UNIFESP

Psiquiatria na prática médica  

Órgão Oficial do

Centro de Estudos - Departamento de Psiquiatria - UNIFESP/EPM

editorial

artigo original

especial

atualização

agenda

instrução aos autores

equipe

outras edições

O mito da cefaléia psicogênica
Tratamento farmacológico da depressão no idoso cardiopata

Terapia de reposição hormonal em mulheres na pós-menopausa
Jogo patológico: caracterização e tratamento

 

Psiquiatria Psiquiatria

Jogo patológico pode ser definido pela persistência e recorrência do comportamento de apostar em jogos de azar, apesar de prejuízos em diversas áreas da vida decorrentes dessa atividade. A investigação sobre a atividade de jogar pode detectar precocemente esse transtorno. Jogadores patológicos devem ser encorajados a procurar ajuda de tratamento adequado. É alto o índice de comorbidade psiquiátrica.


Jogo patológico: caracterização e tratamento
Maria Paula Magalhães Tavares de Oliveira

   


Maria Paula Magalhães Tavares de Oliveira

 

Maria Paula Magalhães Tavares de Oliveira
Psicóloga, coordenadora do Ambulatório de Jogo Patológico, do Programa de Orientação e Atendimento (Proad),Departamento de Psiquiatria da Unifesp

 

Correspondência
Proad – Unifesp/EPM
Rua dos Otonis, 887
04025-002 São Paulo, SP
E-mail:
mpm_fto@uol.com.br

 

Passar algumas horas no bingo pode ser uma atividade de lazer mas, freqüentemente, pode tornar-se uma atividade de risco. Jogos de azar vêm se tornando cada vez mais populares em vários países, inclusive no Brasil. Apesar do crescente número de casas de jogos, incluindo bingos e máquinas eletrônicas, não há nenhum controle sobre essas atividades. Frente ao estímulo para jogar, pouco tem sido feito em termos de prevenção, pesquisas ou tratamento no Brasil.

Jogo patológico tem sido considerado uma questão de saúde pública,1 havendo um crescente esforço de conscientização de médicos e da população em vários países. O presente artigo tem como objetivo definir jogo patológico e discutir estratégias de intervenção de forma a esclarecer sobre os riscos desse transtorno e incentivar o seu diagnóstico precoce.

Fases do jogo patológico

Padrões uniformes e progressivos no jogo patológico, com complicações previsíveis são descritos por Custer.2 O jogo começa com pequenas apostas, normalmente na adolescência, sendo mais freqüente entre os homens. O intervalo de tempo entre começar a jogar e a perder o controle sobre o jogo varia de 1 a 20 anos, sendo mais comum num período de 5 anos. É freqüente que as primeiras apostas tenham resultado em ganho de uma quantia expressiva de dinheiro.

Três fases do comportamento de jogar são identificadas:

  1. fase da vitória: a sorte inicial é rapidamente substituída pela habilidade no jogo. As vitórias tornam-se cada vez mais excitantes e o indivíduo passa a jogar com maior freqüência, acreditando que é um apostador excepcional. Um indivíduo que joga apenas socialmente geralmente pára de jogar aí;
  2. fase da perda: a atitude de otimismo não-realista passa a ser característica do jogador patológico. O jogo não sai de sua cabeça e ele passa a ir jogar sozinho. Depois de ganhar uma grande quantia de dinheiro, o valor da aposta aumenta consideravelmente, na esperança de ganhos ainda maiores. A perda passa a ser difícil de ser tolerada. O dinheiro que ganhou no jogo é utilizado para jogar mais, em seguida, o indivíduo emprega o salário, economias e dinheiro investidos;
  3. fase do desespero: caracterizada pelo aumento de tempo e dinheiro gastos com o jogo e pelo afastamento da família. Um estado de pânico surge, uma vez que o jogador percebe o tamanho de sua dívida, seu desejo de pagá-la prontamente, o isolamento de familiares e amigos, a reputação negativa que passou a ter na sua comunidade e, finalmente, um desejo nostálgico de recuperar os primeiros dias de vitória. A percepção desses fatores pressionam o jogador e o comportamento de jogar aumenta ainda mais, na esperança de ganhar uma quantia que possa resolver todos esses problemas. Alguns passam então a utilizar recursos ilegais para obter dinheiro. Nessa fase, é comum a exaustão física e psicológica, sendo freqüente a depressão e pensamentos suicidas.

Apesar das graves conseqüências que o jogo patológico pode vir a provocar, os jogadores têm muita dificuldade em admitir o problema e pedir ajuda, e a aderência ao tratamento costuma ser baixa, procurando tratamento principalmente quando a situação se agrava, o que torna as tarefas de prevenção e diagnóstico precoce imperativas.

O jogo patológico foi incluído como transtorno do impulso nos critérios do DSM-III apenas em 1980, de forma que esse quadro ainda é desconhecido pela população, que identifica o jogador como um “mau caráter” e desconhece a existência de tratamento apropriado. A contribuição de médicos na sensibilização para a questão, orientação e tratamento de jogadores é fundamental.3-5

Critérios diagnósticos

Jogo Patológico é caracterizado, segundo os critérios diagnósticos do DSM-IV, pela persistência e recorrência do comportamento de jogar,6 indicado pela presença de pelo menos cinco dos seguintes itens: (1) preocupação com jogo (preocupação com experiências passadas, especulação do resultado ou planejamento de novas apostas, pensamento de como conseguir dinheiro para jogar); (2) necessidade de aumentar o tamanho das apostas para alcançar a excitação desejada; (3) esforço repetido e sem sucesso de controlar, diminuir ou parar de jogar;(4) inquietude ou irritabilidade quando diminui ou pára de jogar; (5) jogo como forma de escapar de problemas ou para aliviar estado disfórico (sentimentos de desamparo, culpa, ansiedade, depressão); (6) depois da perda de dinheiro no jogo, retorna freqüentemente no dia seguinte para recuperar o dinheiro perdido; (7) mentir para familiares, terapeuta ou outros, a fim de esconder a extensão do envolvimento com jogo; (8) cometer atos ilegais como falsificação, fraude, roubo ou desfalque para financiar o jogo; (9) ameaçar ou perder relacionamentos significativos, oportunidades de trabalho, educação ou carreira por causa do jogo; (10) contar com outros para prover dinheiro, no intuito de aliviar a situação financeira desesperadora por causa do jogo.

Não há pesquisas epidemiológicas sobre a prevalência de jogo patológico na população brasileira, tampouco é claro o perfil dos jogadores.

Pesquisa realizada em local de jogo em São Paulo7 e entre jogadores que procuraram tratamento8 observou que, apesar de ser crescente o número de mulheres que jogam, a maioria dos jogadores é do sexo masculino, tem cerca de 40 anos de idade, casada, trabalha e tem grau de escolaridade elevado.

Os jogadores costumam apostar em mais de um tipo de jogo de azar, apesar de normalmente praticarem mais assiduamente apenas um jogo específico. Bingo, jogos eletrônicos (vídeo bingo, videopoker e caça-níqueis) e carteado são os mais referidos como atividades que trazem prejuízos.

Comorbidade psiquiátrica

Jogo patológico vem freqüentemente associado por outros transtornos psiquiátricos, sendo os mais comuns o transtorno de humor, de ansiedade, dependência de álcool e outras drogas.9 Dessa forma, consulta com um médico psiquiatra é muito útil para esclarecer o diagnóstico e empregar medicação apropriada.

Tratamento

Existem poucos estudos controlados sobre tratamento e diferentes abordagens são descritas na literatura. Grupos de Jogadores Anônimos, freqüentes em outros países, já se encontram em algumas cidades brasileiras. Abordagens psicodinâmicas são relatadas na literatura, bem como intervenção familiar, terapia cognitiva, comportamental e farmacoterapia. Abstinência não é necessariamente o objetivo do tratamento, mas sim o auto-controle.

O Ambulatório do Jogo Patológico do PROAD (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) utiliza a psicoterapia de grupo com o propósito de auxiliar o jogador a sair do isolamento em que se encontra. Psicoterapia individual é indicada para jogadores mais mobilizados, e orientação familiar é uma ferramenta importante. Apesar de não existirem estudos controlados, alguns trabalhos indicam a utilização de antidepressivos como forma auxiliar na contenção do impulso de ir jogar.10

Referências

  1. Volberg RA, Volberg RA, Volberg RA. The prevalence and demographics of pathological gamblers: Implications for public health. Am J Public Health 1994;84(2):237-41
  2. Custer RL. Profile of the pathological gambler. J Clin Psychiatry 1984;45(12 Pt 2):35-8.
  3. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 3rd ed. Washington (DC): American Psychiatric Association; 1980.
  4. Miller MM. Medical approaches to gambling issues – II: The medical response. Wis Med J 1996;95(9):635-42.
  5. Kramer D. “Ask the gambling question,” FPs told as “secret” addiction becomes more common. CMAJ 1997;157(1):61-2.
  6. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4th ed. Washington (DC): American Psychiatric Association; 1994.
  7. Oliveira MPMT, Silva MTA. Pathological and nonpathological gamblers: a survey in gambling settings. Substance Use & Misuse 2000;35(11):1573-83.
  8. Oliveira MPMT, Silva ACP, Silveira DX. Um programa assistencial para o transtorno de jogo patológico. Bol Psiquiatria 1999;32(1):25.
  9. Crockford DN, el-Guebaly N. Psychiatric comorbidity in pathological gambling: a critical review. Canadian J Psychiatry. Revue Canadienne Psychiatrie 1998;43(1):43-50.
  10. Petry NM, Armentano C. Prevalence, Assessment, and Treatment of Pathological Gambling: a Review. Psychiatric Services 1999;50(8):1021-7.

 

capa

arrow22c.giftopo

Volume 34, número 1

jan ·mar 2001

Última atualização: [an error occurred while processing this directive]