Quinta, 01 Fevereiro 2018 11:17

Estudo da Unifesp identifica alterações cerebrais associadas a casos de depressão em crianças e jovens

As alterações podem ajudar a identificar jovens em risco para depressão antes mesmo do início dos sintomas

Um estudo feito a partir de exames de ressonância magnética do cérebro de crianças e jovens identificou que alterações da conectividade no circuito cerebral de recompensa foram associadas a casos de depressão após três anos de acompanhamento. As alterações foram encontradas em uma região no cérebro responsável por integrar e processar informações cotidianas sobre recompensas e motivação, chamado estriado ventral, o qual teve um papel significativo nos quadros de depressão antes do início dos sintomas.

Os resultados estão na tese de doutorado de Pedro Mario Pan, defendida no Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp), sob a supervisão do professor Rodrigo Bressan. O trabalho foi publicado no renomado periódico oficial da Associação Americana de Psiquiatria, o American Journal of Psychiatry.

Cerca de 750 crianças e jovens, com idade entre 9 e 16 anos, foram avaliados nas cidades de São Paulo e Porto Alegre. Além de avaliações psicológicas e psiquiátricas, eles realizaram exame de neuroimagem por meio de ressonância magnética, sendo que 90% (675) foram reavaliados três anos depois com a mesma metodologia. “Encontramos uma conectividade de característica diferente, aumentada ou mais ativada, no cérebro daqueles que desenvolveram depressão após três anos, o que contabilizou 53 indivíduos”, esclarece Pedro Pan.

Os resultados integram o maior estudo epidemiológico longitudinal em Psiquiatria da Infância e Adolescência já conduzido no Brasil, chamado de Projeto Conexão, que teve início em 2009. Ele conta com verbas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para o Instituto Nacional de Psiquiatria do Desenvolvimento (INPD), e envolve diversas universidades brasileiras, destacando-se a parceria tripartite entre a Unifesp, a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS).

"Se confirmados em estudos futuros, esses resultados podem ajudar a identificar jovens em risco para depressão antes mesmo do início dos sintomas. Identificar precocemente indivíduos em risco para os transtornos mentais mais comuns é passo inicial para alcançarmos a prevenção no campo da psiquiatria", ele diz.

Tema relevante e atual

De acordo com o pesquisador, a depressão é uma das principais causas de perda de anos de vida pelo prejuízo funcional dentre todas as doenças médicas. Estimativas apontam que uma em cada quatro pessoas apresentam um episódio depressivo durante a vida. Na adolescência, principalmente, as consequências dos episódios depressivos podem ser devastadoras, como bullying, autoagressão e até suicídio.

"Contudo, ainda sabemos pouco sobre os mecanismos biológicos cerebrais que causam a depressão nessa faixa etária”, pontua. “Alguns estudos anteriores já apontavam para desregulações no circuito cerebral de recompensa como um mecanismo implicado na depressão. Nesse sentido, um adolescente com depressão pode perder a vontade de fazer suas atividades e a capacidade de sentir prazer, sintomas centrais desse transtorno mental”, conclui.

CerebroRM
As conexões cerebrais que formam a rede do circuito da recompensa cerebral podem ser um potencial marcador precoce para a depressão na adolescência.

 

Lido 3784 vezes Última modificação em Sexta, 04 Maio 2018 13:33

Mídia

Pró-Reitorias

Unidades universitárias

Campi

Links de interesse