Equipe Assessoria de Imprensa

Ex-Libris SP

Denis Dana 
Gerfesson Silva
Jayme Brener
Matheus Campos

Telefone: (11) 3266-6088, ramais 201 / 208 / 225
E-mail: imprensa@unifesp.br


Quinta, 19 Março 2020 11:48

Pesquisa inédita revela a função do chifre do unicórnio dos mares

Estudo com a participação da Unifesp analisou espécie rara de baleia

Foto PesquisaNarval portal

Um estudo feito em colaboração entre a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Greenland Institute of Natural Resources (GINR), da Groenlândia, e a Arizona State University (EUA), publicado na Biology Letters, uma revista científica da Royal Society, analisou o que ficou conhecido como o unicórnio dos mares. Trata-se do narval, uma espécie de baleia (Monodon monoceros) que possui um chifre na cabeça que pode chegar até três metros de comprimento nos machos.

O chifre, na verdade, é um dente canino que cresce de forma exagerada. De acordo com o professor Alexandre Varaschin Palaoro, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva do Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF/Unifesp) - Campus Diadema, o dente atravessa a pele e fica exposto à natureza, podendo ser usado em diversas funções.

"O grande problema é saber quais são essas funções. O narval é um animal que não gosta de aparecer para as câmeras, passando boa parte da sua vida embaixo do gelo do Ártico. Portanto, fica difícil saber a função sem vídeos dos animais", explica Palaoro, que participou do trabalho.

Hipótese da reprodução

Muitos cientistas discutem se é uma estrutura usada para caçar, sentir o ambiente ou até brigar. O grupo de pesquisadores que realizou este estudo usou um conjunto de mais de 30 anos de coletas dessa espécie. Neste banco de dados, havia informações sobre o tamanho do animal, o tamanho do chifre e o sexo.

"Como machos são os principais portadores dos dentes, imaginamos que o dente tinha uma função sexual apesar do debate", destaca o professor.

Estudos em outros animais mostram que, se estruturas morfológicas possuem funções sexuais, a correlação entre o tamanho da estrutura e o tamanho do corpo será forte – mais até do que isso, a estrutura também será bem variável entre os machos.

"Com nosso conjunto de dados em mãos, testamos essa correlação entre o tamanho do dente e o tamanho do corpo. Para nossa surpresa, a correlação era muito forte: navais grandes possuem dentes muito maiores do que é esperado em uma correlação fraca. Além disso, é claro, a variação do dente também foi mais alta do que a variação em outras características desse animal, como a cauda, por exemplo", complementa Palaoro.

Desse modo, os pesquisadores demonstraram que o chifre do unicórnio é usado durante a reprodução. Provavelmente durante confrontos entre os machos ou para a seleção das fêmeas. Por um lado, os machos podem sinalizar para seus competidores “eu sou maior do que você”, havendo indícios de cicatrizes e alguns comportamentos que suportam essa hipótese. Por outro lado, as fêmeas podem preferir machos com chifres maiores, o que também é possível, mas precisa-se de mais informações para sabermos se isto é possível de ocorrer ou não.

 

Lido 825 vezes Última modificação em Quinta, 26 Março 2020 14:44

Mídia