Trabalho utilizou dados de 5.213 estudantes do 8.º ano de escolas públicas em três diferentes cidades brasileiras

Publicado em RELEASES

Estudo desenvolvido pela Unifesp revelou associação existente entra as crenças atitudinais dos adolescentes para entrar ou não no universo das drogas

Publicado em RELEASES

Os adolescentes que participaram das aulas do programa tiveram 22% menos chances de iniciar o uso de álcool do que os alunos do grupo que não receberam o programa, revelou estudo coordenado pela Unifesp

Publicado em RELEASES
Objetivo da equipe é entender a influência das consequências emocionais da quarentena no consumo de substâncias psicoativas nessa população

Publicado em RELEASES

Estudo avaliará o comportamento da população brasileira em relação à ansiedade, depressão e uso de substâncias psicoativas

Publicado em RELEASES

Centro Regional de Formação em Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos qualifica agentes sociais e de saúde para o apoio a pessoas com problemas relacionados a drogas

Texto: Valquíria Carnaúba

Visando à inovação social, o Centro Regional de Formação em Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos (CRF) desenvolve um programa de extensão que surge em 2017 na Baixada Santista, a partir da iniciativa do Grupo de Pesquisa e Extensão DiV3rso, composto por docentes, estudantes e membros da comunidade do entorno do Campus Baixada Santista. O programa nasce da necessidade de promover a qualificação – na área de política sobre drogas e direitos humanos – de lideranças comunitárias, trabalhadores e usuários de serviços públicos, em conjunto com a formação de alunos de graduação e pós-graduação. 

O foco do CRF consiste, primariamente, no fomento à transformação da vida dos indivíduos que revelam uso problemático de drogas, sob a perspectiva dos direitos humanos, ao mesmo tempo em que se propicia a experiência acadêmica dos estudantes envolvidos. A articulação ocorre entre a universidade, agentes de políticas públicas de saúde, assistência social, educação, cultura, segurança pública e trabalho e agentes do sistema de garantias de direitos dos municípios que compõem a Baixada Santista (Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente).

De acordo com Luciana Togni de Lima e Silva Surjus, coordenadora do programa e docente do Departamento de Políticas Públicas e Saúde Coletiva do Instituto de Saúde e Sociedade (ISS/Unifesp) - Campus Baixada Santista, diversos fatores justificam a implantação do CRF na região metropolitana da Baixada Santista, como a magnitude e a complexidade da questão das drogas nesse perímetro, relacionadas especialmente às populações em situação de alta vulnerabilidade, e a necessidade de articulação territorial da rede de serviços. “Era fundamental, ainda, qualificar as intervenções profissionais e ampliar o acesso dos usuários dos serviços à universidade e a espaços formativos”, complementa Surjus. 

Entreteses061 diverso1

Entreteses061 diverso2

Entreteses061 diverso3

O centro de formação frequentemente articula-se a grupos de trabalho para discutir temas correlatos à prevenção e ao tratamento de problemas com drogas. Elaborados em 2018, os projetos sobre atualização em redução de danos e sobre inclusão social pelo trabalho resultaram da articulação entre a Unifesp, a FapUnifesp e a Universidade Virtual do Estado de São Paulo. Ambos visaram contribuir com a  formulação de um plano integrado de redução de danos na região

Produção de conhecimento e aproximação

Algumas das transformações diretas na universidade, decorrentes da atuação do CRF, referem-se à integração de conteúdos e disciplinas em eixos e módulos interdisciplinares, à adoção de metodologias críticas e inventivas para o ensino e à inserção de novas tecnologias de informação e comunicação. Esses fatores exigem do estudante uma postura ativa na construção, disseminação e socialização do conhecimento. “Há uma conexão possível com o módulo de Terapia Ocupacional em Saúde Mental, além da possibilidade de constituir-se como campo de pesquisa para os trabalhos de conclusão de curso e projetos de iniciação científica”, explica a docente.

O programa de extensão promove, por um lado, o fortalecimento da permanência estudantil na universidade e a ampliação do acesso à educação para a comunidade externa. Por outro, o CRF busca, na prática, aproximar cada vez mais a população da Baixada Santista do universo acadêmico, diminuindo a vulnerabilidade social e econômica e fomentando a cultura dos direitos humanos. 

Para a concretização desses objetivos, foram inicialmente propostos dois projetos sob o guarda-chuva do programa principal, que contaram com financiamento advindo de um convênio tripartite entre a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp), a Unifesp e a Fundação de Apoio à Unifesp (FapUnifesp): o curso de Atualização em Redução de Danos e o projeto denominado Apoio e Fomento a Experiências em Inclusão Social pelo Trabalho. De acordo com Surjus, o intuito foi maximizar a potencialidade e a efetividade das intervenções de cuidado, ou seja, produzir efeitos positivos sobre toda a rede de serviços para que esta amplie sua capacidade de acolher as demandas, funcionando de modo mais articulado e apresentando respostas adequadas, criativas, efetivas e eficazes. 

“Acerca do potencial de inovação do programa principal, podemos identificar a contratação formal de pessoas da comunidade com histórico de uso de drogas e em situação de vulnerabilidade, que promoveram um espaço de legitimação de sua experiência enquanto saber fundamental, para avançar na construção de respostas que atendessem às suas reais necessidades. O trabalho aqui realizado ganha um lugar central no processo de inclusão. A metodologia provocou ainda a horizontalidade do processo de construção de conhecimento, colocando lado a lado diferentes atores e apostando nas trocas e na diversidade como estratégias para a transformação social de todos os envolvidos. Estes passaram a conviver em um espaço comum, produzindo mundos possíveis, que incidiram sobre as barreiras da desigualdade que nos distanciam”, finaliza a coordenadora.

 

www.facebook.com/DiV3rso-Saúde-Mental-Redução-de-Danos-e-Direitos-Humanos

 
Publicado em Edição 12
Pela primeira vez, duas mulheres Maria Lucia Formigoni e Dorothy Newbury-Birch – compartilham a presidência da associação
Publicado em Notícias Arquivadas
Página 1 de 3