DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

I n s u f i c i ê n c i a    C o r o n a r i a n a

LINKS PARA OUTRAS PÁGINAS NO RODAPÉ

O que é?
Insuficiência coronariana é uma deficiência na irrigação miocárdica ocasionada pela diminuição da luz ou diâmetro interno de uma ou mais artérias coronárias. O processo de diminuição do diâmetro interno de uma artéria coronária ocorre principalmente devido ao depósito de colesterol na camada média da artéria. No ponto onde as placas gordurosas se acumulam, o revestimento interno engrossa, o vaso sanguíneo estreita-se e o fluxo sanguíneo fica mais lento. Estes acúmulos de gordura também são chamados de placas ou lesões.

ATEROSCLEROSE CORONARIANA
É o nome deste processo de endurecimento e obstrução da artéria coronariana que pode ser lento e gradativo iniciando-se na infância e progredindo rapidamente na terceira década de existência, sendo que em algumas pessoas não se torna ameaçador até a quinta ou sexta década de vida. Uma pessoa que tem os fatores de risco como taxa de colesterol e triglicérides altos, obesidade, diabetes e hipertensão arterial tem possibilidades de desenvolver o proceso de aterosclerose coronariana.

O termo aterosclerose vem do grego athero que significa empastamento e sclerosis que significa endurecimento. Envolve além do depósito de colesterol, o depósito de detritos celulares, de cálcio e fibrina (material da coagulação do sangue) na camada média da artéria.

Ao lado uma representação do processo de deposição de colesterol na camada média de uma artéria.

Uma placa aterosclerótica pode bloquear parcialmente ou totalmente o fluxo sanguíneo arterial. Duas coisas podem ocorrer quando uma placa é formada:

  • Sangramento dentro da placa
  • Formação de coágulo na superfície da placa

Se um destes eventos ocorrer e bloquear uma artéria, um infarto poderá ocorrer.

EFEITOS DA INSUFICIÊNCIA CORONARIANA

O sintoma mais comum de uma pessoa portadora de insufuciência coronariana é a dor no peito, conhecida como angina pectoris. Esta é uma condição na qual o miocárdio não recebe a quantidade suficiente de sangue, resultando em dor no peito. A angina é um sintoma de uma condição chamada de isquemia miocárdica. Ocorre quando o miocárdio não obtém a quantidade suficiente de oxigênio para suprir suas necessidades para um dado nível de trabalho ou esforço. A angina pode ocorrer quando o fluxo de sangue para o coração é suficiente para as necessidades normais mas insuficiente quando tais necessidades aumentam. Ela pode acontecer durante o exercício físico, fortes emoções ou exposição a temperaturas extremas, ao correr para pegar o ônibus, por exemplo. Outras variações de angina podem ocorrer quando a pessoa estiver descansando.

Em resumo, a angina é uma condição que indica que uma pessoa está em risco para um ataque cardíaco. A angina pectoris pode se apresentar de duas formas:

  • Angina estável - é o tipo de dor que a pessoa portadora de doença coronariana tem diante de situações consideradas previsíveis. Alguns exemplos de situações que podem causar a dor no peito: esforço físico, exposição ao frio, após as refeições, após emoções fortes. É chamada de estável porque, em geral, passa com medidas clássicas como o repouso e o uso de medicações vasodilatadoras. Este tipo de dor não dura mais do que 30 minutos.

  • Angina instável - é o tipo de dor que a pessoa portadora de doença coronariana tem, sem que exista uma condição predisponente das citadas acima, e que dura tempo superior a 30 minutos.

Uma pessoa que é portadora de insuficiência coronariana deve fazer acompanhamento médico e tomar medicamentos sistematicamente, isto é, durante um período regular e indeterminado. Deve também fazer também algumas mudanças no estilo de vida.


| <VOLTAR< | >SEGUIR> |
Nesta seção | Doenças Coronarianas | Síndromes Coronárias |
| Fontes e Referências Consultadas |

Atualizado em:  01 Apr 2004   - CardioSite © 2000-2004. Todos os direitos reservados.