epmpq.gif (1789 bytes) UNIDADE DE INTERNAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIFESP/EPM
 

Coordenador: Antonio Carlos Correa Cintra

 

HISTÓRICO

 

A Unidade Psiquiátrica iniciou suas atividades em 1973, sob coordenação do Prof. Dr. Itiro Shirakawa, após o Prof. Dr. Darci Uchôa ter assinado o convênio com a Secretaria de Saúde do Estado. A implantação da Residência Médica em Psiquiatria dependia da existência de leitos para Psiquiatria no Hospital São Paulo. Porém, a enfermaria psiquiátrica funcionou por apenas três anos, quando em 1976 foi fechada por decisão da diretoria clínica. Apesar disto, obtivemos a diminuição do preconceito em relação aos pacientes com transtornos psíquicos no Hospital Geral. Isso facilitou a organização do serviço de interconsultas e a partir de 1977 iniciou-se o atendimento psiquiátrico em pronto-socorro geral. Em dezembro de 1982, uma nova unidade de internção foi inaugurada, embora tenha iniciado suas atividades apenas em 17/10/1983.

 

A ENFERMATIA PSIQUIÁTRICA

A Unidade psiquiátrica do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP está localizada no primeiro andar do Hospital São Paulo. Tem capacidade de dezoito leitos femininos, distribuídos em seis quartos, em uma área de aproximadamente 170m2.

A organização da assistência pretende utilizar práticas terapêuticas que combata a cronificação de doença mental. Para tal, privilegia-se os seguintes objetivos:

 

intervenção em uma "situação de crise" que necessite de intervenção, sendo esta considerada a mais breve possível e que esteja direcionada a reverter uma desorganização do funcionamento psíquico e social, estimulando os mecanismos que facilitam a readaptação social. Entende-se por crise as pertubações psíquicas agudas ou as reagudizações de transtornos de evolução prolongada.

internações de curta permanência, aproximadamente 21 dias, caracterizadas como uma fase de atendimento, que possibilite o retorno do paciente à comunidade o mais breve possível, tentando evitar a institucionalização.

criação de ambiente que seja terapêutico, ou seja, facilitar um ambiente onde se possa examinar e discutir a natureza das relações interpessoais que ocorrem durante a internação. Os pacientes são estimulados à uma participação mais ativa no tratamento, ressaltando os aspectos mais sadios e respeitando a vulnerabilidade da condição atual. O mais importante é a individuação do tratamento e a dignidade do paciente, garantindo sua qualidade de vida e a qualidade dos cuidados durante a internação.

formação de profissionais na área de saúde mental, a partir do questionamento e reflexão de suas experiencias vivenciadas durante os estágios, além de conhecimento técnico e específico para cada categoria profissional, possibilitando um referencial que os permita trabalhar em um modelo semelhante de assistência. Deseja-se que esta seja uma contribuição da universidade em criar e avaliar os modelos de atendimento que se ajustem as reais necessidades da população.

 

ATIVIDADES ASSISTENCIAIS

 

A enfermaria dispõe das seguintes atividades:

atendimento em grupo verbal e terapia ocupacional, que visa o aprendizado da organização, discussão e elaboração de uma tarefa em grupo, geralmente relacionada dom experiências que precederam a internação; discussões sobre a convivência no ambiente da Unidade, focalizando as dificuldades durante a internação; questionamento sobre o tratamento; licença, alta; organização e execução de algumas atividades mais pragmáticas (passeios, festas e apresentações). Para compreensão das experiências grupais utiliza-se, frequentemente, o modelo psicanalítico aplicado ao campo social.

atendimento grupal familiar é uma atividade fundamental pra criar condições que permitam a família compreender e questionar a crise de um de seus membros, que na maioria das vezes desorganiza o ambiente familiar. Espera-se que a família se torne mais tolerante para lidar com a pertubação emocional do paciente.

atendimento grupal com familiares e pacientes no momento da licença e alta, permitindo discutir questões específicas relacionadas as dificuldades decorrentes da situação de retorno ao ambiente familiar.

atendimento clínico que constitui a compreensão diagnóstica e conduta terapêutica específica.

atendimento ambulatorial dos recém egressos da unidade, atividade esta que serve para complementar o atendimento recebido durante a internação. O atendimento ambulatorial é limitado, aproximadamente por 3 meses, sendo posteriormente os pacientes encaminhados para outros serviços que se ajustem as necessidades específicas de cada paciente. O critério de encaminhamento sempre respeita a regionalização dos atendimentos em saúde mental. O atendimento dos recém egressos é focalizado nos conflitos gerados no momento em que o paciente retoma gradativamente as suas funções na comunidade.A frequência desse atendimento é de até duas vezes por semana e consiste em atividades de grupo verbal, terapia ocupacional, atendimento clinico e familiar. Essas atividades são feitas pelos mesmos membros da equipe que atenderam o paciente e a família durante a internação.

 

 

A EQUIPE

 Para executar este trabalho temos uma equipe multidisciplinar, o que necessita atenção constante para relações interpessoais, questionamentos latentes e manifestos dos papéis e funções na equipe, o que impõe a necessidade de reuniões administrativas semanais.

A equipe fixa é composta por psiquiatras, psicólogas, terapeuta ocupacional, assistente social, enfermeira, além de auxiliares e atendentes de enfermagem. A equipe móvel é composta por quatro residentes de psiquiatria, cinco estagiários de psicologia, quatro de terapia ocupacional e quatro de serviço social. Os estágios são em rodízio de 4 ou 6 meses.

 

José Cássio do Nascimento Pitta (psiquiatra)
Luciana Maria Sarin (psiquiatra)
Antônio Carlos O. Cintra Correa (psiquiatra)
Cristiane Barbieri (psiquiatra)
Christiana Martins Ribeiro da Cunha Freire (psicóloga)
Patrícia Gazire (psicóloga)
Tatiane Luíze Ceccato (terapeuta ocupacional)
Maria do Socorro Medeiro Dintof (assistente social)
Caroline Terrazas (enfermeira)

Jeanne Kuk (professora de Tai Chi Chuan)

 

 

 

Rua Napoleão de Barros 715 - 1 º andar - cep 04024-002 5576 40 31

 

 

Webmaster: Denise Razzouk              Data da última modificação : 18/08/2003