Terça, 01 Setembro 2015 13:36

GTP apresenta cronograma das próximas etapas das análises das ossadas de Perus

Comitês Gestor e Científico preveem finalização do processo de identificação para o primeiro trimestre de 2017

IMG 6268

No último dia 28 de agosto foi realizado no prédio da reitoria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), um encontro do Comitê de Acompanhamento do Grupo de Trabalho Perus – GTP, do qual fazem parte os comitês Gestor e Científico e parentes de mortos e desaparecidos políticos. O GTP trabalha na análise das ossadas encontradas em uma vala clandestina do Cemitério João Bosco, em Perus, dentre as quais acredita-se que possam estar os restos mortais de militantes desaparecidos na época da ditadura civil militar.

Na ocasião foram apresentados os resultados parciais, bem como o cronograma das próximas ações. Das 1049 caixas nas quais as ossadas estão armazenadas, 433 já estão no Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (CAAF), da Unifesp. Destas, 387 já foram analisadas e tiveram o perfil biológico determinado. A estudo dos restos mortais está sendo realizado por meio de parceria entre a universidade, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC).

O coordenador do Comitê Científico, Samuel Ferreira, apresentou o cronograma da próxima fase dos trabalhos. Entre a segunda quinzena de outubro e o mês de novembro, terá início a coleta de sangue dos familiares para o mapeamento do perfil genético. Para essa análise, serão necessárias de três a quatro gotas de sangue, e o procedimento é rápido e indolor. O material será transferido para o cartão de coleta, que facilita o armazenamento espacial e dispensa o uso de refrigerador, pois ele pode ser mantido em temperatura ambiente de 20°C a 30°C por até 30 anos.

Inicialmente serão priorizados os casos de familiares com idade avançada, ou em condições de saúde debilitada. No primeiro momento, também será feita a coleta de sangue de parentes cujos desaparecidos têm maior probabilidade de estarem entre as ossadas, que são Francisco José e Oliveira, Dimas Casimiro e Grenaldo de Jesus da Silva. Também serão levadas em consideração a localização e proximidade geográfica, de modo a otimizar recursos humanos e materiais.

Por conta da reforma estrutural do CAAF, iniciada no último dia 31 de agosto, a coleta das amostras ósseas dos restos mortais será realizada no departamento de anatomia da Unifesp e, após finalizadas as obras, elas deverão ser feitas no próprio centro. O material será encaminhado para um laboratório internacional para a análise, que tem até três meses para apresentar os resultados da comparação genética.

Toda coleta deve ser finalizada até março de 2016. O material será encaminhado para análise em até cinco lotes, contendo de 200 a 250 amostras. Todo o processo deverá ser finalizado até o primeiro trimestre de 2017.

 

Lido 5949 vezes Última modificação em Quarta, 06 Junho 2018 16:54

Mídia