Bandar Live Casino
Terça, 08 Fevereiro 2022 10:28

Opinião - Síndrome de Burnout: o que sabemos até aqui

Por José Diogo S. Souza* e Rodrigo Affonseca Bressan**

Pessoa exausta apoiada numa mesa branca, com papéis rasgadas(Imagem ilustrativa)

A relação que temos com o trabalho e as dificuldades que podem aparecer quando surge um desgaste nesta relação é um fenômeno há muito tempo reconhecido1. O uso do termo Burnout (Esgotamento) para esse fenômeno surgiu em meados da década de 1970 nos Estados Unidos, principalmente, entre funcionários que atuavam em Recursos Humanos (RH). A expressão era empregada em situações nas quais os trabalhadores apresentavam cansaço extremo, perda de idealismo e paixão pelo trabalho1. Desde então, o termo tem sido relacionado ao estresse crônico associado à atividade laboral. 

Em 2010, Burnout passou a ser um diagnóstico na 10.ª edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-10), porém, sem um conceito detalhado do quadro. Era definido como “um estado de exaustão vital” e categorizado em “problemas relacionados à dificuldade de gerenciamento da vida”, ou seja, poderia estar relacionado ao trabalho ou não. Em 2019, com a atualização da CID (CID-11), o Burnout passa a ser definido como um fenômeno ocupacional, além de ser mais bem caracterizado. Entretanto, a síndrome ainda continua não sendo identificada como doença e é descrita no capítulo "Fatores que influenciam o estado de saúde ou o contato com os serviços de saúde", que inclui os motivos pelos quais as pessoas procuram os serviços de saúde, mas que não são classificados como doença ou condição de saúde. O Burnout, agora, passa a ser definido como uma síndrome resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi manejado adequadamente e é caracterizada por três dimensões: (i) sensação de esgotamento ou exaustão de energia, (ii) aumento da distância mental do trabalho ou sentimentos negativos relacionados a ele e (iii) diminuição da eficácia profissional2

A síndrome corresponde a essas três dimensões, porém, clinicamente, pode resultar em diversos outros sinais e sintomas como irritabilidade, alterações no apetite e sono, dificuldade de concentração, isolamento social, além de outros sintomas depressivos e sintomas ansiosos. Quanto à sua prevalência, os dados atuais são extremamente heterogêneos, podendo ultrapassar 80% de funcionários de alguns setores3, com uma predominância em certas profissões como policiais, profissionais da educação e profissionais da área da saúde. Essa heterogeneidade correlaciona-se com a ausência de uma definição precisa da síndrome, principalmente anterior à CID-11. Ou seja, a melhor descrição da síndrome é absolutamente fundamental, pois, a definição imprecisa implica em sérios problemas para estudos científicos sobre o tema, incluindo além da variabilidade na prevalência já citada, dificuldade de estabelecimento de grupos de risco, intervenções para a prevenção, avaliação de prognóstico e estabelecimento de estratégias terapêuticas eficazes. 

Nesses últimos dois anos, com a pandemia de covid-19, houve diversos desafios e mudanças para humanidade não só quanto à saúde, mas também no âmbito econômico, político e social. Um grupo que merece destaque nesse período é o de profissionais da saúde da linha de frente do atendimento aos pacientes com covid-19. Esses profissionais tiveram um aumento significativo no estresse relacionado ao trabalho, devido ao grande impacto gerado em seu ambiente profissional. Ainda no contexto da pandemia, vale ressaltar as notáveis modificações no modo de trabalhar, como, por exemplo, a migração do trabalho para híbrido (presencial + remoto) ou remoto exclusivo que, para alguns setores e profissões, veio para ficar. Observa-se que no trabalho remoto, frequentemente, a carga horária acaba sendo ainda maior comparada ao presencial exclusivo anterior, o que pode colaborar para o aumento do estresse e caso não seja bem administrado, resultar em Burnout. Daí a importância de se pensar em prevenção. Um estudo4 publicado em 2020 recomenda algumas práticas a serem adotadas, para diminuir esse estresse associado ao home office:

• Promover a conscientização sobre o estresse e o Burnout resultantes do aumento do uso de telecomunicações durante a pandemia; 
• Aumentar a frequência dos intervalos entre as palestras on-line ou durante as teleconferências; 
• Implementar práticas saudáveis entre as sessões on-line e durante reuniões prolongadas, como exercícios respiratórios, meditação e ioga; 
• Reduzir hábitos pouco saudáveis que aumentam ainda mais os níveis de estresse, como fumar e ingerir cafeína.

Portanto, sendo o trabalho presencial ou remoto, o estresse com ele pode aparecer. Logo, é de fundamental importância pensarmos e discutirmos sobre a relação do trabalho com nossa saúde mental. A literatura atual indica que tanto as estratégias focadas no indivíduo quanto as organizacionais podem resultar em reduções clinicamente significativas do quadro5. Entretanto, mais pesquisas são necessárias para estabelecer quais intervenções são as mais eficazes. De todo modo, é pertinente adotar práticas de estilo de vida saudáveis, investir em atividades de lazer, programar-se para limitar horas trabalhadas por período, além de ter um bom convívio no ambiente de trabalho, pois tais práticas podem resultar em diminuição do estresse e, consequentemente, de Burnout. Fique atento aos sinais e sintomas descritos sobre o Burnout e caso os identifique, procure um profissional de saúde mental capacitado para melhor avaliação diagnóstica e terapêutica.

*Médico residente de Psiquiatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HC-FMRP-USP) e doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Mental da FMRP-USP

**Professor adjunto livre-docente do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) - Campus São Paulo e presidente do Instituto Ame Sua Mente

Referências:

1. Maslach C, Schaufeli WB, Leiter MP. Job burnout. Annu Rev Psychol. 2001;52:397-422 https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.psych.52.1.397
2. https://www.who.int/news/item/28-05-2019-burn-out-an-occupational-phenomenoninternational-classification-of-diseases
3. Rotenstein LS et al. Prevalence of Burnout Among Physicians: A Systematic Review. JAMA. 2018;320(11):1131– 1150 https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2702871
4. Mheidly, Nour et al. “Coping With Stress and Burnout Associated With Telecommunication and Online Learning.” Frontiers in public health vol. 8 574969. 11 Nov. 2020. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpubh.2020.574969/full
5. West Colin P et al. “Interventions to prevent and reduce physician burnout: a systematic review and meta-analysis.” Lancet vol. 388,10057 (2016): 2272-2281 https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(16)31279-X/fulltext

As opiniões expostas aqui não refletem a posição oficial da Unifesp

Lido 2051 vezes Última modificação em Quarta, 16 Novembro 2022 14:29

Mídia