Sexta, 02 Dezembro 2016 12:42

Edifícios de pesquisa do Campus São Paulo receberão novos pontos de Wi-Fi

Ação utiliza recursos provenientes da Reserva Técnica Institucional da Fapesp

Por Daniel Patini

Os edifícios de pesquisa do Campus São Paulo receberão, a partir de 2017, a instalação de 135 novos pontos de conexão Wi-Fi. Os locais contemplados são: Edifícios de Pesquisa I e II, Edifício de Ciências Biomédicas, Edifício Leal Prado, Instituto de Farmacologia e Biologia Molecular (Infar) e Escola Paulista de Enfermagem (EPE).

Os novos pontos foram adquiridos por meio de uma ação da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (PROPGPq), que utiliza recursos provenientes da Reserva Técnica Institucional (RTI) da Fapesp, com a participação da Reitoria e do Departamento de Tecnologia da Informação (DTI).

A instalação será executada em parceria com o campus, por meio de suas diretorias acadêmica e administrativa e com o auxílio do Departamento de Engenharia e DTI locais para passagem de cabos, configurações, entre outras ações de contrapartida do campus.

Essa aquisição quase que duplica o total de pontos de acesso sem fio na instituição. Atualmente, as conexões a esses pontos de rede sem fio, instalados em todos os campi (153 no total), atingem picos de mais de três mil usuários no mesmo minuto e mais de dez mil usuários únicos por dia.

Marcelo Di Pietro, diretor do DTI, explica que a gradual ampliação de pontos de rede sem fio vem ao encontro do conceito cada dia mais comum: o BYOD, bring your own device ou "traga seu próprio dispositivo" em português. "A tendência é a utilização de dispositivos pessoais no ambiente de trabalho, pesquisa e ensino propiciada pela popularização dos smartphones, tablets e notebooks”, destaca.

É preciso ressaltar ainda que essa iniciativa é um importante passo de infraestrutura e segurança, pois a utilização de equipamento padronizado, indicado pelo DTI, permite controle de segurança de acesso, evitando as possibilidades de invasão para acesso a dados de pesquisa e acabando com a interferência que equipamentos “piratas” causam na rede.

Além disso, será realizado um levantamento das demais áreas de pesquisa da universidade para que sejam contempladas nas próximas RTIs.

Lido 6422 vezes Última modificação em Sexta, 23 Dezembro 2016 13:56

Mídia