Equipe Assessoria de Imprensa

Ex-Libris SP

Alexandre Milanetti (16) 99783-4305
Denis Dana (11) 98726-2609
Jayme Brener
Pedro De Biasi

Telefone: (11) 3266-6088, ramal 208
E-mail: imprensa@unifesp.br


O que você quer ser quando crescer?

Desde muito pequena, Ana Cristina Gales sabia bem sua resposta: ser médica!

Ana Cristina Gales

(Fotografia: Alex Reipert)

 

Juliana Cristina

A maioria de nós, ao pensar na figura de um(a) médico(a), no geral, costuma imaginar pessoas práticas e um tanto impassíveis por trás de mesas maciças, receitas e olhares difíceis de decifrar. Mas, se, por travessura do destino, encontramos algum diminuto sorriso ou olhar um pouco mais sensível, nossas triviais invenções imagéticas se convertem em confusão e assombro instantâneo. Ainda bem que as impressões nem sempre estão corretas e estereótipos são apenas estereótipos.

Ana não tinha esse tipo de percepção sobre médicos(as) quando conheceu a primeira de sua vida. Dr.ª Vilma, sua pediatra, era cativante, bonita, muito sorridente e, sob a luz dos olhos da criança, trabalhava em um dos lugares mais bonitos que poderia existir - cores, bichinhos de pelúcia pelas paredes; cada detalhe do consultório tinha um aspecto encantador para ela. E toda vez que alguém perguntava: “O que você quer ser quando crescer?”, a menina respondia: “Quero ser médica!.”

Outra pessoa importante nessa história é Sinival Gales, pai de Ana, que, pincelado por lembranças distantes, parece ter sido bastante compreensivo e afetuoso. Em 1973, Sinival foi diagnosticado com câncer e, apesar de ter feito os tratamentos disponíveis, não resistiu. Ana tinha cinco anos e sua irmã era um ano mais nova. Com o falecimento do pai, o padrão de vida da família mudou. A mãe, Ivone, que era dona de casa, passou a se desdobrar para cuidar das crianças, trabalhar no período da manhã e à noite. As meninas prosseguiram seus estudos em escolas públicas, nas quais Ana teve excelentes professores(as) que fizeram diferença em sua vida, como a professora de Química do Ensino Médio, jovem e muito determinada, que acreditava vigorosamente num ensino público de qualidade.

Não é possível dizer se a falta do pai ou o encantamento pela pediatra a fizeram decidir, mas desde novinha desejava ser médica, e Dona Ivone, sua mãe, sempre a apoiou, além de, até hoje, ser seu exemplo de garra, determinação e honestidade.

Depois de terminar o Ensino Médio, Ana fez um ano de cursinho pré-vestibular e iniciou o seu tão almejado curso na Faculdade de Medicina do ABC. Ana foi muito feliz na universidade que frequentou e lá teve o primeiro contato com profissionais da Escola Paulista de Medicina, docentes que a inspiraram na decisão quanto à residência de Clínica Médica.

Seu primeiro ano de residência foi bastante difícil, porque além de ser puxado, ela também estava passando por um período de luto pelo padrasto, de quem realmente gostava muito. No entanto, apesar de complicado, ao mesmo tempo, foi um ano de muito aprendizado. E foi na residência médica onde se encantou pela disciplina de Infectologia. “Tive exemplos marcantes em diferentes aspectos, tanto com docentes quanto médicos(as). E a disciplina, de modo geral, era muito viva! Estávamos numa curva exponencial de crescimento, a Escola Paulista respirava pesquisa! Tínhamos uma grande oportunidade de aplicar conhecimento gerado em pesquisa na assistência e nossas dúvidas clínicas geravam novas pesquisas. Esse ambiente foi muito propício e foi o exemplo que me levou a fazer pesquisa.”

Ana se tornou infectologista. E escolheu se especializar em Microbiologia Clínica, para que pudesse ter flexibilidade para trabalhar tanto no laboratório quanto acompanhar seus(as) pacientes de perto. Ela sempre teve uma visão muito humanizada sobre como tratar seus(as) pacientes, e isso se tornou ainda mais intenso quando, em 2013, a mãe teve um linfoma. Naquele momento, percebeu o quanto seu médico fazia diferença. Talvez a maturidade que tinha na época também colaborou para que sua visão se transformasse, mas a sensação que adquiriu foi de que é capaz de aliviar pelo menos um pouco do sofrimento de seus(as) pacientes. “Às vezes penso que um atendimento humanizado, olhar para os(as) pacientes com amor, como semelhantes, seres humanos que têm aflições e angústias, ao invés de enxergar apenas casos, pode auxiliar a entendê-los(as) melhor. Acho que a doença da minha mãe me fez uma médica melhor.”

No presente Ana Cristina Gales é docente, pesquisadora e atende pacientes do SUS, porque acredita ser uma forma de retribuir as oportunidades que teve e, ainda, poder dar atenção e atendimento de qualidade para essa população. Além disso, entre diversos feitos em sua carreira, já se apresentou nos principais congressos americanos e europeus, fez parte de comitês científicos, recebeu um prêmio concedido às dez mulheres cientistas com maior contribuição científica no Brasil e tem reconhecimento internacional por pesquisas realizadas no país, pelo qual tem orgulho e um sentimento de pertencimento que a faz ver que é no Brasil onde deve agir e melhorar. Ana sente orgulho pelo reconhecimento, mas, humildemente, declara que é resultado de muito esforço, não apenas dela, como também de seu grupo de pesquisa, além do apoio e suporte familiar, principalmente de sua mãe, irmãos e de seu esposo – que sempre a estimulou e respeitou sua individualidade para que ela pudesse crescer, sem ter ciúmes ou rivalidade –, que foram fundamentais ao longo de sua trajetória.

Seu sorriso leve e olhar terno são como respiros reconfortantes em meio ao caos do cenário atual – e provavelmente em meio à vida –, e sua intensidade nua faz com que brotem algumas lágrimas no canto de seus olhos de menina quando fala sobre a maior realização de sua vida: ter se tornado mãe. Desde que suas duas filhas nasceram, cresce diariamente um sentimento em si que a faz se revisitar e querer ser melhor como ser humano todos os dias.

Há quase quatro anos, quando fez 49, chegou à conclusão de que realmente não veria seu outro grande sonho se realizar: testemunhar o Brasil ser uma pátria mais justa, igualitária, um país diferente, onde pessoas fossem mais solidárias e cidadãs, como na música Coração Civil, de Milton Nascimento. Mas, mesmo que não esteja mais aqui, ainda assim, mantém a esperança de que seu sonho um dia se realize. Quanto aos sonhos mais simples, deseja ver o sucesso de seus/suas estudantes, o engrandecimento da Unifesp, realizar novos projetos científicos e, quem sabe, ser útil até o fim de sua carreira.

Ana Cristina Gales medica

(Fotografia: Alex Reipert)