Cardiologia da EPM/Unifesp é reconhecida pelo segundo ano consecutivo em Qualidade Assistencial

Instituição é a única dentre as pertencentes ao SUS que recebeu a segunda certificação

 TODOS (2)

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), em conjunto com a American Heart Association (AHA) e o Ministério da Saúde (MS), por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), certificou pelo segundo ano consecutivo o Hospital São Paulo e a Disciplina de Cardiologia da EPM/Unifesp, em Qualidade Assistencial pelo programa de Boas Práticas Clínicas em Cardiologia. A instituição é a única, dentre as pertencentes ao SUS, que recebeu a segunda certificação em todos os eixos assistenciais, com duas premiações na Categoria Ouro.

A premiação reconhece a instituição por apresentar adesão as práticas clínicas baseadas em evidências para o melhor cuidado aos seus pacientes. A congratulação foi recebida no último dia16 de Setembro durante o 73º Congresso Brasileiro de Cardiologia, que ocorreu no Centro Internacional de Convenções do Brasil, em Brasília/DF.

A EPM/Unifesp foi a única, dentre as instituições pertencentes ao Sistema Único de Saúde, a receber pelo segundo ano consecutivo a Certificação de Reconhecimento de Qualidade Assistencial em Boas Práticas Clínicas em Cardiologia nos três eixos: Síndrome Coronariana Aguda (SCA), Insuficiência Cardíaca (IC) e Fibrilação Atrial (FA).

O reconhecimento ocorreu após a implementação do programa de Boas Práticas Clínicas em Cardiologia (BPC). O objetivo deste programa é avaliar, antes e após a sua implementação, as taxas de adesão às diretrizes assistenciais de Insuficiência Cardíaca (IC),Fibrilação Atrial(FA) e Síndrome Coronariana Aguda (SCA) em instituições do SUS.

“Construímos, em conjunto com essas instâncias, além do suporte da American Heart Association e da parceria com o HCor, um projeto de qualidade e original, a partir do estudo de três eixos principais relacionados à atuação cardiológica: emergencial, hospitalar e ambulatorial”, pontua Angelo de Paola, docente da Disciplina de Cardiologia da EPM/Unifesp, idealizador e membro do comitê gestor permanente do projeto BPC.

“Um atendimento multidisciplinar coordenado e efetivo junto ao paciente e aos seus familiares, esclarece e orienta sobre a doença em questão e seus cuidados. O acompanhamento pós alta reforça a aderência ao tratamento e mantém em contato o paciente com a Instituição e com o seu médico para aumentar a segurança e auto monitoramento, reduzindo assim a reinternação",afirma a coordenadora operacional do projeto na Unifesp, a Biomédica Enia Coutinho.

De acordo com o programa de Boas Práticas Clínicas em Cardiologia, estima-se que, em todo o mundo, a subutilização de recursos efetivos afete 30% a 40% dos pacientes e que 20% ou mais dos cuidados prestados são desnecessários e potencialmente prejudiciais. Desta forma, programas de melhoria de qualidade, como o BPC, podem contribuir para o cuidado prestado e promover uma prática assistencial mais eficiente.

Além de Angelo de Paola, Chefe do Setor de Eletrofisiologia, Dirceu Almeida, Chefe do Setor de Insuficiência Cardíaca, estavam presentes, representando a EPM/Unifesp no evento: Enia Coutinho, Biomédica e Coordenadora do Programa BPC na Unifesp, e os membros da equipe envolvidas no projeto Andressa Guerrero e Lívia Timbó.