HISTOLOGIA


O colo do útero estende do óstio externo ao óstio interno, sendo no seu interior percorrido pelo canal do colo do útero (cervical) que tem relevo papilar. Na parede do canal do colo do útero encontram-se inúmeras pregas transversais e canais laterais que são ramificações dessas pregas. Esses canais laterais são erroneamente denominados “glândulas cervicais”, as quais penetram na intimidade da musculatura lisa. O revestimento do canal cervical (endocévice), assim como das pregas e suas ramificações, está constituído por epitélio simples colunar que secreta muco hialino, viscoso, chamado muco cervical, o qual se acumula no canal e pode ser exteriorizado para a vagina. Deve ser mencionado que esse muco sofre alterações durante o ciclo menstrual e gravidez. A porção do colo do útero que se estende do óstio do útero (externo) ao fórnice da vagina é denominada ectocérvice e está revestida por epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado. O orifício cervical externo (óstio do útero) apresenta morfologia distinta segundo a paridade da mulher: nas nulíparas o formato é puntiforme, e nas multíparas pode ter forma circular, ser ovulado ou de fenda transversa, conforme a ruptura decorrente do trabalho de parto.



Na dependência de estímulos hormonais, endógenos ou exógenos (recém-nascida, pré-púbere, menarca, menacme, menopausa, reposição hormonal, contraceptivos orais, gravidez), os epitélios que revestem a ectocérvice, bem como a junção desses epitélios – junção escamo-colunar -, apresentam variações topográficas decorrentes do estímulo hormonal. Cabe ressaltar que ectocévice não é sinônimo de epitélio estratificado escamoso, nem endocévice é de epitélio simples colunar. Na maturidade sexual, é freqüente a JEC situar-se por fora do canal cervical, formando uma eversão ou ectopia, chamada clinicamente de mácula rubra durante o exame especular. No climatério, a junção escamo-colunar se faz no interior do canal cervical.