Agen Bola

Saúde na mira com geoprocessamento

Pesquisa da graduação avalia casos de covid-19 registrados no Hospital São Paulo, explorando uma relação antiga entre saúde e análises espaciais

 

geoprocessamento mapa sp

Mapa de calor mostra os locais mais frequentes de origem dos pacientes atendidos no Hospital São Paulo, entre março e dezembro de 2020, com covid-19 confirmada por RT-PCR. No gráfico, é verificado que a maioria das pessoas parte das proximidades geográficas do hospital, seja por residirem nesses locais, seja após atendimento nas unidades de saúde dessas regiões

Valquíria Carnaúba

 

A relação entre saúde pública e tratamento das informações geográficas é antiga, mas a tecnologia nem sempre fez parte dessa parceria. Softwares, bancos de dados e outras ferramentas do século XXI apenas se somaram a uma das técnicas mais antigas do mundo, a análise de dados, antes feita no papel. As tecnologias da informação e comunicação (TICS) possibilitaram o armazenamento e a representação das informações espaciais em ambiente computacional, surgindo, assim, o Geoprocessamento. Sua adoção é ampla, não somente por geógrafos, mas por qualquer área do conhecimento que pretenda atuar a partir de insights sobre dinâmicas espaciais. É o caso da Epidemiologia, por exemplo.

Para Carlos Roberto Veiga Kiffer, professor adjunto da Disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) - Campus São Paulo, a saúde pública ainda reserva muito espaço para incorporação de metodologias de geoprocessamento e georreferenciamento para abordar a ocorrência de novas e antigas doenças. A pesquisa que ele está orientando, do estudante de Medicina Lucas Hidemitsu Shiguenaga, reflete essa lacuna. Financiado pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), Shiguenaga investiga os primeiros pacientes do município de São Paulo atendidos no Hospital São Paulo (HSP/HU-Unifesp) com covid-19. O intuito é localizar cada um desses residentes em mapas e explorar o padrão de distribuição dos casos ao longo dos meses.

“As técnicas de geoprocessamento são estratégicas para a saúde pública, mas ainda muito pouco utilizadas. Usamos tais técnicas para tudo no país. O agronegócio é uma das áreas que usam geoprocessamentos de última geração, inclusive cruzando análises com imagens de satélite. Em saúde, porém, ainda estamos engatinhando. É possível aplicar essas metodologias para entender dinâmicas de saúde populacional, doenças infecciosas, epidemias e mortalidades. A ideia é aprimorar nossa compreensão sobre os fenômenos populacionais”, explica Kiffer.

Sua linha de pesquisa original não envolve vírus respiratórios, mas sim resistência bacteriana. Contudo, o docente entrou nesse projeto a fim de aplicar alguns modelos epidemiológicos à problemática da pandemia. “Nós dois nos perguntamos se essas pessoas estavam vindo de regiões próximas ao hospital, como seria de se esperar em atendimentos referenciados, e se seria possível detectar a mudança de padrão de ocorrência desses casos ao longo do tempo. É um objetivo simples, pelos recursos que tivemos, mas isso não diminui o valor da pesquisa. Entendo que um dos papéis da universidade é treinar profissionais do futuro a trabalhar com técnicas pouco usuais, para que um dia sejam aplicadas nas respectivas áreas de treinamento destes recursos humanos.”

Autossuficiente em softwares livres

Kiffer delimita geoprocessamento todos os tipos de tratamento de dados georreferenciados que resultam no arranjo de informações capazes de fornecer um ou mais cenários sobre um determinado assunto. Tal trabalho comumente envolve diversas metodologias, hardwares, softwares, além de sensoriamento remoto e técnicas de análise espacial, compondo os famosos Sistemas de Informação Geográfica (SIG). Todas essas ferramentas são acionadas em interface com a Cartografia, a Geografia e a Estatística, entre outras ciências, trazendo ao estudo de uma questão elementos que indiquem a localização geográfica, sua ocorrência em um intervalo de tempo e um espaço.

O geoprocessamento ainda ser pouco utilizado em saúde humana é um fato que o pesquisador atribui em grande parte a uma deficiência na formação de pesquisadores com essa habilidade. “Esse conhecimento não é exclusivo de uma determinada especialidade. As análises espaciais e o geoprocessamento envolvem conhecimentos de geografia, sistemas, análise de dados e estatística. Quanto mais pesquisadores formarmos com essa habilidade, começando pela graduação, mais profissionais terão preparo em suas respectivas áreas.”

O Brasil é autossuficiente no conhecimento da área de análise espacial e na geração dos softwares livres utilizados nessa área, como Spring, QGIS e TerraView. “O Inpe, por exemplo, com quem estabelecemos parceria há muitos anos, tem pelo menos dois programas de uso livre muito úteis para quem trabalha com geoprocessamento.” No entanto, parece ainda haver uma lacuna entre este conhecimento e os recursos técnicos e suas aplicações na área de saúde. Muito embora existam vários pesquisadores da área de saúde treinados e devotados, ainda utilizamos pouco as análises espaciais e seus recursos para enfrentamento corriqueiro dos problemas de saúde. “O geoprocessamento precisa entrar definitivamente na saúde”, afirma Kiffer.

 

Carlos Kiffer

A representação visual adotada na pesquisa de Lucas Hidemitsu Shiguenaga baseia-se em uma técnica chamada Estimador de Kernel. "O estimador de Kernel é aplicado sobre ocorrências pontuais observadas no espaço geográfico e considera apenas as localizações dos eventos, com a finalidade de verificar se os eventos apresentam algum padrão sistemático. Com o Kernel, é possível deduzir a intensidade de ocorrência por área, estimando valores para as localizações onde não havia ocorrência pontual", explica Carlos Kiffer, orientador do projeto
(Fotografia: Alex Reipert)