Quinta, 25 Fevereiro 2016 16:51

Reitora participa de júri do Prêmio Péter Murányi 2016

Selecionado entre mais de 90 inscritos, estudo realizado pela USP abre caminho para o desenvolvimento de novas tecnologias de conservação de frutas tropicais

Por Valquíria Carnaúba

Uma pesquisa realizada pelos professores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP) Franco Lajolo, Beatriz Rosana Cordenunsi e João Roberto Oliveira do Nascimento, venceu o Prêmio Péter Murányi 2016 – Alimentação, no valor de R$ 200 mil. Selecionado entre mais de 90 inscritos, o trabalho passou pela avaliação criteriosa de um júri composto, dentre outros, por representantes de universidades federais e estaduais, que se reuniu na última quarta-feira (17) na Sala do Conselho do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), em São Paulo.

O mérito do trabalho, intitulado “Bases moleculares das transformações pós-colheita e qualidade de frutas”, foi mostrar quais são as vias metabólicas para a transformação do amido em açúcar (as enzimas envolvidas e o seu controle) e identificar as enzimas que atuam na degradação da parede celular, ou seja, na textura da fruta. No final, chegou-se à conclusão que as mudanças dependem da síntese de enzimas, da expressão de genes específicos em determinados períodos do pós-colheita e de hormônios, como o etileno e auxinas. E mais: descobriu-se que a velocidade da transformação varia conforme o cultivar.

“Identificamos uma variedade com mais resistência ao frio – fator importante para garantir a qualidade do produto no transporte de longa distância”, conta o coordenador da pesquisa, Lajolo, que também é membro do Centro de Pesquisa em Alimentos (FoRC – Food Research Center) – um dos centros de excelência apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A reitora da Unifesp, Soraia Soubhi Smaili, que integrou o júri, elogiou a seriedade com que o processo de seleção dos trabalhos foi conduzido, destacando sua qualidade. “O debate foi muito interessante, uma demonstração de que a nossa ciência está produzindo trabalhos de excelente qualidade”, afirmou. O prêmio, em sua avaliação, é uma oportunidade de mostrar à sociedade o que as universidades brasileiras são capazes de produzir. “A pesquisa na área de alimentação é um dos grandes temas da humanidade hoje, e o prêmio tem essa dimensão de atualidade”.

Valorizando a ciência – Esta é quarta vez que a Universidade de São Paulo sai vencedora do Prêmio Péter Murányi, desde que o prêmio foi lançado em 2002. De lá para cá, mais de R$ 2 milhões foram concedidos em prêmios para pesquisadores e instituições cujos trabalhos se destacaram como inovações que podem melhorar a qualidade de vida nos países em desenvolvimento. “Este o foi o desejo do meu pai, materializado com a criação da Fundação Péter Murányi após sua morte”, conta a presidente da Fundação.

Única iniciativa privada do gênero no País, o Prêmio Péter Murányi é concedido anualmente, de forma alternada, em quatro áreas: saúde, educação, alimentação e desenvolvimento científico & tecnológico. A próxima edição será focada na área da educação. As inscrições terão início em maio próximo pelo site www.fundacaopetermuranyi.org.br.

 

Lido 5413 vezes Última modificação em Quinta, 24 Março 2016 16:44

Mídia