Imprimir esta página

Da sala ao palco: ensino de teatro e formação

O grupo de teatro Cia. do Caminho Velho, sediado no Campus Guarulhos, nasceu em 2007 com o objetivo de promover a interação entre universidade e comunidade por meio de práticas artístico-culturais

Entreteses064 2017 Evento Dia Aberto Foto Rodrigo Baroni

Ensaio aberto da peça Piche para estudantes da rede pública de Guarulhos, no Teatro Adamastor Pimentas / Fotografia: Rodrigo Baroni

 

Texto: Paula Garcia

Tudo começou há 12 anos, quando um grupo de estudantes que ingressara na recém-inaugurada Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH/Unifesp) - Campus Guarulhos deparou com um campus universitário em formação, que incorporava o Teatro Adamastor Pimentas, com capacidade para 500 pessoas, e que representava uma promessa de espaço para manifestações artísticas emergentes. Mesmo sem experiência nos palcos, esses jovens lançaram-se à prática teatral e às pesquisas nessa área. Pouco tempo depois, decidiram fundar o coletivo Cia. do Caminho Velho, que se consolidaria como um verdadeiro núcleo de criação artística e reflexão teórica sobre as artes cênicas. Algumas das atividades realizadas pela companhia foram posteriormente sistematizadas sob a forma de projeto de extensão, denominado Grupo de Estudos e Práticas Artísticas da Cia. do Caminho Velho (Gepa).

A trajetória da Cia. do Caminho Velho se entrelaça naturalmente à do Gepa, responsável pela formação de 411 pessoas em oficinas semestrais de iniciação teatral. Foi, entretanto, a relevância do coletivo que propiciou a incorporação do grupo de estudos ao rol de projetos extensionistas da universidade.

No início, os encontros eram liderados por aqueles que possuíam alguma experiência – no caso, Alex Araújo e Alexandre Kerestes, que eram estudantes respectivamente dos cursos de Filosofia e História. Os contornos do coletivo passaram a ser mais definidos quando parte de seus integrantes começou a buscar formação em centros referenciados nas artes cênicas, multiplicando os ensinamentos entre os demais. Em locais como o Centro de Pesquisa Teatral (CPT/Sesc), a SP Escola de Teatro, a Escola Livre de Teatro de Santo André e o Núcleo de Artes Cênicas (NAC), entraram em contato com figuras importantes da cena brasileira – entre elas, Antunes Filho, Lee Taylor, Francesca Della Monica, Cida Moreira, Luiz Päetow, Marici Salomão e Luiz Fernando Marques. Atualmente, o grupo de teatro desenvolve um trabalho contínuo a partir de três frentes: apresentação de peças, organização de mostras e eventos culturais e formação artística.

Coordenado por Janes Jorge, docente do Departamento de História e vice-diretor do Campus Guarulhos, o Gepa, por sua vez, é responsável pela realização dos cursos de iniciação teatral, dramaturgia e cenografia, bem como pela pesquisa avançada em artes cênicas. Semestralmente, são oferecidos dois cursos de iniciação teatral, um no período diurno e outro no noturno, ambos com um encontro semanal, que ocorre no Teatro Adamastor Pimentas ou em sala cedida pela EFLCH/Unifesp. Além de intervenções artísticas nos campi da Unifesp, o grupo de estudos propicia a formação continuada aos atores que concluíram o treinamento inicial.

O diretor e professor de teatro da Cia. do Caminho Velho, Araújo – que é também dramaturgo – ressalta que o Gepa contribui para a expansão do horizonte cultural do campus e seu entorno. Possibilita, ainda, a preparação de bolsistas e voluntários que integram o projeto, uma vez que são incentivados a relacionar o conhecimento adquirido ao longo da formação acadêmica ao planejamento de programas culturais e cursos ministrados.

Do coletivo à extensão universitária

O primeiro grupo de teatro da Unifesp carrega no nome o local de origem: a Estrada do Caminho Velho, localizada no bairro dos Pimentas – região periférica do município de Guarulhos, em São Paulo. Seu trabalho inaugural, no âmbito da universidade, foi o ensaio aberto para a Semana de Orientação Filosófica e Acadêmica, em 2007, que despertou o interesse da comunidade interna pela apresentação de peças e por cursos de teatro. Com isso, no ano seguinte, a companhia resolveu abrir as primeiras turmas do curso de iniciação teatral.

Em 2012, quando as inscrições passaram a ser feitas por formulário eletrônico, encaminhado pelas redes sociais, houve o aumento significativo da participação do público externo. Desde então, o diálogo com a sociedade, principalmente com os segmentos socioeconômicos de maior vulnerabilidade e que se fixam no entorno do Campus Guarulhos, tem contribuído para a difusão da cultura e a divulgação da Unifesp como um espaço público, aberto a todos e não somente à comunidade acadêmica.

“Hoje, 50% dos participantes, em média, provêm da universidade e os outros 50% pertencem à comunidade externa. Em um campus de Ciências Humanas é muito comum discutir questões como as de gênero. Entretanto, quando recebemos pessoas de fora, elas nos fazem perceber os preconceitos que existem dentro de nós, dentro da academia, e isso gera um ‘caldo’ interessante”, argumenta Araújo.

Ao término da iniciação teatral, grande parte dos formados sente necessidade de intensificar suas pesquisas na área artística, como foi o caso de Daiane Sousa, atriz que atualmente ensaia uma das montagens profissionais do grupo. “O Gepa supre essa necessidade, pois é o local onde os concluintes do curso básico vislumbram a oportunidade de continuar o aprimoramento da prática teatral”, assegura o diretor da companhia. 

Carolina Erschfeld, atriz, diretora e uma das fundadoras do coletivo, aponta a parceria com a direção acadêmica da EFLCH/Unifesp como fundamental para a transformação das ações desenvolvidas em projeto de extensão: “Desde o início buscávamos a oficialização de nosso trabalho mediante entendimento com os dirigentes do campus. Percebemos que é importantíssimo esse espaço para os alunos, como o foi para nós no início”, ressalta a atriz.

Entreteses066 2015 TurmasAeB de Iniciação Teatral Foto Rodrigo Baroni

Atividade-aula do curso de iniciação teatral / Fotografia: Rodrigo Baroni

Entreteses066 2016 Oficina de Sensibilidade Artística parceria Depto Letras EFLCH SemCrédito

Oficina de sensibilidade artística, parceria com o Departamento de Letras da EFLCH/Unifesp / Imagem de arquivo

Entreteses066 CarolinaErschfeld e AlexAraujo

Os fundadores da companhia, Carolina Erschfeld e Alex Araújo / Fotografia: Alex Reipert

Entreteses066 2017 Roda de Conversa Após apresentação da peça Piche na SP Escola de Teatro Foto Rodrigo Baroni

Roda de conversa após apresentação da peça Piche, na SP Escola de Teatro / Fotografia: Rodrigo Baroni

Intervenções artísticas

Além da formação continuada, o Gepa elabora o planejamento de várias atividades culturais da Unifesp, como o Dia Aberto e a Festa das Artes. O objetivo do primeiro evento é apresentar os cursos acadêmicos ministrados pela instituição aos alunos de escolas públicas da periferia de São Paulo. A edição de 2017 contou com um público de mais de 650 pessoas, que ocupou o Teatro Adamastor Pimentas e pôde assistir ao ensaio aberto da peça Piche, encenada pelo coletivo.

O segundo evento, idealizado em conjunto com a direção acadêmica do Campus Guarulhos, possibilita que alunos e servidores possam exibir seus talentos, o que incentiva – por meio de diferentes expressões artísticas – outra vivência afetiva do ambiente universitário e maior integração entre os membros da comunidade. A mostra promove, assim, uma “quebra” do cotidiano, ressignificando os espaços e as relações humanas. 

A companhia já esteve presente em todos os campi da Unifesp, durante eventos acadêmicos como a recepção aos calouros e a exibição de peças e performances de seu repertório.

 

www.facebook.com/ciadocaminhovelho