Quinta, 08 Setembro 2016 09:28

Tratamento gratuito para malformação genital e bexiga hiperativa

Consultas, oferecidas pelo Departamento de Ginecologia, podem ser agendadas pessoalmente por meio de encaminhamento de serviços de saúde

Por José Luiz Guerra

O setor de Uroginecologia do Departamento de Ginecologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp) está com vagas abertas para pacientes portadoras de Malformação Genital e Bexiga Hiperativa. Pioneiros no Brasil, os atendimentos são gratuitos e dispõem de equipes multiprofissionais, que acompanham as pacientes desde o início do tratamento.

O professor titular do Departamento de Ginecologia da EPM/Unifesp, Manoel Girão, explica que o serviço de tratamento de Malformação Genital surgiu devido à observação de casos de crianças e adolescentes, pacientes do Hospital São Paulo, hospital universitário da universidade, que nasciam com alguma anomalia no aparelho reprodutor, tais como ausência de vagina ou útero e duplicidade destes órgãos, por exemplo. “Por esse motivo, formamos, treinamos e capacitamos um grupo de pessoas e hoje fazemos cirurgia de neovagina com altas taxas de sucesso, inclusive com casos de mulheres que engravidaram”. Claudia Takano, coordenadora do serviço de Malformação Genital, afirma que, devido ao fato do problema ser pouco comum, muitos profissionais da saúde ainda não sabem lidar com o problema. “Recebemos pacientes encaminhadas de médicos da Unifesp, mas muitos ginecologistas ainda desconhecem nosso ambulatório e as possibilidades de tratamento que oferecemos”, completa.

Já Raquel Arruda, coordenadora do setor de Bexiga Hiperativa, diz que o problema é bastante comum, atingindo cerca de 10% da população adulta, manifestando-se, caracteristicamente, com o avançar da idade em pacientes de ambos os sexos. Segundo ela, o tratamento é fundamental para a melhora da qualidade de vida das pacientes. “Elas fazem mentalmente o trajeto para saber aonde tem banheiro. Algumas delas chegam a sair de casa com uma sacola de roupa para poder se trocar”, explica. Tal comportamento se deve ao fato das portadoras dessa doença perderem urina involuntariamente. “Quando dá vontade de ir ao banheiro, ela já está perdendo urina e esvazia tudo o que tem na bexiga”, conclui.

As consultas podem ser marcadas pessoalmente no setor de Uroginecologia da EPM/Unifesp, localizado na Rua Loefgreen, nº 1570, Vila Clementino, São Paulo. Para a marcação, é necessária a apresentação do Cartão Nacional de Saúde e cartão azul do Hospital São Paulo, além do encaminhamento emitido por serviços de saúde. O serviço de Bexiga Hiperativa funciona às segundas-feiras, às 13h e o de Malformação Genital, às quintas-feiras, no mesmo horário. O telefone do setor de Uroginecologia é (11) 5576-4879.

 

Lido 8466 vezes Última modificação em Quarta, 22 Março 2017 11:08

Mídia