Terça, 07 Abril 2015 13:21

Reitoria da Unifesp e Direção da EFLCH realizam audiência publica

Encontro foi agendado em atendimento a solicitações dos alunos em greve

A reitoria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a direção da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH), realizaram no último dia 06 de abril uma audiência pública na unidade provisória do Campus Guarulhos. Contando com a participação da comunidade acadêmica local, a audiência foi agendada por solicitação dos alunos em greve.

Na ocasião, a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, a pró-reitora de Assuntos Estudantis, Andrea Rabinovici e o diretor acadêmico da EFLCH, Daniel Vazquez, apresentaram à comunidade acadêmica as respostas sobre as principais demandas que motivaram a paralização, dentre as quais estão o retorno da Ponte Orca, a melhoria do transporte, reajuste dos auxílios estudantis, retorno ao campus Pimentas, moradia estudantil e creche.

Soraya reafirmou que as portas da reitoria estão abertas ao diálogo com os estudantes. “Nossa presença no campus significa a vontade de dialogarmos e buscarmos soluções”. A reitora entregou aos alunos um documento com as respostas às reivindicações dos alunos feitas no dia 26 de março, durante visita do movimento grevista à reitoria. O documento está disponível em http://www.unifesp.br/campus/gua/images/direcao/memo54.pdf.

Sobre a retomada da ponte Orca, a reitora falou das constantes reuniões que foram realizadas com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), mas reforçou que há impedimentos jurídicos e orçamentários que impedem a viabilidade do novo acordo. “Apesar dos empecilhos legais, não deixamos de ir à EMTU negociar”. A Unifesp trabalha para a agilização da concessão do passe livre aos estudantes que tem direito ao benefício e também para a melhoria do transporte público na região. A reitoria também trabalha, em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública, para a melhoria da iluminação pública no entorno do campus.

Referente ao retorno das atividades acadêmicas no bairro dos Pimentas, foi explicado que a obra está 90% concluída e que, devido à necessidade de testes, colocação de mobília e reforma de outros espaços, a mudança deve ocorrer no final de 2015 para que o ano letivo de 2016 seja iniciado nas novas instalações. Questionados sobre os espaços estudantis no novo prédio, Daniel Vazquez explicou que estão previstos espaços para os centros acadêmicos e para a prática de atividades esportivas. “Trabalhamos com a perspectiva de mudança para dezembro, mas precisamos fazer um planejamento para tal”, disse Vazquez.

A respeito dos auxílios estudantis, Andrea Rabinovici afirmou que não houve cortes nas concessões e que todos os dados estão disponíveis na página da Prae. A pró-reitora também reforçou a intenção de criar uma agenda com os coletivos da universidade, a fim de debater temas como os direitos humanos, feminismo e homofobia. Já sobre as creches, foi explicado que há um compromisso com a prefeitura pela oferta de vagas em sete creches que estão em projeto, sendo duas delas próximas ao campus Pimentas. “A construção de creches é de responsabilidade da prefeitura e não da universidade”, disse Soraya.

Por fim, a reitora reafirmou que a gestão luta por mais investimentos em educação e pediu retorno dos alunos em relação às necessidades de transportes, para que as mesmas sejam levadas à EMTU.

Lido 6301 vezes Última modificação em Quarta, 14 Outubro 2015 17:22

Mídia