Equipe Assessoria de Imprensa

Ex-Libris SP

Denis Dana 
Gerfesson Silva
Jayme Brener
Matheus Campos

Telefone: (11) 3266-6088, ramais 201 / 208 / 225
E-mail: imprensa@unifesp.br


 

Terça, 09 Abril 2019 14:25

Uso de smartphones durante refeição aumenta em 15% a ingestão calórica

Distração com leitura também impacta na quantidade de calorias consumidas

Por Denis Dana

Você é daqueles que não desgruda do celular nem na hora da refeição? Saiba que pode estar ingerindo cerca de 15% mais calorias por conta dessa distração. A informação é baseada num estudo conduzido pelo professor Luciano Pereira, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), de Minas Gerais (MG), em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O estudo foi realizado com 62 adultos jovens, entre 18 e 28 anos, de ambos os sexos, tanto com peso normal quanto com excesso de peso. A ingestão calórica foi comparada em três diferentes condições de refeição: sem qualquer tipo de distração, com uso de smartphone durante a alimentação e também com o uso da leitura.

Para cada condição, os voluntários foram avaliados em diferentes dias, sempre em cabines individuais, todos com as mesmas escolhas alimentares. Cada sessão de alimentação durava cerca de 40 minutos e os participantes comiam até manifestarem estar completamente satisfeitos. Uma sessão foi realizada sem qualquer distração, na outra os voluntários foram estimulados a usar seus smartphones com livre conexão de internet e, em outra sessão, recebiam um texto impresso que poderia ser lido enquanto comiam. A ordem dessas sessões era sorteada para cada participante.

“Os resultados e outros estudos do grupo mostram que quando prestamos atenção no alimento a ser ingerido, em seu sabor e textura, e mastigamos mais vezes, damos tempo ao organismo para assimilar e processar essas informações, preparando-o para a digestão e também influenciando o mecanismo de saciedade, o que, em última análise, nos faz comer menos. Do modo inverso, quando estamos distraídos, acabamos por aumentar a ingestão calórica total e de lipídeos”, explica Paula Castelo, professora associada do Departamento de Ciências Farmacêuticas do Campus Diadema da Unifesp e coautora do estudo.

O resultado acende um sinal de alerta para a saúde, independentemente do sexo e da idade, destaca a pesquisadora da Unifesp. “O uso de smartphone é rotineiro, faz parte de nossas vidas, ainda que todos nós saibamos os malefícios à saúde quando utilizado de forma exagerada, como acontece na hora da refeição, por exemplo. É preciso saber os momentos em que devemos nos desconectar”, diz Castelo.

A pesquisa reforça a importância de valorizar o momento da refeição, “sem dividi-lo com outros recursos ou atividades, seja com smartphones ou com leituras, para que o foco seja exclusivamente no alimento, na percepção do sabor e na mastigação adequada, melhorando o processo de digestão e favorecendo uma alimentação mais saudável”, conclui a pesquisadora.

 

Lido 2209 vezes Última modificação em Quinta, 11 Abril 2019 14:36

Mídia