Pesquisadora e aluna do curso de História conquista menção honrosa

Categoria: Notícias EFLCH Acessos: 936

Foto: Georgia Proença/ arquivo pessoal

Georgia SIICUSP FOTO 1

Descrição da imagem: Georgia, ao lado do banner de apresentação do seu trabalho, durante o evento na USP, no final de 2019 

A graduanda em História, Georgia Proença, recebeu Menção Honrosa pela apresentação de seu trabalho de pesquisa na 27ª edição do SIICUSP, o Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, que ocorreu no mês de dezembro último. Georgia, que é bolsista de Treinamento Técnico, nível 1, da FAPESP, desenvolve pesquisa junto ao Grupo CAPPH (Cidade, Arquitetura e Preservação em Perspectiva Histórica), do Departamento de História da EFLCH. 

O trabalho intitulado "Demolições e Viadutos: levantamento de fontes oficiais, da imprensa e iconográficas como suporte à História do Perímetro de Irradiação e sua passagem por sobre os ribeirões Saracura e Itororó (1937-1945) é parte da pesquisa maior, que está em desenvolvimento no Departamento de História, coordenada pelo Prof. Dr. Fernando Atique. A pesquisa maior, "Pauliceia Esfacelada: uma investigação sobre as demolições na área central de São Paulo e suas representações midiáticas (1937-1945)”, conta com a colaboração de professores pesquisadores da Universidade Presbiteriana Mackenzie e da Escola da Cidade, está analisando os impactos sociais, físicos e culturais da implantação do Plano de Avenidas na capital Paulista e conta com fomento da FAPESP e do CNPq.

Para saber um pouco mais sobre a premiação e também sobre esse projeto de pesquisa na EFLCH, conversamos com a aluna que finalizou o 8º. Termo no curso de História (Bacharelado) e deverá concluir o curso de graduação no primeiro semestre de 2020.

Conte-nos um pouco mais sobre esse evento que premia e destaca trabalhos de pesquisadores graduandos como o seu.

O SIICUSP é um evento realizado anualmente que tem como objetivo divulgar os resultados dos projetos de pesquisas científicas e tecnológicas realizadas por estudantes de graduação tanto da Universidade de São Paulo (USP), quanto de outras instituições, nacionais e estrangeiras.
O Simpósio é realizado em duas fases: a primeira ocorre com sessões de apresentação oral e a segunda, denominada de Etapa Internacional, quando participam os trabalhos indicados pelas Comissões de Pesquisa do evento. Para essa Etapa Internacional do ICUSP são selecionados os estudantes que se destacaram em cada Unidade, podendo ser indicados até 15% dos estudantes que apresentaram trabalhos na primeira fase e até 20% dos trabalhos apresentados na Etapa Internacional, indicados pelos avaliadores para receberem o certificado de Menção Honrosa.

Na primeira fase, a apresentação é mais ampla, na qual você se apresenta diante de um grupo de estudantes que tem pesquisas com temas similares a sua. Há um avaliador, que traz um feedback da apresentação, e os outros estudantes e pesquisadores que vão apresentar também podem dar uma opinião sobre sua pesquisa. Na segunda etapa, o aluno se apresenta com um pôster para apreciação de avaliadores, avaliadores mirins e os estudantes presentes. O que se levará em conta serão os detalhes de sua pesquisa, os processos envolvidos, a metodologia utilizada, etc.
Podem participar do SIICUSP estudantes de graduação, da USP ou de outras instituições de ensino nacionais ou estrangeiras, bolsistas ou não, que tenham desenvolvido trabalhos de Iniciação Científica ou Tecnológica. Também podem participar estudantes do Ensino Médio cadastrados no Programa de Pré-Iniciação Científica e de Pré-Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação da USP. Vale lembrar que as inscrições são gratuitas.

O projeto do qual você faz parte está inserido na EFLCH Unifesp e fora dela também. Explique como é isso.

A minha pesquisa faz parte de um projeto maior desenvolvido pelo professor Fernando Atique, do departamento de História, junto ao Grupo de Pesquisa CAPPH (Cidade, Arquitetura e Preservação em Perspectiva Histórica), ministrado por ele. O projeto maior é denominado de Pauliceia Esfacelada: uma investigação sobre o processo de demolição de espaços na área central de São Paulo e suas representações midiáticas, e minha pesquisa é uma parte deste todo e tem como título, "Demolições e Viadutos: levantamento de fontes oficiais, da imprensa e iconográficas como suporte à História do Perímetro de Irradiação e sua passagem por sobre os ribeirões Saracura e Itororó (1937-1945)". 
O projeto tem como objetivo investigar o processo de implantação do Perímetro de Irradiação na área central da cidade de São Paulo, entre o período de 1938 e 1945, durante a gestão de Francisco Prestes Maia como prefeito do município de São Paulo. Também procura localizar documentos burocráticos que tratem das negociações e dos decretos de desapropriação de imóveis, bem como compilar, via imprensa, materiais que atestem tensões e conflitos entre iniciativa privada e poder público, e que permitam identificar agentes e instituições deste processo de modificação espacial paulistano.
O projeto permite ainda recriar, com base nos documentos textuais, e também em material iconográfico (fotografias, projetos, planos de alinhamento e levantamento de campo) os espaços “antes” e “depois” da implantação do Perímetro de Irradiação, por meio da confecção de maquetes eletrônicas.
A minha pesquisa até o momento investigou sobre a construção do arco sudoeste do Perímetro de Irradiação que fazia parte do projeto de remodelação da cidade de São Paulo proposto por Prestes Maia, e colocado em execução a partir do final da década de 1930. Para isso, foram estudados os Viadutos Nove de Julho, Dona Paulina e Jacareí, de maneira que se buscasse informações sobre o processo de construção e suas consequências em jornais, além de fotografias e outros tipos de registros, como plantas e cadernos de obras. O processo de demolição para possibilitar a execução destas obras públicas, exigiu a reconfiguração de dois bairros, o Bexiga e a Liberdade, para que se designasse parte do traçado viário do Perímetro de Irradiação no local, demandando a construção de corredores nas antigas áreas situadas nos vales dos ribeirões Saracura e Itororó. 
Para a segunda parte da pesquisa, o objetivo é compreender documentalmente a mudança no arco sudoeste do Perímetro de Irradiação e as repercussões sociais e as demolições envolvidas na construção dos três viadutos entre o Bexiga e a Liberdade. 


Quais são suas perspectivas futuras?

Ainda não sei definir muito bem minhas perspectivas. No momento estou focada em dar continuidade a minha monografia, me formar e penso fazer mestrado, possivelmente. 

Como tem sido o seu cotidiano na EFLCH?

Esse último semestre foi tranquilo e caótico ao mesmo tempo devido à conciliação da pesquisa e também as demandas da faculdade, mas deu tudo certo. Terminei o ano de 2019 bem feliz!

O que mais você tem a acrescentar. Algum comentário? Deixe aqui seu registro. 

Queria deixar registrado meu agradecimento ao meu orientador Fernando Atique, ao Grupo CAPPH, e também às minhas amigas que me acompanharam, e que fazem parte do projeto e me apoiaram durante a pesquisa, a Bianca Vicente e a Patricia Costa. Obrigada!