Anticoncepção Cirúrgica

A laqueadura tubária e a vasectomia são métodos em geral adequados para casais que estão seguros e desejosos da contracepção permanente.
O casal, deve ser suficientemente esclarecido de suas vantagens e desvantagens, tendo a consciência de que o procedimento envolve conseqüências a curto, médio e longo prazo, bem como ter conhecimento de todos os demais métodos contraceptivos que obrigatoriamente necessitam estar disponíveis no serviço que realizará a vasectomia.

 

LAQUEADURA TUBÁRIA

 

 

Constitui um método permanente de contracepção, operacionalizado através da obstrução do lúmen tubário. Está indicada em mulheres que já completaram sua prole e, portanto, desejam um método definitivo de contracepção. Entretanto, algumas mulheres, apesar de desejarem nova gravidez, têm contra-indicações clínicas absolutas para nova gestação e para o uso dos demais métodos contraceptivos confiáveis, sendo assim fundamental a inclusão no grupo de indicações para esse procedimento.

 

Mecanismo de Ação

A laqueadura tubária obstrui as tubas uterinas, impedindo a migração dos espermatozóides em direção ao óvulo, fazendo com que não ocorra a fecundação. Não tem ação sobre a produção de hormônios femininos.

 

Critérios de Elegibilidade desenvolvidos pela Organização Mundial de Saúde (WHO, 1996 - Categoria D) Ver critérios de elegibilidade

· Doença isquêmica do coração atual
· Sangramento vaginal inexplicado
· Câncer cervical
· Câncer ovariano, endometrial
· DSTs atual
· Infecção local
· Doenças respiratórias agudas
· Doença inflamatória pélvica atual

 

Eficácia

Embora sua eficácia teórica seja de 100%, na prática é observado, em média, falha de 0,3 gestações para cada 100 mulheres/ano.
As falhas podem ser classificadas em 5 categorias:
· Paciente grávida no momento da esterilização
· Erro cirúrgico (30 a 50% das falhas)
· Falha no equipamento (laparoscopia)
· Fistulização
· Reanastomose espontânea

 

Vantagens

· É um método muito eficaz
· É um método permanente

 

Desvantagens

· É um método irreversível
· Não é um método simples de ser utilizado

 

Vias de acesso


As vias de acesso às tubas uterinas podem ser abdominal e vaginal, sendo a minilaparotomia e a laparoscopia representantes da primeira, e a colpotomia (incisão do fundo-de-saco posterior da vagina) e a histeroscopia da segunda.
A laparoscopia fornece menores índices de morbidade, com uma recuperação mais rápida da mulher, menor tempo de internação e custos mais baixos, sendo a via de acesso preferida para a realização dessa cirurgia. Seus inconvenientes são o alto custo do equipamento e a necessidade de realização de treinamento específico.
A colpotomia apresenta taxas de eficácia e segurança semelhantes às de procedimento abdominal, sendo associada a um maior índice de complicações infecciosas e hemorrágicas.
A histeroscopia permite acesso às trompas através da cavidade endometrial, mas as técnicas cirúrgicas utilizadas através dessa via de acesso, como obstrução da luz tubária por agentes químicos ou mecânicos, ainda estão em fase de pesquisa.

 

Complicações


São pouco freqüentes e, quando ocorre, de um modo geral, são de discreta gravidade. Eles podem variar de acordo com a técnica, o método e a via de acesso empregados.

 

Benefícios e Riscos

Benefícios
· Não interfere nas relações sexuais
· Não interfere na libido
· Não tem efeitos sobre o leite materno
· Não apresenta efeitos colaterais a longo prazo ou riscos à saúde

Riscos
· São complicações raras da cirurgia: infecção e sangramento no local da incisão, infecção ou sangramento intra-abdominal, lesão de órgãos pélvicos ou abdominais
· A gravidez ocorre raramente, mas quando ocorre, a chance de ser uma gravidez ectópica varia entre um quinto a três quartos, dependendo da técnica utilizada e da idade da mulher

 

 

VASECTOMIA

 

 

Consiste em secção e/ou oclusão do canal deferente, sendo um método seguro, eficaz e de fácil execução. É um método contraceptivo, que deve ser encarado como de caráter permanente.

 

Mecanismo de Ação


A vasectomia impede que os espermatozóides sejam depositados na vagina junto ao sêmen. Ela não altera o aspecto do sêmen nem o desempenho sexual do homem.


Critérios de Elegibilidade desenvolvidos pela Organização Mundial de Saúde (WHO, 1996 - Categoria D)
Ver critérios de elegibilidade


· Infecções locais
· Infecção sistêmica ou gastroenterite
· Filariase, Elefantiase
· Massa intraescrotal


Eficácia


Uma vez estabelecida azoospermia, a vasectomia oferece uma grande segurança contraceptiva, com falha de apenas 0,1 a 0,15 por 100 homens/ano. A recanalização espontânea é rara.

 

Vantagens

· É um método muito eficaz
· É um método permanente

Desvantagens

· É um método irreversível

 

Efeitos Colaterais


· Pode ocorrer um leve mal estar durante 2 a 3 dias após o procedimento
· Dor, edema ou hematoma no escroto


Benefícios e Riscos


Benefícios

· Não interfere nas relações sexuais
· Não afeta o desempenho sexual do homem
· Não apresenta efeitos colaterais a longo prazo ou riscos à saúde


Riscos
Infecção e sangramento no local ou dentro da incisão e a formação de coágulos no escroto são complicações raras da cirurgia.