Imprimir esta página
Terça, 26 Março 2019 16:31

Unifesp busca parcerias com a iniciativa privada para investir

Audiência pública que abordará o assunto será realizada no próximo dia 2 de abril

PDInfraCSP portal

Cinquenta milhões de reais anuais por um período de 20 anos. Esse é o tamanho do aporte financeiro, em obras e serviços, que a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) quer atrair para o desenvolvimento do Plano Diretor de Infraestrutura do Campus São Paulo. Responsável por detalhar o conteúdo envolvido no Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), o professor Pedro Fiori Arantes, pró-reitor de Planejamento da Unifesp, explica as oportunidades de parcerias público-privadas envolvidas nos mais de 100.000 m² de construção planejados para os próximos cinco, dez e 20 anos.

O Plano Diretor de Infraestrutura (PDInfra) contempla oito edificações. São reformas, obras de ampliação e construção de novos edifícios que abrigarão o Complexo de Pesquisa e Ensino; o Biotério; o Edifício Didático, com ampliação e reforma do Edifício de Anfiteatros existente; o Edifício de Pesquisa Experimental e Pesquisa Clínica; Centros de Extensão, Ensino, Pesquisa e Assistência; o Centro de Atenção Integral em Oncologia; o Hospital da Criança e Adolescente; o Edifício dos Departamentos Acadêmicos com Restaurante Universitário; e a Moradia Universitária.

Para o professor, o projeto representa um ganho significativo de qualidade não apenas para a universidade, como também para a cidade. “Diferentemente de uma cidade universitária, somos uma universidade na cidade, o que nos traz desafios urbanísticos. Assim, em conjunto com a iniciativa privada, o desenvolvimento desse Plano Diretor de Infraestrutura permitirá avanços importantes para o Campus São Paulo, bem como para todo o seu entorno, com projetos que garantirão mobilidade e acessibilidade, entre outros aspectos fundamentais do desenvolvimento urbano”, destaca o Pró-Reitor de Planejamento.

Devido à forte presença da Unifesp na região, os investimentos em infraestrutura trariam um grande impacto positivo no planejamento urbanístico dos bairros da Vila Mariana e Vila Clementino. Entre as intervenções urbanas que revigorariam os espaços públicos da região está o alargamento de calçadas, aterramento de fiação, redimensionamento da iluminação pública, arborização, estímulo à acessibilidade, integração de ciclo faixas, entre outros.

Em troca dos investimentos privados, a universidade acena com a possibilidade de uma operação casada envolvendo permuta com outros imóveis da instituição, construção sobre medida (built-to-suit), exploração comercial de parte não ocupada pela Unifesp nos empreendimentos, em esquema de arrendamento ou cessão onerosa de uso; entre outros arranjos possíveis. Será permitida a exploração comercial de andares térreos, fachadas e subsolos para serviços e comércios, promovendo fachadas ativas e a qualificação dos serviços aos usuários do Campus e do Hospital São Paulo. Espera-se atrair empresas do setor imobiliário, construtoras, bancos, clínicas e laboratórios de diagnóstico, empresas de serviços de estacionamento e refeição.

As propostas do mercado serão recebidas até o dia 14 de abril, quando a Unifesp passará a analisar a viabilidade dos projetos segundo critérios financeiros, jurídicos e técnicos. No dia 2 de abril, às 14h, será realizada uma audiência pública para tratar do assunto no Anfiteatro Leitão da Cunha, localizado na Rua Botucatu, 720/740, Vila Clementino.

O campus conhecerá as ofertas e avaliará a oportunidade de transformá-las em licitações de parceria, que deverão ser aprovadas pelo Conselho Universitário (Consu), garantindo a oportunidade e o interesse público. As atividades finalísticas da universidade, ensino, pesquisa e extensão, não serão dirigidas pela parceria, que se concentrará exclusivamente em investimentos em infraestrutura e serviços prediais.

Todos os detalhes podem ser acompanhados no edital através do endereço eletrônico.

 

Lido 1810 vezes Última modificação em Terça, 07 Maio 2019 16:25

Mídia