Segunda, 03 Fevereiro 2020 09:59

Diálogos que ultrapassam fronteiras

Laboratório de Políticas Públicas Internacionais da Unifesp é pioneiro no país

Entreteses117 laboppi

Imagens ilustrativas - Fotografias: Alex Reipert

Texto: Matheus Campos

Sentados à mesa para tomar café, chá e comer biscoitos, jovens universitários conversam descontraídos, em meio a alguns livros com títulos em inglês e planilhas expostas nas telas dos computadores em volta da sala. Enquanto conclui um trabalho que parece ser uma espécie de banco de dados, uma das estudantes lembra de ferver a água para fazer mais café. O ambiente, apesar de pequeno, é propositalmente acolhedor.

"Quando as pessoas pensam na ideia de laboratório, é natural visualizar recursos que são utilizados para experimentos de ciências biológicas e ciências exatas... um laboratório da área de ciências humanas é bem diferente", provoca Osmany Porto de Oliveira, docente e vice-chefe do Departamento de Relações Internacionais da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (Eppen/Unifesp) – Campus Osasco. É ele quem coordena o Laboratório de Políticas Públicas Internacionais (Laboppi), onde estudantes de graduação produzem e estimulam o diálogo entre academia e prática - sem deixar o café esfriar. 

Como começou?

Em maio de 2016, Oliveira organizou o Seminário Internacional de Difusão de Políticas, que foi realizado pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) em parceria com a Unifesp. O evento, que foi um sucesso, incentivou a discussão sobre a necessidade de se ter um laboratório de políticas públicas internacionais na universidade. "São duas áreas que cresceram de maneira separada. Por um lado Políticas Públicas, que busca entender o que ocorre dentro do Estado, e por outro Relações Internacionais, que olha para o que acontece fora do país", explica o coordenador.

Naquele ano, após algumas reuniões com outros professores do Departamento de Relações Internacionais, o projeto do Laboppi tomou forma na Eppen/Unifesp – Campus Osasco. É um dos primeiros laboratórios no país a estabelecer o elo entre as políticas públicas e as relações internacionais. O espaço de trabalho é compartilhado e foi criado com recursos da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, oriundos da Reserva Técnica para Infraestrutura Institucional de Pesquisa (RTI/Fapesp). "O Laboppi surge para dar uma resposta na Unifesp e no Brasil para essa questão que, apesar de muito recente por aqui, já possui avanços ao redor do mundo no que diz respeito, principalmente, à literatura acadêmica sobre políticas públicas globais", ressalta Oliveira. 

Além de ser um grupo de pesquisa com cadastro no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Laboppi funciona como um programa de extensão e inclui um programa de monitoria. Os encontros acontecem às quartas, entre 12h e 13h30, no período em que os estudantes não têm aula. Toda primeira quarta-feira do mês ainda ocorre o clube de leitura de políticas públicas internacionais, aberta também para o público externo. Os participantes debatem um tema e um livro dentro da área. As obras lidas fazem parte de um acervo criado a partir de doações de editoras acadêmicas. 

Atualmente, o grupo conta com 10 membros de diferentes semestres do curso de Relações Internacionais da Eppen/Unifesp – Campus Osasco. É possível integrar a equipe por meio de um processo seletivo, no qual os interessados devem enviar, por e-mail, uma carta descrevendo os motivos pessoais e profissionais que consideram relevantes para o projeto, juntamente com uma cópia do histórico escolar da graduação. 

Transferência de conhecimentos

Uma das frentes de trabalho do Laboppi é a análise de difusão internacional de políticas públicas, principalmente nas parcerias brasileiras com países da América Latina e da África Subsaariana. "Quando se trata de políticas sociais, o Brasil tem experiências importantes em termos de transferência de conhecimentos para outros países, um exemplo disso é o programa Bolsa Família", destaca Oliveira. Cada estudante escolhe um programa de políticas públicas nacional e um país para o qual foi feita essa difusão de experiências.

Diante das informações obtidas nas análises, os estudantes montam os bancos de dados para entender como funcionam as transferências. Os resultados desse processo são compilados em um documento chamado de Policy Briefing, que é um boletim de políticas públicas muito usado em organizações internacionais e não governamentais. “Trata-se de uma síntese, de cinco a sete páginas, para orientar tomadores de decisão sobre políticas públicas”, explica o coordenador. Esses documentos, que estão sendo concluídos, devem ser disponibilizados em formato digital e com linguagem acessível. 

A partir dessas investigações, Marina Vilas Boas Talietta, monitora do Laboppi, já sabe até qual será o tema do seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Estudante do 7º semestre do curso de Relações Internacionais, ela pretende aprofundar um trabalho que realizou no laboratório: uma análise e comparação do programa de transferência de renda condicionada e o programa de segurança alimentar para as Filipinas. “Fiquei encantada com a metodologia do professor Osmany, todos os aspectos que envolvem organização e operação me influenciaram em todo tipo de trabalho que faço na vida”, relata Marina. 

Outras experiências com o Laboppi também marcaram a vida acadêmica da estudante. Em maio de 2018, foi uma das organizadoras da Conferência Internacional sobre Difusão de Políticas e Cooperação para o Desenvolvimento, em São Paulo. No mesmo ano, participou também de um workshop em Brasília sobre o tema. Segundo Marina, a partir desses eventos, ela finalmente entendeu o que significa o diálogo entre academia e prática. “As vivências que o Laboppi possibilita são, inclusive, uma resposta às nossas reclamações anteriores de que o curso de Relações Internacionais tem muita teoria e pouca prática”, conclui. 

Entreteses118 Laboppi1 Equipe Por Matheus Campos

Equipe do Laboppi | Fotografia: Matheus Campos

Entreteses119 Osmany PremioEarlyResearcher Divulgação

Osmany Porto de Oliveira recebe o Prêmio Early Researcher, na 4ª Conferência Internacional de Políticas Públicas, em Montreal

O papel das agências internacionais

Um dos fundamentos do Laboppi é entender o papel das agências internacionais nas políticas públicas, como o Banco Mundial e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). “A OCDE globaliza normas, princípios e modelos de gestão pública para que os governos melhorem desempenho e eficiência de política pública”, explica Oliveira. 

“Assimilar esse conteúdo é de suma importância para os estudantes entenderem programas que impactam a sociedade”, complementa. A respeito do Banco Mundial, por exemplo, as discussões no clube de leitura realizadas no laboratório este ano abordaram o papel que a instituição tem nas reformas da previdência. “A partir do debate com os estudantes foi possível fazer uma comparação entre as reformas que ocorreram nos anos 1990, nos anos 2000 e o que ocorre no momento atual no Brasil, bem como uma análise de reformas da previdência implementadas em outros países”, sustenta Oliveira. 

Novas mídias

Cuidar das mídias digitais, convocar reuniões e organizar os trabalhos individuais de cada membro são algumas das atividades de Beatriz Sanchez dentro do Laboppi. Aos 18 anos, a estudante de Relações Internacionais vê sua experiência no laboratório como uma oportunidade, também, de evolução pessoal. "Eu tenho que fazer o papel de 'chata', fico cobrando, mas desenvolvo características dentro do meu perfil", conta Beatriz. 

A tarefa incumbida a Beatriz de atualizar, por exemplo, a página do Laboppi no Facebook, é uma das mais importantes do projeto. De acordo com Oliveira, as mídias digitais são elementos que possibilitam a difusão de conhecimento para a sociedade. "A geração à qual leciono aderiu ao conteúdo audiovisual e, com o mundo cada vez mais conectado virtualmente, o elo da população com o conteúdo gerado no universo acadêmico é por meio de publicações como podcasts e vídeos", analisa. 

No atual momento, além do Facebook, o Laboppi possui um site, uma conta no Youtube, uma página no Soundcloud e já tem planos para a inauguração de uma conta no Instagram, pois, segundo Oliveira, os estudantes estão muito mais conectados a esta rede social. Paralelamente, o grupo também monitora a Policy Diffusion, uma plataforma global de políticas públicas internacionais. A proposta é que o material produzido pelo Laboppi seja público e que possa ser utilizado por professores, estudantes, funcionários dos governos, membros de ONGs e demais interessados. 

Diálogos com várias esferas da vida

O Laboppi é uma iniciativa essencialmente interdisciplinar e multifacetada. Seja nas atividades presenciais, como seminários, palestras e oficinas, ou nas produções audiovisuais, como os vídeos e podcasts, Oliveira evidencia que "os estudantes são os protagonistas do projeto, com ampla liberdade para sugerir temas de seus interesses dentro da área para trabalhar no laboratório e levar para fora dele, sempre com o intuito de difundir conhecimento”. 

Pelo ponto de vista deles, é um espaço não só de produção científica, análise e pesquisa, mas também se torna um ambiente de amizade e acolhimento, em que mestre e aprendiz dialogam de igual para igual. “Não falava muito em sala de aula, por insegurança e timidez, já aqui, principalmente nos debates, eu me sinto totalmente à vontade, sem medo de julgamentos alheios”, conta a estudante Giovanna Vaz Ferreira. Para o coordenador, é importante que o ambiente seja receptivo, para que os estudantes possam treinar as expressões de ideias de maneira clara e articulada. 

O laboratório rendeu tanto que já está previsto para semestre que vem um documento bilíngue (inglês e português) com elementos norteadores para a difusão de políticas por meio da cooperação para o desenvolvimento, destinado para profissionais que atuam diretamente com o tema. É só um dos inúmeros projetos para estabelecer pontes entre a universidade e a vida, entre o Brasil e o mundo, entre os estudantes e a experiência profissional. E, é claro, tudo isso sem esquecer do café, do chá e dos biscoitos.

O que o Laboppi faz? 

  • Banco de dados 
  • Material didático, técnico e científico sobre políticas públicas
  • Produção de boletins
  • Realização de entrevistas
  • Gravação de vídeos e podcasts
  • Leitura e discussão de textos
  • Organização de seminários, workshops e conferências
  • Produção de documentos: relatórios e briefings
  • Visita de campo
  • Parceria com organizações
 
Publicado em Edição 12
Sexta, 31 Janeiro 2020 16:15

Sustentabilidade na ponta do lápis

O projeto de extensão Pacto Global Experience possui uma proposta ambiciosa: propagar os 17 objetivos apontados na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

Texto: Valquíria Carnaúba

Desenvolvimento sustentável é aquele capaz de suprir as necessidades da geração atual, garantindo a capacidade de atender as das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro. Essa definição surgiu na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas para discutir e propor meios de harmonizar três objetivos: o desenvolvimento econômico, o desenvolvimento social e a conservação ambiental. 

Fonte: WWF Brasil

Entreteses113 terra earth

O protagonismo da Unifesp na concretização dos objetivos que integram a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável no país adquiriu horizontes mais definidos com o projeto de extensão Pacto Global Experience (PGE), criado em 2018 a partir de uma parceria entre a Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (Eppen/Unifesp) – Campus Osasco e o Conselho Regional de Administração de São Paulo (Crasp). Coordenado por Liége Mariel Petroni, Dan Rodrigues Levy e Elisa Thomé Sena, docentes da Eppen/Unifesp, e por Clarice Kobayashi e Armando Dal Colletto, que integram o Grupo de Excelência do Pacto Global (CPG/Crasp), o PGE almeja contribuir com a consolidação dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e as 169 metas presentes no documento Agenda 2030, assinado em 2015 pelos 193 países signatários da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Petroni, Levy e Sena partem do pressuposto de que o tema sustentabilidade é a resposta para crises instituídas ou iminentes da sociedade contemporânea, sendo papel da universidade pública adotar uma postura ativa na propagação das metas estabelecidas – como, outras, a erradicação da pobreza, segurança alimentar, educação, saúde, energia, água, produção e consumo sustentáveis, meio ambiente e mudanças climáticas. De acordo com o projeto, a saída para esse desafio seria a construção de um repertório a partir da troca de saberes entre comunidade acadêmica e sociedade, viabilizada por uma dinâmica específica envolvendo ações internas (desenvolvimento de projetos por docentes, TAEs e discentes) e externas (parcerias com escolas, organizações privadas e públicas e a educação empreendedora em comunidades carentes). 

Petroni explica como isso está ocorrendo na prática. “A fase inicial, concluída no ano de 2019, consiste no envolvimento dos estudantes da Eppen/Unifesp com as questões centrais da Agenda 2030. É a etapa mais difícil, longa e importante do projeto, pois dela se forma a base para o desenvolvimento das ações conjuntas. Já a segunda fase, a das ações práticas, envolve o entendimento da necessidade de adoção dos princípios do Pacto Global e dos ODS e a preparação de porta-vozes para a propagação dessas questões na sociedade. Representa um período de intenso contato com a comunidade interna e externa à universidade”, explica Petroni. Essa etapa iniciou em agosto de 2019 com um cronograma de atividades que inclui o contato com as escolas públicas da região.

O principal trunfo dessa ação extensionista é propagar, no Campus Osasco e entre a comunidade local, a consciência da necessidade de formar cidadãos comprometidos com as dimensões social, política, ambiental, econômica e cultural das principais questões atuais. “É no desempenho de suas funções específicas de ensino, pesquisa e extensão que a universidade tem de pensar sua articulação com a sociedade. Nosso intuito é formar jovens empoderados que se tornem protagonistas dessa história, de modo a contribuir com a formação de uma agenda educativa pautada tanto na produção do conhecimento quanto nas questões afeitas pelas relações com a sociedade, indivíduo e natureza, no que se refere à escala local, global e planetária”, finaliza Petroni.

Entreteses114 PGE FOTO 2 Profa Liege

Reunião do grupo atuante no projeto PGE no Conselho Regional de Administração (CRA-SP)

Entreteses114 PGE Profa Liege

Visita técnica de parte da equipe ao Grupo Urakami - o encontro foi efetuado para que a empresa mostrasse como move sua produção de cogumelos, setor alimentício em que atua, com energia gerada exclusivamente a partir de placas fotovoltaicas

Entreteses114 grid global goals header

Os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

Liége Petroni, Dan Rodrigues, Elisa Thomé, Clarice Kobayashi e Armando Dal Colletto são unânimes ao afirmar que nos últimos anos, apesar dos importantes avanços acerca da conscientização da sustentabilidade no mundo inteiro, é visível uma frágil vontade política dos governos para a implantação de ações práticas nesse sentido. Conforme consta no projeto original, “essa fragilidade só se resolverá se houver um movimento conjunto entre governos, empresas, sociedade civil, escolas, igrejas e demais instituições. Afinal, se no passado os danos ambientais estavam limitados a determinada região, hoje, com o progresso técnico e internacionalização das economias, eles se tornaram um problema sem fronteiras territoriais”. Na tentativa de unir esforços para a solução de problemas sociais, ambientais e econômicos que se anunciam, 193 organizações signatárias do Pacto Global se comprometeram em 2015 a alcançar esses 17 objetivos:

1 • Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares;

2 • Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável;

3 • Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades;

4 • Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos;

5 • Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas;

6 • Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos;

7 • Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos;

8 • Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos;

9 • Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação;

10 • Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles;

11 • Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis;

12 • Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis;

13 • Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos;

14 • Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos  marinhos para o desenvolvimento sustentável;

15 • Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade;

16 • Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis;

17 • Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

Mais informações: www.agenda2030.org.br

 
Publicado em Edição 12

Equipe composta por docentes e estudantes do Campus Osasco encabeçou, em 2019, programa voltado ao desenvolvimento da economia alternativa em Osasco e cidades vizinhas

Entreteses111 EconomiaSolidaria

Uma das ações propostas pelo Escritório Popular de Iniciativas Sociais e Solidárias (Episs) é o apoio à agricultura familiar urbana. Em Osasco, essa forma de produção é representada pelas hortas cultivadas em diferentes pontos da cidade e assim designadas: Audax, Banco de Alimentos, Cantinho Verde, Caps, Cheirinho Verde, Chico Mendes, Estufa, Maná, Modelo, Simpatia e Vicentina / Mais informações em: www.osasco.sp.gov.br


Texto: Valquíria Carnaúba

De acordo com autores como o economista Paul Singer, economia popular solidária é uma expressão que caracteriza a resposta de determinados setores sociais à exclusão econômica. O popular e o solidário ganharam força por aqui, na década de 1990, como um caminho alternativo, por meio do qual seria possível alcançar a emancipação econômica com base em valores da democracia e da autogestão. Mais de vinte anos após a consolidação desse conceito no país, um grupo formado por docentes e estudantes da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (Eppen/Unifesp) - Campus Osasco, em parceria com integrantes de movimentos populares, lançaram mão de um programa de extensão totalmente pautado naquele princípio, denominado Escritório Popular de Iniciativas Sociais e Solidárias (Episs).

Coordenado por Flávio Tayra, professor do Departamento de Economia da Eppen/Unifesp, o escritório de economia solidária conta com a atuação dos docentes João Tristan Vargas, Ioshiaqui Shimbo e Alvaro Luis dos Santos Pereira e dos seguintes estudantes de graduação do curso de Ciências Econômicas: Letícia Felicidade, Matheus Montañola, Mateo Tanaka, Wilson Rodrigues e Amanda Oliveira Moreno. Inspirados pela dura realidade brasileira, em grande parte pautada pela desigualdade econômica e social, os idealizadores desse programa de extensão consideram-no uma ferramenta que pode favorecer o desenvolvimento de iniciativas acadêmicas que promovem a participação da população e cujas formas de organização incorporam características da economia solidária – ou seja, cooperação, autogestão, dimensão econômica e solidariedade. 

Dois projetos principais surgiram após a estruturação do Episs: o Programa de Fomento a Iniciativas de Desenvolvimento Social, Econômico e Ambiental, com o objetivo de implantar a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Unifesp junto à Prefeitura de Osasco; e o Acordo Unifesp - Consórcio Intermunicipal da Região Metropolitana Oeste de São Paulo (Cioeste), que visa reunir dados socioeconômicos de Osasco e municípios a oeste da região metropolitana de São Paulo (Araçariguama, Barueri, Carapicuíba, Cotia, Itapevi, Jandira, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba e Vargem Grande Paulista). 

As iniciativas que se vinculam ao Episs almejam, por um lado, beneficiar pessoas marginalizadas, isto é, que sofrem com renda insuficiente, baixa qualificação e oferta reduzida de vagas, fornecendo-lhes meios que propiciem melhorias relativas ao trabalho, remuneração e reconhecimento de direitos. Por outro, os projetos podem voltar-se para um público indiferenciado, cujo elemento comum é o interesse por formas de solidariedade, sustentabilidade econômico-ambiental e práticas culturais. 

De acordo com o coordenador, o programa existe há pouco tempo, mas já revela ótimas perspectivas. “Submetemos o projeto original do Episs a um edital de apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e obtivemos os recursos, que utilizamos para instalar o escritório. Além disso, em razão desse trabalho, firmamos parceria com a Prefeitura de Osasco, que nos convidou para integrar o Comitê de Gestão Solidária. No momento, estudamos como viabilizar e incrementar a introdução de itens da agricultura familiar na merenda escolar do município. Até dezembro, apresentaremos o resultado das ações deste ano, juntamente com um plano de base para sua continuidade”, relata Tayra.

O docente destaca, ainda, que o programa abriu portas aos estudantes Mateo Tanaka e Wilson Rodrigues, procedentes do Paraguai e de Cabo Verde (África), respectivamente, por meio do Programa de Estudantes - Convênio de Graduação (PEC-G), que oferece oportunidades de formação superior a cidadãos de países em desenvolvimento com os quais o Brasil mantém acordos educacionais e culturais. “Os convênios determinam o compromisso do aluno de regressar a seu país e contribuir para a área na qual se graduou”, explica.

Entreteses112 equipe

Entreteses112 Identificação de demandas2

O docente Flávio Tayra e as bolsistas Amanda Moreno (à esquerda) e Letícia Felicidade (à direita) coordenam os projetos atualmente vinculados ao Episs. O trio organiza atividades como o curso de extensão denominado Identificação de Demandas Sociais e Elaboração de Projetos de Economia Solidária, que foi também conduzido por Ioshiaqui Shimbo, professor visitante da Proplan

Programa de Fomento a Iniciativas de Desenvolvimento Social, Econômico e Ambiental

Esta vertente é a que foca mais especificamente a linha da economia solidária e atua em parceria direta com o Centro Público de Economia Popular e Solidária de Osasco, vinculado à Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão do município. Segundo Amanda Oliveira Moreno, bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), a intenção, no caso, é compreender melhor e disseminar a agricultura urbana dentro de um planejamento integrado. Além disso, o programa propõe-se subsidiar a formulação de políticas públicas específicas que colaborem para a implantação de cidades sob condições de vida mais adequadas e menos impactantes para o meio ambiente. “No decorrer do trabalho, serão mapeadas as experiências de agricultura urbana em Osasco, estudados os arranjos produtivos e administrativos internos dos empreendimentos e avaliados os impactos no entorno.”

Projeto de implementação do Acordo Unifesp - Cioeste

O acordo entre a Unifesp e o Consórcio Intermunicipal da Região Metropolitana Oeste de São Paulo (Cioeste) privilegia os estudos socioeconômicos – gerais e específicos – dos seguintes municípios: Osasco, Araçariguama, Barueri, Carapicuíba, Cotia, Itapevi, Jandira, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba e Vargem Grande Paulista. As áreas de maior interesse para as duas entidades são a economia local, a gestão municipal, as finanças públicas e as relações institucionais. Letícia Felicidade, bolsista do Pibic à frente desse projeto, explica que sua principal meta é mapear e analisar dados sobre educação, saúde, mobilidade urbana e outros tópicos referentes à população das cidades mencionadas. Para ela, trata-se de uma oportunidade para integrar o conhecimento teórico (que obtém nas aulas do curso de graduação em Ciências Econômicas) e a prática, com “pitadas” de solidariedade: “A ação torna-se importante por permitir questionar a realidade, as causas dos conflitos e as formas possíveis de intervenção, com maior participação popular. Não é uma opção fácil, mas estamos aprendendo e buscando caminhos para a ampliação do projeto”, afirma.

 
Publicado em Edição 12
Sexta, 31 Janeiro 2020 15:39

Pensar antes de gastar

Projeto da Eppen utiliza a Psicologia para promover educação financeira

Texto: José Luiz Guerra

Quem nunca passou em frente de uma loja e comprou alguma coisa sem pensar? Ou viu o anúncio de um produto na internet e, sem pestanejar, usou o cartão de crédito para adquiri-lo? Esse comportamento de consumo é a principal abordagem feita pelo Projeto sem Apertos: Psicologia, Juventude e Educação Financeira, projeto de extensão da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (Eppen/Unifesp) - Campus Osasco.

Criado em 2017, o projeto tem como objetivo propiciar aos jovens instrumentos e estratégias que os auxiliem nas tomadas de decisão econômica. Nesse contexto, tem especial relevância o tema da educação previdenciária, uma vez que essa atividade se debruça sobre aspectos comportamentais que fornecem indícios para a compreensão da dificuldade de realização de planos a longo prazo. Dessa forma, atua diretamente sobre aquele público, em especial nas escolas técnicas estaduais (Etecs) e escolas públicas de Osasco e regiões adjacentes. Desde sua implantação, cerca de 400 pessoas já foram beneficiadas por ele. 

O professor do curso de Ciências Atuariais da Eppen/Unifesp e coordenador do projeto, Celso Yokomiso, explica que a estratégia de ação se ampara nos fundamentos da Psicologia Econômica, sobretudo naqueles referentes aos processos de tomada de decisão, como as distorções de percepção e o papel do afeto nas escolhas econômicas; e na Psicologia Social, que se volta ao estudo das configurações sociais na construção de atitudes e pensamentos. “É um modelo de educação financeira que é menos difundido – o modelo descritivo, que busca entender como, de fato, as pessoas reagem diante dos eventos econômicos.” Em outras palavras, o projeto aborda a educação financeira, focando os aspectos comportamentais para que se possa lidar com o planejamento financeiro e os fatores de risco no consumo e no investimento.

O docente argumenta que um projeto de educação dessa natureza, que incorpore os elementos descritos, tem o intuito de reforçar a consciência das pessoas sobre suas fragilidades em termos de comportamento e sobre as dificuldades que são próprias aos que almejam ter uma vida financeira saudável. Tudo isso pode ajudar nas tomadas de decisão que envolvem o consumismo imediatista. “Pensar em ações de longo prazo exige todo um processo de educação e formação. Nossa tendência é a de realizar os desejos o mais rápido possível, e postergar essa realização exige bastante energia e disciplina”, completa.

Entreteses109 PsicologiaAtuarial

Durante a aula de Psicologia Atuarial, Celso Yokomiso explica a teoria que servirá de base às propostas dos alunos

Entreteses109 Projeto Sem Apertos

Alunos do curso de Ciências Atuariais expõem seus trabalhos

Entreteses109 Projeto Sem Apertos Etecs

Estudantes de uma das Etecs que participam do projeto assistem às apresentações

Entreteses109 Projeto Sem Apertos criancas

Crianças têm o primeiro contato com a educação financeira

Teoria e prática

Durante as aulas de Psicologia Atuarial, que fazem parte da grade de disciplinas do curso de Ciências Atuariais da Eppen/Unifesp, Yokomiso expõe a seus alunos a teoria que servirá de base à proposta a ser apresentada nas Etecs e em outras escolas públicas. Após breve explicação, os estudantes reúnem-se em grupos para discutir de que forma colocarão em prática os ensinamentos transmitidos em aula. 

Marcela Ginesta, do quarto termo do curso, é uma das estudantes que integra o projeto e, junto com os demais componentes de seu grupo, está elaborando uma atividade lúdica voltada para crianças. “Nós escolhemos trabalhar com crianças justamente por elas serem mais impulsivas e imediatistas; tentaremos, então, utilizar alguns conceitos estudados em aula.” Para ela, a extensão contribuirá para sua carreira acadêmica. “Quando explicamos alguma coisa aos outros, compreendemos melhor, pois colocamos em prática o que aprendemos na sala e na vida pessoal, o que é uma grande experiência. Você está se desenvolvendo, exercitando a habilidade de falar em público”, acrescenta.

Rodrigo Eiji, discente do curso de Ciências Econômicas, optou pela Psicologia Atuarial como disciplina eletiva. Além de se interessar pelo projeto, o tema o ajudou a mudar de ideia em relação à carreira acadêmica. “Fiz essa escolha porque, na verdade, queria mudar para o curso de Psicologia, mas, nesse caso, teria de prestar um novo vestibular. Quando analisei a grade curricular e identifiquei essa matéria, quis me inscrever.” Eiji afirmou que participar do projeto também o ajudará no desenvolvimento da comunicação e na interação com as pessoas.

Já Gabriel Pereira Alves, do curso de Ciências Atuariais, é bolsista do projeto e responsável pelo contato com as escolas nas quais os trabalhos serão apresentados. Seu grupo falará sobre planejamento financeiro para os jovens, relacionando-o ao envelhecimento, à universidade e ao intercâmbio. Para Alves, os projetos de extensão são essenciais para a interação com a comunidade. “Assim, podemos sair das quatro paredes da sala de aula e ter a oportunidade de não só aplicar os conhecimentos que adquirimos, mas também impactar a sociedade local e o entorno do campus. É por meio dessas pontes de contato que conhecemos a realidade das pessoas”, conclui.

 
Publicado em Edição 12
Sexta, 31 Janeiro 2020 15:14

Remodelando territórios

Diante da realidade do município de Osasco, marcada pelos contrastes sociais, a Unifesp tem apostado em parcerias que possibilitem ampliar suas fronteiras de atuação

Entreteses106 campus osasco eppen

Fotografia: Alex Reipert

Celso Yokomiso
Coordenador da Câmara de Extensão e Cultura do Campus Osasco

João Tristan Vargas
Docente do Departamento Multidisciplinar e representante do Eixo Multidisciplinar

A Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (Eppen/Unifesp) - Campus Osasco tem ampliado a cada ano suas atividades de extensão e cultura. Os professores dos Departamentos de Ciências Contábeis, Economia, Relações Internacionais, Ciências Atuariais, Administração e Multidisciplinar, juntamente com o qualificado corpo de técnicos administrativos e, sobretudo, com nossos queridos alunos, empenham-se em esforços integrados para fazer valer o papel da universidade ante a difusão de saberes e a inclusão social. 

A variedade de cursos no campus reflete-se em projetos e programas que se voltam a áreas como educação financeira, gestão de projetos, relações internacionais, sustentabilidade, economia solidária, direitos humanos, defesa econômica e processos educacionais. Esse enorme potencial de saberes vê-se desafiado pela realidade do município de Osasco e regiões adjacentes, em que bolsões de riqueza coexistem com extensos territórios urbanos castigados pela violência e falta de acesso a direitos básicos.

Diante do quadro referido, parcerias têm sido fomentadas, ampliando as fronteiras de atuação da universidade. Dentre elas, a parceria com o Consórcio Intermunicipal da Região Oeste Metropolitana de São Paulo (Cioeste), por meio da qual se buscará desenvolver desde projetos de capacitação profissional até ações de cultura e saúde; a aproximação com as escolas técnicas (Etecs) de Osasco e da região oeste do município de São Paulo; e a gestão de projetos em entidades socioassistenciais. O enfrentamento desses desafios também é marcado pela busca da inovação social, com especial atenção à participação popular e aos processos de emancipação. É o caso do Cursinho Popular Helena Pignatari, gerenciado pelos próprios universitários, que, para além das atividades pré-vestibulares, promovem discussões sobre cidadania com os integrantes do projeto.

Por meio desses movimentos e encontros, a Escola Paulista de Política, Economia e Negócios tece seu lugar no município de Osasco e em seu entorno. Fomenta um espaço que se pretende coletivo. E que convide a população a um “fazer” de mãos dadas, tendo como horizonte uma universidade cada vez mais democrática e sempre pública.

Campus Osasco • extensão em números:
13 programas e projetos de extensão
4 cursos de aperfeiçoamento e especialização
62 cursos de extensão e eventos
Dados de 2018
 
Publicado em Edição 12
Sexta, 31 Janeiro 2020 14:43

Códigos e corações abertos

O CodeLab-Unifesp reúne alunos e docentes dispostos a criar soluções em software, voltadas a organizações sociais sem fins lucrativos

Entreteses104 Codelab

Fotografia: Alex Reipert

Texto: Valquíria Carnaúba

O CodeLab-Unifesp começou em 2018, mas já encontra caminhos estimulantes a serem percorridos. Coordenado por Denise Stringhini, professora adjunta do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos, esse programa de extensão, cuja denominação é uma forma reduzida de Code Laboratory ou Laboratório de Código, reúne alunos e professores dispostos a criar unidades de software para a resolução de problemas oriundos de organizações de cunho social sem fins lucrativos. Com uma experiência de mais de 15 anos no ensino de Ciência da Computação, Stringhini afirma que a necessidade de proporcionar aos alunos um aprendizado baseado em fatos motivou a criação do CodeLab. “Por meio da metodologia challenge based learning (CBL), os alunos adquirem conhecimento e habilidades ao enfrentarem desafios reais de programação.” 

De acordo com a docente, o CodeLab surgiu a partir de uma demanda natural dos cursos de graduação do campus, em que a maioria das disciplinas ensina o desenvolvimento de software a partir de exercícios didáticos sem relação, muitas vezes, com o mundo real. “A ideia amadureceu com a participação dos alunos. Havia, no início, o Clube de Python, grupo formado para discutir a linguagem Python de programação, que já ensaiava intervir na resolução de problemas concretos”, complementa. 

Com a consolidação desse modelo de trabalho, os alunos encontraram a ponte necessária para dialogar com entidades externas à universidade. Se estas apresentam, por exemplo, falhas de gerenciamento de dados, são agendadas, desde o primeiro contato, reuniões para o mapeamento das fraquezas no campo da organização de dados. Os alunos dispostos a participar dos projetos são, então, orientados a se dividirem em equipes, cada uma envolvida com determinada feature, ou seja, com determinada funcionalidade a ser criada ou melhorada – etapa em que já é possível sanar diversos conflitos. O impacto social se dá desde a disponibilização do software, de natureza aberta e gratuita, até a transferência do conhecimento produzido a partir das tarefas desenvolvidas. 

Um dos desafios citados pela docente é conciliar a dinâmica dos trabalhos assumidos com a rotina universitária. “Com a rotatividade dos alunos, que se formam e dão lugar aos ingressantes, apesar de as metodologias de desenvolvimento serem inspiradas nas startups, a entrega dos projetos tende a atrasar”, pondera. Por isso, a equipe assumiu, até o momento, o atendimento de apenas duas organizações não governamentais: o Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Jair Jesuíno Trindade (Cedeca) e o Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário Queiroz Filho (Ibeac), os quais deram origem, respectivamente, aos projetos CodeLab - Cedeca e CodeLab - Ibeac.

Projeto CodeLab - Cedeca: formação de banco de dados

O Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Jair Jesuíno Trindade (Cedeca) é uma ONG sediada em São José dos Campos, que atua em parceria com a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, cuidando de processos encaminhados por esse órgão, quando a demanda supera a oferta de advogados na área. Inicialmente a parceria com o Cedeca visava a um trabalho voltado à estatística (número de processos atendidos, população-alvo e mineração de dados no Ministério da Justiça e Segurança Pública, mediante a utilização da linguagem Python). Apesar de possuírem computadores, tanto o encaminhamento quanto o atendimento eram registrados manualmente, o que, além de deixar os processos mais lentos, ainda acarretava conflitos: frequentemente, dois ou mais advogados assumiam o mesmo caso. Sem o apoio de um banco de dados digital – que está sendo desenvolvido pelo grupo do CodeLab – era comum haver duplicidade de processos.

Projeto CodeLab - Ibeac: implantação de rede social fechada

Criado em São Paulo, em 1981, o Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário Queiroz Filho (Ibeac) será a próxima entidade a ser atendida pelo Campus São José dos Campos. Trata-se de uma ONG que promove o fortalecimento de comunidades vulneráveis por meio da educação e defesa dos direitos humanos. Formada principalmente por mulheres que atuam em seis regiões de Parelheiros, desenvolve iniciativas como a biblioteca comunitária e o Centro de Excelência em Primeira Infância (Cepi). Em relação a este último, o grupo do CodeLab planeja a implantação de plataforma semelhante a uma rede social fechada, de fácil utilização e que permitirá o armazenamento de dados, somado à segurança digital dos usuários.

Entreteses105 DeniseStringhini

Denise Stringhini, professora adjunta do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos

www.facebook.com/CodelabUnifesp

 
Publicado em Edição 12

O programa Robótica sem Fronteiras ensina robótica e programação a jovens da rede pública e abre caminhos para o autoconhecimento vocacional

Entreteses101 OlimpiadaBrasileira de RoboticaOBR

Etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), realizada em São José dos Campos, em 18/08/19


Texto: Valquíria Carnaúba

Até dezembro deste ano, mais de 8 mil estudantes da rede pública de ensino de São José dos Campos (SP), com idade entre 7 e 15 anos, terão sido beneficiados pelo ensino de robótica, totalmente gratuito, oferecido pela Unifesp. Esses são alguns números apresentados pelo Robótica sem Fronteiras, programa de extensão do Campus São José dos Campos que tem feito enorme diferença na vida dos mencionados jovens. A iniciativa é fruto de uma parceria com a Prefeitura Municipal e o Instituto Alpha Lumen, entidade sem fins lucrativos, dirigida por sua fundadora, Nuricel Aguilera, que busca soluções de impacto social por meio de ações educativas. 

Todas as atividades desenvolvidas no âmbito do programa estão sob a responsabilidade do Forgers, grupo de robótica formado por alunos e docentes, cujo líder é Fabio Augusto Faria, professor adjunto do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos. Fundado em 2014 por Lucas Vecchete e Pedro Gaiarsa, alunos do curso de graduação em Engenharia de Computação, o Forgers nasceu com o intuito de difundir o ensino dessa técnica entre os frequentadores do campus universitário e membros da comunidade local. A iniciativa deu tão certo que, em curto espaço de tempo, o grupo cresceu, assumiu novas tarefas e constituiu o Robótica sem Fronteiras, coordenado, desde 2015, pelo mesmo docente. 

O programa em questão promove a difusão da robótica e, por consequência, da computação, eletrônica, mecânica e física, atuando em três frentes de trabalho. Uma delas é o treinamento de alunos da rede pública do município por meio do projeto de extensão denominado Treinamento para Olimpíada de Robótica (TOR). As outras duas consistem na preparação de estudantes universitários para campeonatos de robótica e no planejamento e execução de eventos e oficinas abertos à comunidade. “O Arduino Day e a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) são alguns dos eventos de interesse de nosso programa”, explica Faria.

Por meio da parceria com a Prefeitura Municipal, 50 vagas são anunciadas nas escolas públicas da região todos os anos. Durante o curso, realizado de fevereiro a dezembro, os alunos e seus responsáveis devem cumprir determinadas exigências, como a participação em reuniões e avaliações. O esforço compensa: os jovens recebem certificados ao final de cada ano e, dependendo do desempenho, têm as portas abertas para novas experiências. “Há alunos que, após o aprendizado, seguiram para o curso técnico de Mecatrônica, e esse despertar de vocações também se configura como nossa missão”, relata. 

Entreteses102 oficina robotica

Entreteses102 oficina robotica2

Estudantes de robótica participam de oficina de planejamento e montagem de robôs em 2019 / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses102 Competicao regional OBR 2018

Competição regional da OBR 2018, realizada em São José dos Campos, da qual participaram 60 equipes da região do Vale do Paraíba

Entreteses102 competicao OBR etapa estadual

Jovens das EMEFs Possidônio José de Freitas e Prof.ª Mercedes Carnevalli Klein, que cumpriram o programa de extensão em 2018, quando se classificaram para a competição da OBR na etapa estadual

Entreteses102 primeiro grupo classificado estadual

Equipe Pegasus, orientada pelos docentes (da esq. para a dir.) Carlos Oliveira (Inst. Alpha Lumen) e Fabio Faria, além dos universitários Rafael Fernandes (terceiro à esq.) e Everton Coelho (primeiro à dir.), com os estudantes da EMEF Prof.ª Homera da Silva Braga, em preparação para a fase regional da OBR 2017

Tudo começa com uma semente

Após a instalação do campus da Unifesp em São José dos Campos, em 2007, foi firmado um termo de cooperação técnica entre a universidade e a Prefeitura, visando à realização de ações conjuntas para a promoção do desenvolvimento tecnológico e a capacitação e educação de jovens. Com o caminho aberto, Faria apresentou à administração municipal o projeto de ensino de robótica. “Em 2016, solicitei uma sala e computadores; os materiais utilizados foram fornecidos pelas coordenações dos cursos de Ciência da Computação e Engenharia de Computação. O número de candidatos que atendeu ao anúncio das vagas superou nossas expectativas e, em menos de uma semana, as 50 vagas oferecidas foram preenchidas por alunos de 18 escolas diferentes da cidade”, comemora o docente. 

Faria conta que, após a formação da primeira turma, o Forgers idealizou um passo mais ousado: inscrever os aprendizes na etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica de 2017. A aposta mostrava-se acertada, mas os percalços surgiam pelo caminho. “No início de 2017, precisamos transferir o local de treinamento para a Unidade Talim, sem infraestrutura adequada para essas atividades. Ainda assim, os estudantes, muito animados, continuaram a participar do curso, todos os sábados pela manhã. Alguns moravam em bairros mais afastados e chegavam a acordar às 6h para comparecer às aulas. O apoio da Prefeitura, nesse sentido, foi muito importante ao oferecer o café da manhã aos jovens. Apesar de todos os desafios enfrentados, conseguimos classificar uma equipe para a etapa estadual da OBR. Para nós, foi uma grande conquista, pois até então nenhuma escola municipal conseguira tal feito”, relembra.

Após firmar parceria com o Instituto Alpha Lumen (IAL), sediado em São José dos Campos, o Forgers ajudou a levar às ruas do município o Robotruck, um laboratório itinerante de robótica cuja finalidade é realizar oficinas de montagem de robôs. Por meio dessa ação, o programa de extensão avançou, compondo a Liga de Robótica do Vale do Paraíba junto a outras entidades e instituições, como o SJC Hacker Clube, Equipe Uai!rrior de Robótica (Universidade Federal de Itajubá - Unifei) e Universidade do Vale do Paraíba (Univap). “Nessa carreta, passamos a levar conhecimentos de robótica básica às escolas da cidade. No trajeto, ministrávamos oficinas, com duração de duas horas, no intuito de despertar o desejo de aprender em quem já mostrava vocação para a área.”

O Robótica sem Fronteiras pode, hoje, ser considerado uma iniciativa que vai muito além do aprendizado extraescolar. Oferece uma oportunidade única para os alunos desenvolverem aptidões como raciocínio lógico, criatividade e trabalho em equipe. O coordenador do programa presencia, além disso, outros reflexos positivos, como a elevação da autoestima e até mesmo o despertar da noção vocacional. “Ao longo do curso, avaliamos diferentes qualidades como liderança, proatividade e execução de tarefas em tempo preestabelecido. Dividimos os aprendizes em grupos e observamos quais são os que gostam de montar os agentes robóticos e quais são os que preferem codificar os programas que irão controlar os robôs. Fazemos também diversas brincadeiras, como premiar com chocolates as equipes que conseguem executar determinada tarefa. Tudo se transforma em uma grande diversão, quando os jovens aprendem a lidar com as pressões de forma descontraída. Mostramos a eles que a Unifesp está mais perto do que imaginam, e isso é muito positivo”, finaliza.

Chance de Ouro

Sobre as atividades lúdicas de aprendizagem, desenvolvidas com alunos das escolas públicas municipais, mediante parceria com o Instituto Alpha Lumen, Faria conta que um dos componentes da primeira turma (2016) destacou-se por seu desempenho. Gabriel Santos Gonçalves, que é estudante do 9° ano do Instituto Alpha Lumen, conquistou uma bolsa na instituição de ensino após concluir o treinamento no Robótica sem Fronteiras, em 2017. Hoje, com 14 anos, coleciona mais uma vitória: a medalha de ouro da fase regional da Olimpíada Brasileira de Robótica de 2018. “Eu já havia concorrido na OBR 2017, porém não obtive sucesso. Então, decidi me dar outra chance. Confesso que, no início, fiquei deslocado, porque todos faziam muito bem suas tarefas, e eu não sabia se era capaz de alcançar os demais da minha equipe. Foram alguns meses de trabalho e estudo, e a adrenalina de entrar novamente na competição corria nas veias. Minha participação na OBR iniciou-se quando ainda fazia parte do programa Robótica sem Fronteiras, nos anos de 2016 e 2017. Em 2018, já no Instituto Alpha Lumen, obtivemos o primeiro lugar no pódio da fase regional da OBR e nos classificamos para a etapa estadual daquele mesmo ano. Toda essa correria me trouxe um grande aprendizado: cada desavença era uma nova lição. Consegui mudar meu ponto de vista sobre como agir em determinadas situações. Hoje consigo compreender melhor as pessoas e sei como agir nesses momentos.”

Entreteses103 GabrielSantosGoncalves

www.facebook.com/treinamentoparaolimpiadaderobotica

Artigo relacionado:
AGUILERA, Nuricel V.; FERREIRA, Luiz G. L. C.; DIAS, Luiz H. M.; FARIA, Fabio Augusto. Projeto Robótica e Cidadania: Robotruck. São José dos Campos, SP: Instituto Alpha Lumen, [ca. 2015]. Disponível em: https://www.academia.edu/24500962/Projeto_Rob%C3%B3tica_e_Cidadania_ROBOTRUCK . Acesso em: 16 ago. 2019.

 
Publicado em Edição 12
Sexta, 31 Janeiro 2020 13:44

Um museu que inspira o futuro

Parque de Ciência e Tecnologia, instalado no Campus São José dos Campos, recebeu cerca de mil visitas desde sua inauguração

Entreteses097 Parque de Ciencia e Tecnologia

 

Texto: Valquíria Carnaúba

Há coisa melhor do que aprender experimentando? Essa é uma das propostas do Parque de Ciência e Tecnologia, instalado há pouco mais de cinco anos no Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos. Criado em 2014 para promover a divulgação de experimentos científicos e tecnológicos, de caráter interativo e interdisciplinar, o espaço já recebeu mais de mil pessoas, entre alunos, professores, funcionários e público externo, desde o início de seu funcionamento. Com financiamento concedido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), entre os anos de 2014 e 2017, o que era para ser um projeto transformou-se em programa de extensão. Por ter atingido objetivos mais amplos, como a divulgação do trabalho realizado no ICT/Unifesp e a popularização da ciência e da tecnologia, permanece até hoje com as portas abertas ao público, embora conte com o suporte exclusivo da comunidade acadêmica. 

A ação extensionista desenrolou-se há cinco anos, a partir da união de sete subprojetos, gerenciados por diferentes equipes de professores responsáveis, cada qual dentro de sua área de atuação: Integrando as Neurociências Cognitivas; História do Computador; Ovo de Colombo de Tesla; Moléculas e suas Propriedades; Ilustrando Conceitos Físicos e Matemáticos; Conjunto de Experimentos em Realidade Aumentada (Cera); e Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária (Netes) Itinerante: Caminhos para CT&I e Sustentabilidade. Atualmente, o Parque de Ciência e Tecnologia encontra-se instalado no andar térreo do ICT/Unifesp e divide-se em duas partes: a interna, com 92 m², delimitada por divisórias de octanorm, onde estão dispostas mais de 20 atrações, e a externa, um hall de exposição de 20 m² com itens variados – de máquinas de escrever antigas a cartões perfurados, precursores da memória usada em computadores.

O espaço foi inspirado em outros museus de ciências, como o Catavento Cultural (São Paulo), Sabina - Escola Parque do Conhecimento (Santo André) e Museu da Ciência Prof. Mário Tolentino (São Carlos). Seu conteúdo é especialmente aproveitado por estudantes do ensino fundamental e médio, pois envolve conceitos de física, química, biologia e computação, instigando os visitantes a compreender o funcionamento dos aparatos de forma mais aprofundada. No início de suas atividades, o museu era coordenado por Ana Carolina Lorena, ex-professora associada e orientadora permanente de programas de pós-graduação do campus (hoje no Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA), e contava com o suporte de bolsistas atuantes na monitoria. Hoje, está sob a responsabilidade da Câmara de Extensão e Cultura (Caec), com Claudio Shida, coordenador do bacharelado interdisciplinar em Ciência e Tecnologia (BCT), à frente do desafio de manter ativo o espaço. 

Após a criação do Parque de Ciência e Tecnologia, outras iniciativas semelhantes começaram a surgir na cidade, a exemplo do Museu Interativo de Ciências Casa do Saber Marechal Aviador Casimiro Montenegro Filho. “Durante todo o processo, fui-me aproximando de pessoas que estavam envolvidas com esse tipo de divulgação científica em São José dos Campos. Roberto Stempniak, professor aposentado do ITA e coordenador do projeto Ciência no Parque, foi uma delas. A cada 15 dias, Stempniak vai ao Parque Vicentina Aranha, de forma voluntária, explicar experimentos científicos. No fim, todo o mundo se encontra, formando uma rede de auxílio mútuo”, relata Lorena.

Outro exemplo de parceria possibilitada pela rede de apoio é a exposição itinerante Plataforma Zebrafish, idealizada por Mônica Lopes Ferreira, do Instituto Butantan (órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde), e sob responsabilidade de Katia Conceição, coordenadora do Bacharelado em Biotecnologia do ICT/Unifesp. Conforme observa Luciane Capelo, professora adjunta do campus e atual coordenadora da Caec, o painel montado no quarto andar do instituto traz detalhes sobre o zebrafish, um peixe de aquário da espécie Danio rerio, de pequenas dimensões, também conhecido como Paulistinha. O painel veio para o museu do ICT após um concurso entre diversas instituições do Brasil e fez parte, por muito tempo, de uma exposição no Instituto Butantan. “Fechamos parcerias com quem já tem o material. Dessa forma, expandimos a visita ao parque para o campus todo, mobilizando mais pessoas, difundindo o conhecimento e encantando todos os que adentram a universidade aqui em São José dos Campos”, complementa. 

Entreteses098 bolsistaKevinMatsuoka de Almeida

Entreteses098 augmented reality sandbox

O bolsista Kevin Matsuoka de Almeida, estudante do ICT/Unifesp, monitora as visitas ao Parque de C&T. O espaço conta com diversas atrações, como o augmented reality sandbox, aparato composto por um software que projeta linhas topológicas em elevações de uma caixa de areia / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 globo de plasma

As atrações globo de plasma / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 associacao de polias

Associação de polias / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 docentes

As docentes Luciane Capelo e Ana Carolina Lorena, junto ao diretor do Campus São José dos Campos, Horacio Hideki Yanasse / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 tabela periodica

Capelo mostra a tabela periódica interativa, exposta no Parque de C&T / Fotografia: Valquíria Carnaúba

“O Parque de Ciência e Tecnologia é isso: um espaço em que o jovem entra e brinca. Queremos fomentar nele o instinto de investigação, e aqui é o local seguro para essa exploração.”

Luciane Capelo

Espaço para experimentar e brincar

Durante a visita da reportagem, um dos estudantes que interagiam com os dispositivos em exibição tentou carregar o celular encostando-o no globo de plasma – esfera de vidro no interior da qual são emitidas descargas elétricas que provocam a excitação e a ionização de átomos do gás contido nesse espaço. Parece absurdo? “O inventor sérvio-americano Nikola Tesla, conhecido por suas contribuições revolucionárias no campo do eletromagnetismo, queria resolver a eletricidade sem fio”, provoca Lorena. Capelo complementa. “Isso é legal. O estudante observou a energia e testou no mesmo instante. É o que o cientista faz: observa o que parece impossível em certo momento, estabelece um controle e experimenta. Pode ser que esse observador, futuramente, procure saber mais sobre como funciona o celular dele, sobre a geração de energia ou sobre o próprio Tesla. E aí começa a identificação: quando o jovem tenta entender aonde o cientista chegou e aonde ele próprio pode chegar. A exposição atinge os visitantes por meios que não conseguimos dimensionar.” 

O Parque de Ciência e Tecnologia mantém estreita relação com o ensino de graduação e pós-graduação, dando visibilidade à produção acadêmica de docentes e discentes. Há experimentos que abordam conceitos avançados nas ciências, possibilitando que os próprios professores se coloquem à disposição do público para explicá-los: é o caso da bobina e do ovo de Colombo de Tesla. Para Lorena e Capelo, o atual desafio é encontrar formas de efetivar a manutenção dos equipamentos instalados no espaço, pois as peças sofrem desgaste, um problema de que todo parque tecnológico, todo museu compartilha. Ambas afirmam que, se uma das atrações sofrer danos, a recuperação desse item virá (com sorte) do projeto específico de alguma disciplina.

Como o financiamento do CNPq durou quatro anos e, após 2017, não foram mais publicados editais específicos para a construção de museus e centros de ciência, o Parque de Ciência e Tecnologia mantém sua qualidade graças ao apoio dos docentes e dos próprios alunos. “Estes, durante o trabalho de monitoria, cultivam a proatividade, autoconfiança, senso de pertencimento e capacidade de comunicação e gerenciamento de pessoas – habilidades muitas vezes não desenvolvidas em sala de aula. A boa formação propiciada pela Unifesp se dá nessa conexão do conhecimento teórico de excelência com a prática. Aqui, estabelecemos relações próximas, afetuosas, que têm como base a formação científica”, ressalta Capelo. 

O agendamento de excursões – para os interessados – passa longe da burocracia. “As escolas entram no site, preenchem o formulário de contato e enviam as informações necessárias, tais como nome da escola e data da visita”, finaliza Lorena.

Entreteses099 grafitesVespa

O Parque de Ciência e Tecnologia destaca-se também pela arte. Internamente, suas divisórias exibem grafites de ícones científicos (vide acima), concebidos e executados pelo artista plástico Vespa (Claudinei Oliveira), renomado grafiteiro de São José dos Campos

Entreteses099 biografiasCientistas

Na parte externa, foram adesivadas pequenas biografias de grandes cientistas (inclusive brasileiros), ligados às áreas abordadas pelos subprojetos

parquectict.sites.unifesp.br

www.facebook.com/pctict

 
Publicado em Edição 12
Sexta, 31 Janeiro 2020 11:17

Agora elas podem brincar!

O programa de extensão Mao3D, com foco na reabilitação infantil, já atendeu 13 crianças no país, número que pode crescer nos próximos anos a partir de parcerias

Entreteses093 mao3D

Fotografia: Alex Reipert
 

Texto: Denis Dana
 

João Vítor, oito anos, morador do interior de Rondônia. Raquel, sete anos, moradora de Manaus (AM). Ele, em razão de uma infecção, perdeu parte dos membros superiores e inferiores. Ela nasceu com malformação no braço em consequência de uma síndrome genética rara. O encontro das histórias de superação e transformação de João e Raquel se dá na Unifesp, precisamente no Laboratório de Órteses e Próteses 3D do Grupo de Pesquisa Biomecânica e Forense do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos. Nesse laboratório funciona o Mao3D de Protetização e Reabilitação de Amputados, programa de extensão que, com ciência e tecnologia, promove uma ação de relevante impacto social, tornando realidade o sonho de uma vida mais inclusiva.

Idealizado em 2015 por Maria Elizete Kunkel, professora de Engenharia Biomédica, que desde então coordena o programa, o Mao3D nasceu com foco na reabilitação de crianças. Seu modelo foi inspirado no trabalho desenvolvido pela ONG norte-americana E-Nable, que fabrica e disponibiliza próteses de mão feitas por impressão 3D, recuperando pacientes por todo o mundo. “Decidimos focar o público infantil justamente para amenizar o vácuo deixado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nesse tipo de atendimento”, ressalta Kunkel. No Brasil, o sistema de saúde pública geralmente não fornece próteses de membro superior para essa faixa etária, sob a alegação de que, além de caras, são utilizadas por pouco tempo, uma vez que as crianças crescem rapidamente.

As peças são fabricadas de acordo com o tipo de amputação e fixadas ao braço com velcro, sem componentes eletrônicos, o que torna a produção barata e simples. A prótese é feita em uma impressora 3D de baixo custo, utilizando-se aproximadamente 300 gramas de um filamento plástico. De acordo com Kunkel, a movimentação da prótese obedece ao movimento do punho ou do cotovelo, em um processo semelhante à ação dos tendões da mão. Assim, ao dobrar o punho ou o cotovelo, a criança consegue flexionar os dedos pelos fios.

Entreteses094 doacao

Marco para o Mao3D

Das 15 próteses desenvolvidas pela equipe nos quatro anos de atividade, 13 destinaram-se a atender a um anseio infantil, como o de João Vítor, que sonhava em brincar com bola, e o de Raquel, que desejava participar das aulas de educação física com seus colegas de escola. Essas histórias representam um marco para o programa Mao3D: após a produção das peças, a equipe aperfeiçoou procedimentos e iniciou uma nova fase, com a utilização da telemedicina para a aquisição dos parâmetros da criança, o que permite – portanto – efetuar o atendimento remoto.

“Para isso, desenvolvemos um protocolo que nos possibilita realizar a entrevista inicial, as medições necessárias por meio de fotografias e projeções de imagem com o uso de um programa de computador e a consulta psicológica, até culminar na entrega da prótese e na reabilitação”, explica a coordenadora. A evolução do atendimento fez com que o programa se expandisse para outras regiões do país. Atualmente, o grupo desenvolve duas peças destinadas a crianças de Minas Gerais.

Equipe apaixonada e comprometida

Atualmente, o Mao3D atende um paciente por mês. O ciclo completo, que engloba a escolha do paciente, medições iniciais, produção e entrega da prótese, eventuais ajustes na peça, acompanhamento psicológico e reabilitação, demora cerca de quatro semanas. Para realizar todo esse complexo processo de readaptação individual, Kunkel conta com parceiros, como a psicóloga Sandra Rodrigues e uma equipe formada por 25 alunos, apaixonados e comprometidos com o projeto.

Israel Toledo Gonçalves, 45 anos, é um dos estudantes do programa de mestrado profissional interdisciplinar em Inovação Tecnológica do ICT/Unifesp e integrante do Mao3D há quatro anos. “Cheguei aqui movido pela curiosidade em saber como era abordada a questão da tecnologia assistiva que utiliza a impressão 3D e como esta era empregada na reabilitação de pessoas. Sigo totalmente envolvido no projeto e em sua valiosa missão de integrar conhecimento, ciência e tecnologia para fazer o bem. É incrível experimentar essa capacidade de transformação que o programa viabiliza. Com tecnologia e expertise, atendemos pessoas sem condições financeiras e, por meio da reabilitação, conseguimos inseri-la na sociedade. Isso não tem preço”, destaca Gonçalves.

Outra estudante do mesmo programa de mestrado que integra a equipe e faz coro a Gonçalves é Tainara dos Santos Bina, 24 anos. “Trata-se de um projeto extremamente significativo, com forte impacto na sociedade. Afinal, para a maioria de nós, lavar o rosto, escovar os dentes e pentear o cabelo são tarefas rotineiras que fazemos automaticamente. Porém, para quem não tem uma das mãos, são tarefas inviáveis. Com a nossa contribuição, tais ações tornam-se parcialmente possíveis, o que faz toda a diferença na vida dessas pessoas.”

A empolgação e o brilho nos olhos dos mais velhos também motivam os recém-chegados à universidade. Rodrigo Costa Ribeiro, 20 anos, cursa o segundo ano do bacharelado em Ciência e Tecnologia e pretende seguir a área de Engenharia Biomédica. “Minha grande motivação ao fazer parte desse grupo está relacionada não apenas ao desejo de ser cientista, que me acompanha desde a infância, mas também à intenção de dar uma contribuição social. Acredito ser fundamental que a universidade confira a seus projetos de extensão um caráter social. É uma forma de devolver à sociedade todo o conhecimento gerado aqui dentro. É exatamente o que acontece no caso do Mao3D.”

Entreteses095 equipe Mao3D

Integrantes da equipe do Mao3D / Fotografia: Alex Reipert

Entreteses095 Raquel

Raquel, orgulhosa com as novas possibilidades, depois de receber a prótese / Fotografia: Mao3D

Entreteses095 Joao Vitor

João Vitor, acompanhado por parte da equipe do Mao3D: (da esquerda para a direita) Israel Toledo Gonçalves, André Mendes e a professora Maria Elizete Kunkel, idealizadora do Mao3D / Fotografia: Mao3D

Programa em crescimento

Enquanto trabalha para ampliar a produção e o acesso às próteses, agregando voluntários e parceiros à equipe, o programa Mao3D serve de modelo a outros tipos de tecnologia assistiva. Já estão em fase de produção próteses de orelha e de nariz feitas de silicone, além de peças removíveis para o quadril, que podem substituir o gesso no tratamento de displasia.

“Essa expansão é o resultado natural da dedicação com que a equipe atende cada criança, desenvolvendo a prótese de acordo com as respectivas necessidades e desejos”, celebra Kunkel.

Hoje, o Mao3D é referência na atividade – cada vez mais sofisticada – que executa. Constantemente é procurado por entidades internacionais, como as da Índia, Indonésia, Angola e África, interessadas em compreender a complexidade envolvida em todo o processo descrito, desde o atendimento inicial, feito a distância, até a adaptação da criança a uma vida repleta de novas possibilidades.

Entreteses095 Protese

Prótese, simples e eficiente, produzida pelo Mao3D / Fotografia: Alex Reipert

 

www.facebook.com/Mao3D

www.instagram.com/mao3d_unifesp

 
Publicado em Edição 12

Os 24 projetos e programas vigentes no Instituto de Ciência e Tecnologia convergem para temas como educação inclusiva, tecnologia, meio ambiente, igualdade de gênero e saúde e bem-estar

Entreteses090 campus sao jose dos campos ICT

Fotografia: Alex Reipert

 

Luciane Portas Capelo
Coordenadora da Câmara de Extensão e Cultura do Campus São José dos Campos

Denise Stringhini
Representante suplente da Câmara de Extensão e Cultura do Campus São José dos Campos

O Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos, foi implantado em 2007 em razão da inegável vocação científica e tecnológica do Vale do Paraíba. Assim como em outras cidades grandes, a comunidade de São José dos Campos enfrenta desafios tecnológicos, econômicos, sociais e ambientais advindos de seu crescimento. O ICT/Unifesp se insere nesse contexto com o objetivo de contribuir para mitigar ou sanar problemas da comunidade, por meio da pesquisa, do ensino e da extensão.

A Câmara de Extensão e Cultura (Caec) do ICT/Unifesp teve sua primeira ata lavrada em novembro de 2011. A partir daí se iniciou um árduo trabalho no campus para que fosse criada uma cultura extensionista que dialogasse verdadeiramente com a comunidade. Vale destacar aqui o programa denominado Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária (Netes), em atuação desde 2014, que assim como outros projetos e programas voltados à educação e tecnologia social, auxiliaram na estruturação da extensão universitária local e na criação da cultura extensionista junto a docentes, discentes e técnicos administrativos em educação (TAEs). Desde então, a quantidade de projetos, programas, eventos e demais ações extensionistas só cresce. O projeto de criação de uma identidade institucional do Caec, realizado em 2017, favoreceu grandemente a compreensão e difusão dos conceitos extensionistas no campus, constituindo um marco no desenvolvimento do ICT/Unifesp e na formação dos nossos estudantes. Esses, nos últimos anos, consolidaram sua participação como atores principais das ações interdisciplinares, educativas, culturais, científicas e político-tecnológicas e passaram a promover uma interação transformadora entre a universidade e seu entorno.

Mais de 24 projetos e programas estão hoje vigentes no ICT/Unifesp. São temáticas comuns a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, a tecnologia e meio ambiente, a igualdade de gênero e desenvolvimento feminino, e a saúde e bem-estar. Temos ainda muito fôlego e coragem para seguir na extensão universitária, que agora será curricularizada. A integração com a pesquisa e com os programas de pós-graduação começa a se intensificar. Que venham os próximos anos, os próximos desafios. Não sabemos como será a universidade do futuro, mas podemos assegurar que o ICT/Unifesp se coloca à frente desse movimento, promovendo educação abrangente, democrática e de alta qualidade para o desenvolvimento sustentável da comunidade onde se insere.

 

Campus São José dos Campos • extensão em números:
24 programas e projetos de extensão
26 cursos de extensão e eventos
Dados de 2018
 
Publicado em Edição 12
Página 1 de 31