Você está aqui: Página Inicial Orientação Geral Grupo B - Resíduos Químicos

Grupo B - Resíduos Químicos

Fluxograma do Gerador de Resíduos Vídeo: Gerenciamento, Segurança e Descarte de Resíduos Químicos (UEL)
Diamante de Hommel
Manual de Produtos Químicos - CETESB
Fotos Checklist pré-solicitação de coleta de RQ
 Tabela de Incompatibilidades Químicas Orientação para a Prescrição, Comércio e Dispensação de Substâncias e Medicamentos Sujeitos a Controle Especial

Incompatibilidades entre produto químico e tipo de embalagem

RDC 306/2004

 Resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade.

  • Produtos hormonais e produtos antimicrobianos; citostáticos; antineoplásicos; imunossupressores; digitálicos; imunomoduladores; anti-retrovirais, quando descartados por serviços de saúde, farmácias, drogarias e distribuidores de medicamentos ou apreendidos e os resíduos e insumos farmacêuticos dos Medicamentos controlados pela Portaria MS 344/98 e suas atualizações.

  • Resíduos de saneantes, desinfetantes, desinfestantes; resíduos contendo metais pesados; reagentes para laboratório, inclusive os recipientes contaminados por estes.

  • Efluentes de processadores de imagem (reveladores e fixadores).

  • Efluentes dos equipamentos automatizados utilizados em análises clínicas

  • Demais produtos considerados perigosos, conforme classificação da NBR 10.004 da ABNT (tóxicos, corrosivos, inflamáveis e reativos).

ABNT NBR 16725/2011

Substância, mistura ou material remanescente de atividades de origem industrial, serviços de saúde, agrícola e comercial, a ser destinado conforme legislação ambiental vigente, tais como utilização em outro processo, reprocessamento/recuperação, reciclagem, coprocessamento, destruição térmica e aterro.

Símbolo, descrição da classe ou subclasse de risco e exemplos

Símbolo Classe ou Subclasse de Risco Exemplos
subclasses_1.1_1.2_1.3.png

Subclasse 1.1 - Substâncias  e artigos com risco de explosão em massa (uma explosão em massa é a que afeta virtualmente toda a carga, de maneira praticamente instantânea).

Trinitroanilina

Trinitroclorobenzeno

Tritonal

Trinitrotolueno (TNT), seco


subclasses_1.1_1.2_1.3.png

Subclasse 1.2 -  Substâncias e artigos com  risco de projeção, mas sem risco de explosão em massa. 

Cartuchos para armas, projéteis inertes

 

subclasses_1.1_1.2_1.3.png

Subclasse 1.3 - Substâncias e artigos com risco de fogo e com pequeno risco de explosão, de projeção, ou ambos, mas sem risco de explosão em massa.  Esta Subclasse abrange substâncias e artigos que: a) produzem grande quantidade de calor radiante, ou b) queimam em sucessão, produzindo pequenos efeitos de explosão, de projeção, ou ambos. 

Picramato de sódio, seco ou umedecido com menos de 20% de água, em massa

Propelente, líquido

Dinitrofenolatos, metais alcalinos, secos ou umedecidos com menos de 15% de água, em massa

 subclasse_1.4.png

Subclasse 1.4 - Substâncias e artigos que não apresentam risco significativo.  Esta Subclasse abrange substâncias e artigos que apresentam pequeno  risco na eventualidade de ignição ou iniciação durante o transporte. Os efeitos estão confinados, predominantemente, à embalagem e não se espera projeção de  fragmentos de dimensões apreciáveis ou a grande distância. Um fogo externo não deve provocar explosão instantânea de, virtualmente, todo o conteúdo da embalagem. 

Ácido tetrazol-1-acético

Rebites, explosivos

 subclasse_1.5.png

Subclasse 1.5 - Substâncias muito in sensíveis, com um risco de explosão em massa, mas que são tão insensíveis que a probabilidade de iniciação ou de transição da queima para a detonação, em condições normais de transporte, é muito pequena.  

Substâncias explosivas, muito insensíveis, N.E.

 subclasse_1.6.png

Subclasse 1.6 - Artigos extremamente insensíveis, sem risco de explosão em massa. Esta Subclasse abrange os artigos que contêm somente substâncias detonantes extremamente insensíveis  e que apresentam risco desprezível de iniciação ou propagação acidental.

Artigos explosivos, extremamente insensíveis

 
subclasse_2.1.png
subclasse-2.1.png

 Subclasse 2.1 - Gases inflamáveis:  gases que a 20ºC  e à pressão de 101,3kPa: a) são inflamáveis quando em mistura de 13% ou menos, em volume, com o ar; ou b) apresentam uma faixa de inflamabilidade com ar de, no mínimo, doze pontos percentuais, independentemente do limite inferior de inflamabilidade. A inflamabilidade deve ser determinada por ensaios ou através de cálculos, conforme métodos adotados pela ISO (ver Norma ISO 10156-1990). Quando os dados disponíveis forem insuficientes para a utilização desses métodos, podem ser adotados métodos comparáveis, reconhecidos por autoridade competente. NOTA:  os aerossóis (número ONU 1950)  e os pequenos recipientes  contendo gás (número ONU 2037) devem ser incluídos nesta Subclasse quando se enquadrarem no disposto na Provisão Especial nº 63.

 Butano

Butileno

Ciclopropano

Cloreto de etila

Cloreto de metila

Deutério, comprimido

Etano

Éter dimetílico

Hidrogênio, comprimido

Isobutano

Metano

Propano

Propileno

Silano, comprimido

 

subclasse-2.2.png
subclasse_2.2.png

Subclasse 2.2 - Gases não-inflamáveis, não-tóxicos : são gases que transportados a uma pressão não-inferior a 280kPa, a 20ºC, ou como líquidos refrigerados e que: a) são asfixiantes: gases que diluem ou substituem o oxigênio normalmente exis tente na atmosfera; ou b) são oxidantes: gases que, em geral, por fornecerem oxigênio, podem causar ou contribuir para a combustão de outro mate rial mais do que o ar contribui; ou c) não se enquadram em outra subclasse. 

 Criptônio, comprimido

Dióxido de carbono, líquido refrigerado

Extintor de incêndio, contendo gás comprimido ou liquefeito

Hélio, comprimido

Hélio, líquido refrigerado

Heptafluorpropano

Hexafluoreto de enxofre

Mistura de dióxido de carbono e óxido nitroso

Neônio, comprimido

Neônio, líquido refrigerado

Nitrito de metila

Nitrogênio, comprimido

subclasse_2.3.png

Subclasse 2.3 - Gases tóxicos: Gases que:  a) são sabidamente tão tóxicos ou corrosivos para pessoas, que impõem risco à saúde; ou  b) supõe-se serem tóxicos ou corrosivos para pessoas,  por apresentarem um valor da CL 50  para toxicidade  aguda por inalação igual ou inferior a 5000 mL/m³ quando ensaiados de acordo com o disposto no  item II.1.1, do Anexo II.  NOTA: os gases que se enquadram nestes critérios por sua corrosividade devem  ser classificados como tóxicos, com um risco subsidiário de corrosivo. 

Amônia, anidra

Brometo de hidrogênio, anidro

Brometo de metila

Cianogênio

Cloreto de hidrogênio, anidro

Cloro gasoso

Dióxido de enxofre

Fluor, comprimido

Fosfina

Fosgênio

Gás de carvão, comprimido

Iodeto de hidrogênio, anidro

Metilmercaptana

Óxido nítrico, comprimido

Sulfeto de carbonila

Sulfeto de hidrogênio


classe_3.png
classe-3.png

Classe 3 - Líquidos inflamáveis: Líquidos, misturas de líquidos, ou líquidos contendo sólidos em solução ou em suspensão (como tintas, vernizes, lacas etc., excluídas as substâncias que tenham sido classificadas de forma diferente, em função de suas características perigosas) que produzem vapores inflamáveis a temperaturas de até 60,5ºC, em teste de vaso fechado, ou até 65,6ºC, em teste de vaso aberto, conforme normas brasileiras ou normas internacionalmente aceitas.

Acetaldeído
Acetona
Acetonitrila
Benzeno
Etanol
Éter dietílico
Formaldeído
Heptano
Hexano
Metanol
Óxido de propileno
Piridina
Propanol
Tolueno
Xilenos

 subclasse_4.1.png

Subclasse 4.1 - Sólidos  Inflamáveis: Sólidos que nas condições encontradas no transporte são facilmente combustíveis, ou que, por atrito, podem caus ar fogo ou contribuir para ele. Esta Subclasse inclui, ainda, explosivos insensibilizados que podem explodir se não forem suficientemente diluídos e  substâncias auto-reagentes ou correlatas, que podem sofrer reação fortemente exotérmica.

 Ácido pícrico (com, no mínimo, 30% de água, em massa)
Enxofre
Naftaleno, refinado
Nitronaftaleno
Paraformaldeído

 subclasse_4.2.png

Subclasse 4.2 - Substâncias Sujeitas a Combustão Espontânea: substâncias sujeitas a aquecimento espontâneo nas condições normais de transporte, ou que se aquecem em contato com o ar, sendo, então, capazes de se inflamarem; são as substâncias pirofóricas e as passíveis de auto-aquecimento.

Carvão ativado

Metóxido de sódio

Sulfato de potássio, anidro

Sulfeto de sódio anidro

Tributilfosfano

 
subclasse_4.3.png
subclasse-4.3.png

Subclasse 4.3 - Substâncias que, em Contato com a Água, Emitem Gases Inflamáveis: substâncias que, por reação com a água, podem tornar-se espontaneamente inflamáveis ou liberar gases inflamáveis em quantidades perigosas. Nestas Instruções, emprega-se também a expressão "que reage com água" para designar as substâncias desta Subclasse. 

Boro-hidreto de sódio

Fosfeto de cálcio

Hidreto de cálcio

Potássio metálico

Sódio metálico

 subclasse_5.1.png

Subclasse 5.1 - Substâncias Oxidantes: substâncias que, embora não sendo necessariamente combustíveis, podem, em geral por liberação de oxigênio, causar a combustão de outros materiais ou contribuir para isto. 

Ácido perclórico
Bromato de potássio
Bromato de sódio
Clorato de potássio
Clorito de sódio
Permanganato de potássio
Peróxido de hidrogênio
Peróxido de sódio
Persulfato de potássio

 subclasse_5.2.png

Subclasse 5.2 - Peróxidos Orgânicos: substâncias orgânicas que  contêm a estrutura bivalente − O − O − e podem ser  consideradas derivadas do peróxido de hidrogênio,  onde um ou ambos os átomos de hidrogênio foram  substituídos por radicais orgânicos. Peróxidos orgânicos são substâncias termicamente instáveis e  podem sofrer uma decomposição exotérmica auto- acelerável. Além disso, podem apresentar uma ou mais  das seguintes propriedades: ser sujeitos a  decomposição explosiva; queimar rapidamente;  ser  sensíveis a choque ou a atrito ; reagir perigosamente  com outras substâncias; causar danos aos olhos. 

Peracetato de t-butila

Peróxido de acetilacetona

Peróxido de benzoíla

 

 

Grupos de Embalagem I e II

subclasse_6.1.png

Grupo de Embalagem III

subclasse-6.1.png

Subclasse 6.1 - Substâncias Tóxicas (Venenosas): são as capazes de  provocar a morte, lesões graves, ou danos à saúde  humana, se ingeridas, inaladas ou se entrarem em  contato com a pele.  Os produtos da Subclasse 6.1, inclusive  pesticidas, podem ser distribuídos em três grupos de  embalagem:   Grupo I - substâncias e preparações que apresentam  um risco muito elevado de envenenamento;  Grupo II - substâncias e  preparações que apresentam  sério risco de envenenamento;  Grupo III - substâncias e preparações que apresentam  um risco de envenenamento relativamente  baixo.  Na classificação de um produto, devem ser  levados em conta casos conhecidos de envenenamento  acidental de pessoas, bem como quaisquer propriedades especiais do produto, tais como estado líquido,  alta volatilidade, probabilidade de penetração e efeitos  biológicos especiais. Na ausência de informações  quanto ao efeito sobre seres humanos, devem ser feitos  experimentos com animais, segundo três vias de  administração: ingestão oral, contato com a pele e  inalação de pó, neblina ou vapor. 

Acrilamida

Anilina

Benzidina

Cianeto de potássio

Cloreto de benzila

Cloreto de bário

Cloreto mercuroso

Clorofórmio

Fenol
Hidroquinona

Nitrobenzeno

Oxalato de potássio

 classe_8.png

Classe 8 - Substâncias corrosivas. São substâncias que, por ação química, causam severos danos quando em contato com tecidos vivos ou, em caso de vazamento, danificam ou mesmo destroem outras cargas ou o veículo; elas podem, também, apresentar outros riscos.

 Cloreto de ferro
Clorito de sódio
Etilenodiamina

Ácidos
clorídrico
fórmico
fosfomolíbdico
fosfomolíbdico
fosfórico
nítrico
sulfúrico

Hidróxidos de
cálcio
lítio
potássio
rubídio
sódio

 classe_9.png

Classe 9 - Substâncias perigosas diversas. Incluem-se nesta Classe as substâncias e artigos que durante o transporte apresentam um risco não abrangido por qualquer das outras classes.

Ácido 2-tiobarbitúrico
Amianto azul
Benzaldeído
Bifenilas policloradas
Dietanolamina
Dióxido de carbono, sólido (gelo seco)

Fontes: Resolução N° 420, da ANTT; Tabela de produtos perigosos e números ONU; Classificação e definição das classes de produtos perigosos; Modelos dos elementos indicativos de risco.

 

Bibliografia

  • RDC Nº 306, da ANVISA, de 07 de Dezembro de 2004
  • NBR 16725, da ABNT, de 06 de Janeiro de 2011
  • HIRATA, Mário H; FILHO, Jorge M. Manual de Biossegurança. Barueri: Manole, 2002

Ações do documento