariana D'Andrea, Mateus de Assis Silva e Terezinha Mulato dos Santos.
 
O CPB possui oito centros de referência e desenvolvimento iguais pelo país, sendo o da Unifesp o único da capital paulista. Para a viabilização do treinamento, o CRD/SP trouxe equipamentos adaptados aos atletas, equipamentos esses que foram doados à instituição. O técnico responsável pelo centro, Murillo Spina, explica que os atletas também realizarão todos os testes e avaliações na universidade. “Essa é uma das últimas vezes que os atletas se reunirão antes da concentração para os jogos”.
 
Segundo Benno Ejnisman, chefe da disciplina de Medicina do Esporte do DOT/EPM/Unifesp, os atletas paralímpicos receberão tratamento clínico, preventivo, de reabilitação e cirúrgico, se for o caso. Ejnisman também ressalta que boa parte da equipe da disciplina atuará nos jogos do Rio de Janeiro. “Grande parte dos médicos e fisioterapeutas daqui estarão na cobertura das Olimpíadas, ou como membros das confederações ou na cobertura do evento, dando suporte para equipes que não possuem corpo clínico”.
 
Além do acompanhamento do grupo de halterofilismo, o setor de Medicina Esportiva da Unifesp vem acompanhando atletas de modalidades como Rugby e Baseball, e está aberto aos esportistas de modo geral, realizando atendimentos multidisciplinares gratuitos.
 
A disciplina de Medicina Esportiva do DOT/EPM/Unifesp, funciona dentro do Clube Escola Unifesp, que é uma parceria da instituição com a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação da Prefeitura de São Paulo.

 

Lido 10296 vezes Última modificação em Quinta, 02 Junho 2016 13:31

Mídia